Use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10737/102
Title: Estudo das alterações físico-químicas do azeite de oliva após tratamento térmico
Authors: Penz, Lisângela Rita  Lattes
Keywords: Azeite de oliva;Óleos vegetais;Tratamento térmico;Degradação;Propriedades físico-químicas
Date of Defense: 26-Feb-2010
Issue Date: 23-Jun-2010
Citation: PENZ, Lisângela Rita. "Estudo das alterações físico-químicas do azeite de oliva após tratamento térmico". 2010. Dissertação (Mestrado) – Curso de Ambiente e Desenvolvimento, Universidade do Vale do Taquari - Univates, Lajeado, 26 fev. 2010. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10737/102>.
Abstract: Durante o processo de aquecimento, os óleos passam por modificações em sua estrutura química, o que pode torná-los inadequados para consumo. O azeite de oliva, por ser a maior fonte de gordura monoinsaturada na dieta humana, tem sido alvo de muitas pesquisas na área da saúde, indicando que o seu consumo regular é benéfico à saúde. Por ser um óleo de alto valor comercial, é interessante conhecer o seu comportamento quando submetido a processos de aquecimento em diferentes temperaturas, para avaliar as modificações físico-químicas, e orientar o consumidor quanto a esta prática. O objetivo deste trabalho é avaliar o comportamento físico- químico do azeite de oliva, em seus estados brutos e após o processo térmico, variando da temperatura ambiente até 60 °C, 100 °C, 180 °C e após 30 minutos a 180 °C. Para tanto, foram utilizados métodos quantitativos e qualitativos tais como: ensaios de voltametria cíclica, cromatografia gasosa, índices de peróxidos e acidez, e pH, espectrofotometria UV/Vis e voltametria de pulso diferencial, com o intuito de avaliar o comportamento deste lipídeo. Através destes ensaios, foi possível avaliar as modificações ocorridas por este lipídeo por meio das reações de oxi-redução ocorridas no sistema. Em função do alto custo do azeite de oliva extra-virgem e das perdas de compostos antioxidantes verificadas, deve-se dar preferência ao seu uso na forma bruta, como tempero de saladas e outras preparações. Eventualmente, se o consumidor desejar utilizá-lo em processo térmico, e principalmente, de fritura, sugere-se que a temperatura não seja superior a 180 °C e que não haja um reaproveitamento deste em processos de aquecimento posteriores, devido às perdas de compostos desejáveis, responsáveis por ações positivas para a nossa saúde.
URI: http://hdl.handle.net/10737/102
Appears in Collections:Ambiente e Desenvolvimento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
LisangelaPenz.pdf3,35 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in BDU are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.