Use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10737/600
Title: Incidência dos genes eaeA E stx1 EM Escherichia coli isolada de carcaça suína abatida em frigoríficos comercais na região sul do Brasil
Authors: Machado, Luís Alberto Pereira  Lattes
Keywords: Carne suína;E. coli;STEC;PCR;Toxinfecção alimentar
Date of Defense: 31-Mar-2014
Issue Date: 6-Oct-2014
Citation: MACHADO, Luís Alberto Pereira. Incidência dos genes eaeA E stx1 EM Escherichia coli isolada de carcaça suína abatida em frigoríficos comercais na região sul do Brasil. 2014. Dissertação (Mestrado) – Curso de Biotecnologia, Universidade do Vale do Taquari - Univates, Lajeado, 31 mar. 2014. Disponível em: http://hdl.handle.net/10737/600.
Abstract: A carne suína representa importante fonte de proteína animal para o mundo, porém vem sendo associada a surtos de toxinfecção alimentar. Uma das causas destes surtos é a contaminação por Escherichia coli (E. coli), encontrada no trato intestinal e ambiente dos suínos abatidos para produção de carnes in natura e industrializadas. No contexto de segurança alimentar, os surtos por Escherichia coli produtoras de toxina Shiga (STEC) são os melhores documentados. No mundo, diversos surtos causados por ingestão de alimentos de origem animal já foram documentados, porem no Brasil, existem poucos dados sobre a ocorrência de STEC em eventos de toxinfecção alimentar, bem como a presença nos animais e, consequentemente, na carne suína. O objetivo deste trabalho foi quantificar a contaminação por E. coli de carcaças suínas abatidos em frigoríficos comerciais localizados nos estados da Região Sul do Brasil, e identificar por Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) a presença de E. coli produtora das toxinas stx1 e eaeA. Foram realizados swabs de 272 carcaças suínas em abatedouros frigoríficos localizados nos estados do RS, SC e PR. As contaminações por E. coli foram identificadas em 25 carcaças, sendo 20 estabelecimento do Rio Grande do Sul, cinco no do Paraná e nenhuma amostra positiva na coleta em Santa Catarina. Das amostras positivas foram extraídos DNA para genotipagem por PCR. Nenhuma amostra apresentou o gene stx1, porém o gene eaeA foi identificado em 13 amostras, nas diferentes regiões da carcaça. A identificação da incidência dos genes eaeA e stx1 nas carcaças pela técnica de PCR pode ser uma ferramenta útil no rastreamento da contaminação bacteriana ao longo dos processos do abatedouro, podendo auxiliar na redução de casos de toxinfecções alimentares causadas por E. coli e outros microrganismos.
URI: http://hdl.handle.net/10737/600
Appears in Collections:Biotecnologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2014LuisAlbertoPereiraMachado.pdf1,93 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons