Univates finaliza primeira etapa de formação de multiplicadores para educação ambiental no G8

Postado as 09/09/2019 09:42:06

Por Nicole Morás

Divulgação

A necessidade de investimentos em educação ambiental para separação de resíduos exigida nos planos de gerenciamento, em atendimento à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), está sendo contemplada nos municípios que integram o G8 por meio da formação de multiplicadores, realizada pela Universidade do Vale do Taquari - Univates. As atividades conduzidas pelo grupo de pesquisa Comunicação, Educação Ambiental e Intervenções (Ceami), vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Ambiente e Desenvolvimento (PPGAD), atingiram, no primeiro semestre, os municípios de Boqueirão do Leão, Marques de Souza, Santa Clara do Sul e Sério. A partir deste mês serão contempladas as comunidades de Canudos do Vale, Cruzeiro do Sul, Forquetinha e Progresso.

Para o presidente do consórcio G8 e prefeito de Boqueirão do Leão, Paulo Joel Ferreira, na formação de educadores ambientais está sendo possível destacar como ponto fundamental para que o projeto de separação de resíduos dê resultados a economicidade com o  descarte correto dos lixos orgânico e reciclável, este sendo reaproveitado. Com isso diminui o impacto ambiental. Para Ferreira, o ganho para as comunidades é principalmente ambiental.

Destacamos que teremos, para nossas gerações futuras, um município com mais qualidade de vida, com riachos e sangas melhores, com solo, plantas e animais convivendo em melhores condições, sem poluição ou pelo menos com mínimo impacto sobre eles. Também temos a convicção de ganhos econômicos, reduzindo o custo para destinação desses resíduos, uma vez que hoje transportamos todo nosso lixo misturado para grandes distâncias até seu destino final
Presidente do consórcio G8 e prefeito de Boqueirão do Leão, Paulo Joel Ferreira

Divulgação

De acordo com a coordenadora do Ceami, professora Jane Mazzarino, ao final do processo, em dezembro, deve ser promovido um grande encontro com todos os participantes. Ao todo, foram formados cem multiplicadores, entre professores, funcionários estratégicos das gestões municipais, agentes comunitários de saúde, estudantes, pastores, médico, representantes de movimentos sociais e de clubes de mães e políticos. Por meio da ação deles, outros grupos sociais foram impactados: moradores dos municípios, as comunidades escolares de todos os níveis de ensino, usuários de Centros de Referências em Assistência Social (Cras), agricultores, catadores, funcionários públicos e lideranças locais. Mais de 2.600 pessoas foram atingidas diretamente com as ações nos quatro municípios que receberam a formação no primeiro semestre.

Em Boqueirão do Leão  houve uma passeata. Em Marques de Souza, os estudantes da Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Gomes e a Emater produzem, em parceria,  composteiras em baldes para serem vendidas na comunidade. O dinheiro arrecadado vai custear uma viagem da turma. Também houve criação de uma paródia em formato multimídia. Em todos municípios ocorre a distribuição de panfletos que informam sobre a separação de resíduos, o uso de composteiras e a institucionalização da coleta seletiva. Para Jane, é possível perceber que os multiplicadores estão muito engajados, pois eles adotaram o projeto.

Acredito que a característica de serem municípios menores contribua para esse engajamento. A rede de multiplicação atinge todas as casas e, logo, todos os moradores. Assim, as pessoas recebem informações de mais de um multiplicador e cria-se um discurso unânime e uma coesão. Também verificamos a força das metodologias colaborativas, como a Oficina do Futuro e a Oficina de Separação de Resíduos
Jane Mazzarino, coordenadora do Ceami

A pesquisadora acrescenta que, nos municípios onde já havia algum tipo de trabalho na área de resíduos sólidos, como o incentivo ao uso de composteiras, a formação fortaleceu os projetos que já existiam. Jane salienta ainda que professores e agentes comunitários são atores fundamentais nesse processo.

Para Ferreira, é possível observar impactos da formação nas comunidades. “Já percebemos a mudança  de hábitos nas pessoas e dirigentes comunitários. A questão da separação dos resíduos já está sendo abordada dentro dos clubes de mães, clubes de  jovens e idosos, nas escolas, ONGs e em todos os setores públicos. Uma das questões mais relevantes que notamos até o momento é quanto ao descarte do lixo orgânico, pois muitas pessoas que participam do curso gostaram da ideia e já se vê a aplicação prática das composteiras, utilizadas para  transformar resíduo orgânico em adubo de excelente qualidade. São atitudes como essa que esperamos de nossa sociedade, ações que fomentam a qualidade de vida de todos.”

Trabalho em equipe

Para a bióloga Dalila Welter, de Santa Clara do Sul, a formação de multiplicadores é importante porque é capacitado um grupo de pessoas que irá levar a informação para vários segmentos da comunidade, objetivando atingir toda a população, formando uma grande rede. “Além disso, o trabalho é muito mais eficiente, pois há representantes de diferentes áreas, não somente da área ambiental, que vão capacitar os seus grupos de atuação e todos vão estar falando de meio ambiente. Com a formação, aprendi que as coisas mais simples precisam ser ditas, e é isso que irá ficar de aprendizado para as pessoas. Nessa capacitação percebemos que o principal a ser ensinado à população é separar os resíduos que geramos em nosso dia a dia. Aprendi também várias técnicas e dinâmicas para trabalhar com os grupos e senti comprometimento e preocupação em cuidar do nosso ambiente - todos debatendo esse assunto. Também senti a força que o trabalho em equipe tem”, conta.

Como foi a formação

Divulgação

Foram realizados cinco encontros em cada município. Quatro deles semanais para abordagem dos seguintes assuntos: ética ambiental e interdependência, separação correta de resíduos, compostagem e metodologias de intervenção em grupo. Após esses encontros, os participantes realizaram intervenções nas suas comunidades.

Divulgação

O último encontro foi realizado um mês após o quarto encontro e consistiu na apresentação do processo de multiplicação realizado pelos grupos e uma avaliação do que foi alcançado. Participam da equipe de formação, além da coordenadora, a professora Luciana Turatti, a doutora pelo PPGAD Laura Barbieri de Oliveira e os bolsistas da pesquisa Denise Scheibe e Bruno Petter. Cada um dos municípios dará continuidade às ações após este processo de formação. 

Pesquisa

Além do trabalho de extensão, dados do processo de formação de multiplicadores estão sendo coletados e serão analisados na pesquisa de mestrado da acadêmica Janaína Kollet no Programa de Pós-Graduação em Ambiente e Desenvolvimento (PPGAD).