Estudo de docente analisa a contribuição do cinema para a formação de professores

Postado as 31/01/2019 13:09:11

Por Lucas George Wendt/Dipes e Tania Micheline Miorando/CCHS

Lucas George Wendt/Dipes

Tania Micheline Miorando atua no Centro de Ciências Humanas e Sociais (CCHS) da Universidade do Vale do Taquari desde 2008. É graduada e especialista em Educação Especial - área na qual também é docente na Univates. A aproximação com o tema da educação inclusiva se deu na graduação e foi desenvolvida na pós-graduação stricto sensu, com os estudos do mestrado e, depois, do doutorado.

O mestrado foi realizado na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE), com o estudo sobre a formação de professores surdos. “A dissertação foi sobre dois professores surdos em formação,  objetivando aprimorar e qualificar a educação de crianças surdas na escola. A pesquisa percorreu suas histórias de vida e o empenho em buscar na formação de professores vias para uma profissão que sinalizasse um futuro para as crianças surdas, diferente do que havia sido sua infância na escola”, esclarece a pesquisadora.

Durante o doutorado, também desenvolvido no PPGE da UFSM, uma nova perspectiva foi abordada. A tese “Ir ao cinema: a formação inicial de professores e o instituinte ético-estético em educação nos processos formativos docentes", produto de sua pesquisa, foi sobre a formação de professores ouvintes no aprendizado da Língua Brasileira de Sinais (Libras) e a intervenção do cinema na qualificação de sua formação.

A busca pelos estudos do doutorado foi motivada pela continuidade da pesquisa sobre a formação de professores, mostrando as possibilidades do cinema para pensar as questões da educação
Tania Micheline Miorando

A professora defende que os jovens estudantes que buscam na formação inicial caminhos para a docência transitam também por territórios e linguagens que transcendem a oralidade e a escrita: eles correm pelas imagens, sons e sentimentos - recursos adicionais e, ao mesmo tempo, relevantes para a construção do fazer docente. “A criação que almejamos trazer para nossos fazeres docentes inicia na Instituição e ousadia de ver a possibilidade de fazeres que rompem com o que não acreditamos que seja o melhor caminho”, diz.

Durante a pesquisa, ratificou-se a necessidade do cuidado ético e estético para a formação de professores como elementos que constituem o desenvolvimento profissional do estudante. “Fundamental para firmar bases para uma educação comprometida com os princípios que respeitam a quem busca melhores condições para a sua vida e para a sociedade”, observa Tania. “O cinema provocou-nos a pensar, dialogar e ousar experimentarmos deslocamentos em nosso jeito de ver o mundo a que estamos acostumados”, afirma.

A tese se desdobrará em estudos menores na projeção de novos questionamentos, artigos e proposições de mais pesquisa. “A minha docência também assume a responsabilidade ainda mais comprometida com as práticas que chamam para a ética durante a formação, observando a diferença que se estabelece quando a estética da professoralidade é reconhecida nos estudos para a formação de professores”, finaliza Tania.

O estudo foi orientado pela professora doutora Valeska Fortes de Oliveira (UFSM) e coorientado pelo professor doutor Luciano Bedin da Costa, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.