Utilizamos cookies neste site. Alguns são utilizados para melhorar sua experiência, outros para propósitos estatísticos, ou, ainda, para avaliar a eficácia promocional do nosso site e para oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações sobre os cookies utilizados, consulte nossa Política de Privacidade.

Colômbia

Leyla Mariana Salgado Alfonso - intercambista colombiana -

 

Quando pensamos no Brasil, acreditamos que tudo é festa, carnaval, que há muitas pessoas que adoram conversar e que sambam todo o tempo. No entanto, Lajeado rompeu todas essas expectativas, é mais do que calma, tranquilidade total. Na cidade é possível caminhar, andar de Bicivates para todo lado e apreciar sertanejo e funk. Além disso, aprendi a tomar “chima”, “lagartear” perto do Centro Cultural, comer churrasco e tudo o que as pessoas oferecem, porque tem que experimentar.

No começo, quem não está acostumado com a bebida diz que o “chima” está quente, que não tem doce e é só água quente, mas depois vai querer tomar na aula, no DCE, nas rodas de conversa. Foi muito comum as pessoas perguntarem qual minha opinião sobre Lajeado e pedirem que falasse algo em espanhol, mas quando eu falava elas sorriam e diziam que eu falava rápido demais, mas que é tri legal!

O intercâmbio na Univates é top, é show, é uma cultura nova, é experiência, é trabalho e é o melhor que se pode fazer durante seis meses. Para mim, o intercâmbio está deixando os melhores ensinamentos, amizades, colegas de trabalho e uma nova casa onde chegar (a casa da minha madrinha Aline, por exemplo). Os padrinhos são a melhor ajuda, é só falar com eles que sempre estão dispostos a ajudar. Os funcionários da DRI também são muito prestativos. E o que dizer da professora de Português? Todos são bastante amáveis, sabem tudo e o que não sabem procuram para a gente não ficar com dúvidas.

No final, não interessa se o conhecimento de português é razoável ou é o melhor, sempre há uma nova palavra para aprender, os professores nos entendem e sabem que não falamos direitinho, mas que tentamos, os colegas vão ajudar no que precisar e sempre vai ter alguém com interesse de conhecer seu país. A minha experiência está carregada de festas colombianas, saudades, mistura de línguas - Francês, Inglês, Finlandês -, viagens sozinha, com os padrinhos, cheiros, temperos, gírias... Não importa. O mais importante é conhecer, deixar que aconteça o que tenha que acontecer e saber que Lajeado, sua tranquilidade, sua gente e tudo o que vi aqui impactou muito na minha vida.     

 

                                                                                                                                                                                                                                                                                                    Mariana Salgado, UPN, 2017A
Clique para ampliar

Diários Relacionadas