Aprendizagens em espaços não formais e o empoderamento feminino: um estudo de caso em uma associação da Região Amazônica

Imagem em miniatura
Data
2018-08-07
Autores
Oliveira, Katiane Vargens de
Título do periódico
ISSN
Título do Volume
Editor
Resumo
O objetivo deste estudo foi compreender como as vivências possibilitadas pela Associação de Mulheres “Cantinho da Amazônia” (AMCA) contribuem para o empoderamento das mulheres pertencentes ao projeto. Trata-se de uma investigação que revela a importância dos espaços não formais de aprendizagem para a formação humana, especialmente no que concerne ao empoderamento feminino. A investigação ocorreu na AMCA com base na pesquisa qualitativa (BOGDAN; BIKLEN 1994). Os instrumentos de coleta de dados utilizados foram dois grupos focais com nove associadas e a análise de documentos da associação como: atas, reportagens, fotografias e livretos. A revisão teórica acerca das aprendizagens em espaços não formais, sob a perspectiva do empoderamento feminino, foi determinante para o estabelecimento do contraponto entre essas teorias e o fazer concreto. Por fim, apresenta-se algumas (in) compreensões do que foi possível vivenciar no decorrer da pesquisa. Serão encontradas nesse estudo razões significativas que apontam para a necessidade de se promover cada vez mais espaços como este pesquisado, a fim de alavancar o empoderamento feminino e, assim, efetivar uma sociedade com equidade de gênero e social, uma vez que a AMCA é um espaço onde há interlocução de vozes femininas que se aproximam, solidarizam-se, compartilham alegrias e problemas cotidianos em um processo de fortalecimento mútuo. As ações da AMCA por si só não levam ao empoderamento, contudo, elas possibilitam momentos que podem ser pontes para que os sujeitos desenvolvam habilidades para adquirirem o empoderamento. Os processos de aprendizagem encadeados nesse espaço possibilitam avanços progressivos político-psicológicos que impulsionaram mudanças na vida social das associadas. Os processos educativos desenvolvidos na AMCA não se desenvolvem apenas nas vivências diárias, mas também na participação de encontros, feiras, oficinas, projetos sociais, capacitações. São oportunizados conhecimentos às mulheres para se qualificarem profissionalmente, tanto no aperfeiçoamento como na aquisição de novas técnicas e aptidões. A AMCA é a uma das poucas opções de trabalho remunerado para as mulheres do assentamento “Vale do Amanhecer”, tampouco há políticas públicas na região que qualifiquem especificamente as mulheres para o mundo do trabalho. Nessa direção, importante se faz refletir sobre a necessidade de constituir novas práticas e ampliar a reflexão sobre os caminhos das políticas públicas com o objetivo de qualificar as mulheres profissionalmente.
The objective of this study was to understand how the experiences made possible by the Association of Women "Cantinho da Amazônia" (AMCA) contribute to the empowerment of women belonging to the project. It is an investigation that reveals the importance of non-formal learning spaces for human formation, especially with regard to female empowerment. The data collection instruments used were: two focal groups with nine associates and the analysis of association documents such as minutes, reports, photographs. The research was carried out at the AMCA based on qualitative research (BOGDAN; BIKLEN 1994). The theoretical review of learning in non-formal spaces from the perspective of female empowerment was decisive for the establishment of the counterpoint between these theories and the concrete and thinking. Finally, I present some (in) understandings of what was possible to experience in the course of the research. We will find in this study, significant reasons that point to the need to promote more and more spaces like this one, in order to leverage female empowerment and thus effect a society with gender and social equity, since AMCA is a space where there is interlocution of female voices that approach, solidarity, share joys and daily problems in a process of mutual strengthening. AMCA actions alone do not lead to empowerment, however, they do provide opportunities that can be bridges for individuals to develop skills to gain empowerment. The learning processes chained in the AMCA allow for progressive political-psychological advances that have led to changes in the social life of the members. The educational processes developed in the AMCA are not only developed in daily life, but also in the participation of meetings, fairs, workshops, social projects, courses of short duration. Knowledge is given to women to qualify professionally, both in terms of improvement and acquisition of new skills and techniques. AMCA is one of the few paid employment options for women in the Valley of the Dawn settlement, nor is there any public policy in the region that specifically qualifies women for the world of work. In this direction, it is important to reflect on the need to establish new practices and broaden the reflection on the paths of public policies in order to qualify women professionally.
Descrição
Palavras-chave
Empoderamento Feminino, Aprendizagem em Espaços Não Formais, Relações de Gênero
Citação
OLIVEIRA, Katiane Vargens de. Aprendizagens em espaços não formais e o empoderamento feminino: um estudo de caso em uma associação da Região Amazônica. 2017. Dissertação (Mestrado) – Curso de Ensino, Universidade do Vale do Taquari - Univates, Lajeado, 19 dez. 2017. Disponível em: http://hdl.handle.net/10737/2160.
Coleções