Vida pós-formatura: cinco diplomados pela Univates relatam suas trajetórias profissionais

Postado as 27/05/2019 09:39:10

Por Laís Pontin Matos

Oba, você finalmente está formado! O tão sonhado diploma chegou depois de alguns anos de dedicação, de muito estudo, de trabalhos e mais trabalhos acadêmicos rigorosamente formatados nas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). O tempo pós-faculdade pode ser um momento de descoberta de novos caminhos. Arregaçar as mangas, pôr a mão na massa e fazer diferente é o lema de diplomados que buscam, além de sucesso e sentimento de dever cumprido, maneiras de reinventar a si mesmos, aliando teoria à prática e paixão à profissão.

Alguns diplomados que estudaram na Univates conhecem bem de pertinho a sensação de estar em uma carreira com propósito. Eles compreenderam que a escolha profissional pode trazer realizações e novas formas de olhar para o mundo. Abaixo listamos histórias de diplomados que estão trilhando um belo caminho profissional para você se inspirar. Levantar voo nem sempre é fácil, mas dizem que a vista lá de cima compensa todo e qualquer esforço. Embarque com a gente.

Quiero Café: sócios graduados em Direito e Administração estão à frente de uma rede de cafeterias

Bruna Alves

Durante uma pausa comum de trabalho, o diplomado em Direito da Univates Luís Felipe Wallauer Ferreira saiu à procura de um lanche que satisfizesse seu paladar, mas ficou decepcionado quando constatou a escassez de opções gastronômicas em bares, lancherias e bistrôs da cidade onde estava. O fato, em vez de deixá-lo aborrecido, serviu de inspiração para que ele começasse a cogitar a possibilidade de tornar-se dono do próprio negócio. Ferreira comunicou ao amigo Matheus Lindemann Fell, graduado em Administração de Empresas, a intenção de abrir uma cafeteria com happy hour. Três meses mais tarde, ambos inauguraram a Quiero Café, estabelecimento que comercializa, além de uma variedade de cafés, iguarias doces e salgadas, petiscos, pratos executivos e bebidas como cervejas, chopes e drinks.

Teutônia foi a primeira cidade a receber uma unidade da Quiero Café. O estabelecimento fez tamanho sucesso que Ferreira e Fell decidiram expandir o negócio, firmando franquias da marca em diversos municípios do Estado. Os sócios destacam que o segredo para empreender consiste, sobretudo, em unir à prática de trabalho do dia a dia os conceitos tão extensamente aprendidos durante a faculdade.

A teoria nos dá bons recursos para fundamentar as tomadas de decisões, organizar o trabalho e aplicar métodos já testados e usados. Muitas aulas e professores da graduação são lembrados em determinados momentos e situações
Matheus Fell

Quando a tarefa é acertar detalhes, Ferreira comenta que ele e o sócio sempre debatem ideias juntos. “Isso nos ajuda a refletir sobre o que desejamos. Tentamos ao máximo tomar as melhores decisões para o nosso negócio”. Na Quiero Café, Fell é responsável por cuidar da parte administrativa e financeira da empresa. Já Ferreira atua na coordenação e operação das atividades de atendimento, produção, cozinha e outras.

Huuum, que fome: você sabia que pode experimentar as delícias da Quiero Café sem sair do campus da Univates? No Centro de Convivência (Prédio 9) funciona uma unidade da marca. Aproveite!

Confira a matéria original aqui.

Coordenador e diplomados do curso de Design desenvolvem fonte utilizada em série dos EUA

Em 2016, o coordenador do curso de Design da Univates, Rodrigo Brod, e os egressos Germano Redecker e Vagner Zarpellon receberam boas notícias vindas lá da terra do tio Sam. Acontece que a Warner, produtora de conteúdo televisivo norte-americana, decidiu utilizar na série Roadies uma fonte tipográfica criada por eles.

Brod, Redecker e Zarpellon são proprietários do Estúdio Frente, de Lajeado, desde 2013. De acordo com Brod, o projeto, que nasceu de forma despretensiosa, acabou se tornando maior do que os sócios poderiam imaginar. “Dos primeiros esboços até o contato da Warner demonstrando interesse em usar nossa fonte para a série foram três anos, mais de 260 mil downloads e uma surpresa atrás da outra”, relata. A tipografia, intitulada Frente H1, aparece no título e nos créditos da série.

Redecker comenta que a fonte foi desenhada a mão e que a equipe apostou em originalidade para desenvolver todos os caracteres. “As imperfeições e os ruídos [da tipografia], em vez de limitarem o processo, contribuíram para que a Frente H1 seja especial e sem firulas”.

Tanto Brod quanto Redecker ficaram felizes em ver o design da região ganhando notoriedade. “Estar em Lajeado é uma escolha nossa. Independentemente da localização física, hoje em dia é possível comunicar-se com o mundo todo, e é importante que saibamos acionar os canais para que as boas oportunidades nos encontrem”, explica Redecker.

Aplicativo desenvolvido por ex-aluno da Instituição foi finalista do Prêmio Municiência

Você já pensou na possibilidade de, por meio de um aplicativo, poder encaminhar à gestão municipal demandas e informar problemas presentes em sua comunidade?

Artur Dullius

Pois o diplomado do curso de Sistemas de Informação da Univates Jonas Dhein não apenas cogitou a ideia como também fez questão de tirá-la do papel. O app Fiscale, desenvolvido por ele, ficou em 2018 entre os 15 finalistas do Prêmio Municiência, iniciativa da Confederação Nacional de Municípios (CNM) que objetiva promover experiências inovadoras implementadas por prefeitos das cinco regiões do Brasil. Mais de 200 cidades foram inscritas no concurso. 

Dhein começou a pensar na elaboração de uma plataforma capaz de maximizar a comunicação entre munícipes e gestores durante seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Depois de formado, decidiu levar a novidade às cidades de Venâncio Aires e Esteio, que não hesitaram em implementar a ferramenta. Até abril de 2018, conforme o diplomado, outras duas localidades do Vale do Taquari já haviam demonstrado interesse em adotar o sistema.

 

 

Em Venâncio Aires, o aplicativo entrou em funcionamento ainda em 2017. Segundo Guilherme Hautzinger, responsável pelo serviço de atendimento ao público da prefeitura, as demandas dos moradores da cidade começaram a aparecer logo depois da implementação da ferramenta. “No primeiro mês foram 851 solicitações, já no segundo mês o número caiu para 531. Em abril de 2018, existia uma média de 250 solicitações mensais. Ou seja, esse decréscimo comprova a efetividade que o aplicativo tem na resolução dos problemas”. Hautzinger comenta que grande parte das requisições dos habitantes está relacionada à iluminação pública.

Artur Dullius

Dhein destaca que houve aperfeiçoamento do aplicativo Fiscale depois de ele ter sido inserido na comunidade de Venâncio Aires, pois “desde a implantação [da ferramenta] na cidade várias melhorias já foram realizadas no app com base na experiência do cidadão”.

O diplomado não esconde o sentimento de alegria ao notar que sua criação está fazendo sucesso.

Sinto-me realizado ao perceber que todo o tempo destinado para a elaboração do trabalho não foi em vão. É gratificante ver que o aplicativo consegue impactar um grande número de pessoas de forma positiva
Jonas Dhein

 

Dhein finaliza dizendo que considera extremamente importante facilitar a vida do cidadão e, simultaneamente, potencializar as dinâmicas do local onde ele vive.

Projeto de egressa foi selecionado para o Anuário ARQ

Divulgação

Um projeto executado pela diplomada em Arquitetura e Urbanismo Bruna Franz ganhou as páginas do Anuário ARQ, livro que reúne propostas de arquitetura e decoração. A iniciativa, pensada e posta em prática por um grupo de empresários ligados à área da arquitetura na região dos Vales, conta com apoio e curadoria da Universidade do Vale do Taquari - Univates e da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc). Em 2017, mais de 140 trabalhos foram inscritos e, destes, apenas 42 garantiram publicação no anuário.

Para participar da seleção, Franz elaborou e inscreveu um projeto interno de uma residência litorânea. Segundo ela, a casa de férias vai ao encontro das necessidades de um casal jovem com filhos.

Reprodução

Para participar da seleção, Franz elaborou e inscreveu um projeto interno de uma residência litorânea. Segundo ela, a casa de férias vai ao encontro das necessidades de um casal jovem com filhos. “O conceito moderno transforma o apartamento em um espaço amplo, funcional e inovador”, explica. A arquiteta afirma que é um privilégio ser reconhecida diante de diversos profissionais das regiões dos Vales do Taquari e Rio Pardo. “O sentimento é de gratidão por representar a Univates e tantos colegas. Esse resultado é fruto de dedicação, muito trabalho e amor pela profissão que escolhi”.

Em 2017, pela primeira vez docentes da Univates auxiliaram no processo de seleção dos projetos. Conforme a professora do curso de Arquitetura e Urbanismo Simone Heineck Tavares, “a iniciativa busca aproximar o mercado de trabalho e a Universidade, além de qualificar os profissionais”.

Diplomada conquista quarto lugar em prêmio de moda inclusiva

Divulgação

O ano de 2018 terminou muitíssimo bem para a ex-aluna do curso de Design de Moda da Univates Milena Fernandes. Ela resolveu inscrever seu TCC no 6º Prêmio Brasil Sul de Moda Inclusiva e foi agraciada com o 4º lugar na disputa. O evento, realizado em novembro na cidade de Florianópolis, objetivou propor conceitos diferentes sobre moda e motivou estudantes e profissionais da área a criarem peças de roupas para pessoas com deficiência.

A marca Milena Fernandes busca trazer alternativas de inclusão. A designer revela que confeccionou uma coleção de roupas para homenagear sua mãe, diagnosticada com câncer de mama.

 

Direcionada a todas as mulheres, as peças oferecem alento a quem, em decorrência do tratamento, perde o cabelo (turbante) ou passa por mastectomia radical (adaptação de prótese mamária). “Da arte da superação de uma mãe nasce a inspiração de uma filha. Uma marca que floresce o melhor de cada mulher”, reflete a diplomada.

Fernandes comenta que é fundamental manter o coração aberto em situações de trabalho. “Estou grata pela oportunidade de inspirar tantas mulheres”, comemora. Para a diplomada, participar de um concurso que valoriza sua pesquisa acadêmica é motivo de orgulho. “Vivemos um momento em que precisamos repensar nosso papel na sociedade e buscar fazer a diferença. Aprender a incluir deveria ser uma ação comum no dia a dia. Infelizmente, temos muito a evoluir”, destaca.