Use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10737/2345
Title: Estudo comparativo do dimensionamento de vigas segundo a NBR 6118:2014, utilizando concretos de resistências do grupo I e do grupo II
Authors: Erthal, Patrícia Tietze
Keywords: Concreto Armado;Vigas;Viga de transição
Date of Defense: 4-Dec-2018
Issue Date: 16-Jan-2019
Citation: ERTHAL, Patrícia Tietze. Estudo comparativo do dimensionamento de vigas segundo a NBR 6118:2014, utilizando concretos de resistências do grupo I e do grupo II. 2018. Monografia (Graduação em Engenharia Civil) – Universidade do Vale do Taquari - Univates, Lajeado, 04 dez. 2018. Disponível em: http://hdl.handle.net/10737/2345.
Abstract: Baseado na crescente demanda de soluções práticas que visam a economia no setor da construção civil, e no crescente desenvolvimento de concretos de alta resistência, é interessante analisar qual seria a vantagem da utilização de concretos de resistências elevadas para a execução de vigas de concreto armado, visando o aumento da área útil do ambiente, além da economia no orçamento. Para a obtenção desses resultados, foi feito o dimensionamento estrutural de duas vigas distintas, sendo uma de transição. Todo o cálculo é baseado na NBR 6118 (ABNT, 2014) que, na sua última atualização teve acrescentado a normatização do dimensionamento de peças estruturais com concretos pertencentes a Classe II (fck ≥ 55MPa). O dimensionamento é no estado limite último. Por fim, foi realizado o orçamento para cada viga. Como conclusão foi observado o seguinte: para vigas convencionais de uma edificação multifamiliar, a utilização de concreto fck 35 MPa é a mais adequada financeiramente, sendo que a menor altura foi observada com o fck 50 MPa. Entretanto, essa opção demonstrou aumento de 7% em relação a viga com 35 MPa A medida que se utiliza concretos da Classe II, suas dimensões não se alteram, pois deve ser respeitando a parâmetro de ductilidade da viga, ao mesmo tempo que o custo aumenta pela utilização de concretos com um preço maior. Já, para a viga de transição, houve sim uma diminuição da altura da viga, entretanto, o custo é proporcionalmente maior.
URI: http://hdl.handle.net/10737/2345
Appears in Collections:Engenharia Civil

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2018PatriciaTietzeErthal.pdf1,79 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons