Há 20 anos a Univates forma professores de Educação Física

Postado as 04/03/2020 15:42:11

Por Júlia Amaral e Lais Pontin Matos

Em 2000, a partir de uma demanda regional, identificada em uma pesquisa de interesse por cursos de graduação realizada pela Universidade do Vale do Taquari - Univates, foi criado o curso de Licenciatura em Educação Física. Naquela época, o curso tinha uma estrutura física bastante diferente da oferecida agora com o Complexo Esportivo. Na noite de ontem, dia 3, o aniversário de 20 anos da graduação foi comemorado em um evento com estudantes, professores e diplomados. 

Lais Pontin Matos

Na ocasião, o professor coordenador do curso, Carlos Leandro Tiggemann, destacou a importância que o trabalho desempenhado por profissionais da área tem na sociedade. “Mais de 450 professores de Educação Física atuam na região do Vale do Taquari atualmente. Todos eles preocupam-se em levar alegria, prazer e felicidade às pessoas por meio de exercícios físicos, do movimento e do esporte”. Professores de Educação Física formados pela Univates também tiveram seu espaço para fala, e o corpo docente da instituição recebeu uma homenagem.

Conforme um dos professores do curso, Derli Juliano Neuenfeldt, desde o primeiro ano de atividades o curso passou por várias alterações curriculares, com o intuito de qualificar a formação dos estudantes.

Essas alterações que fomos implementando ao longo dos anos surtiram um efeito muito positivo. Em 2017, por exemplo, nossos alunos prestaram a prova do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) e atingiram a nota máxima excelente. Sabemos o quanto nosso corpo discente é comprometido, dedicado e esforçado
Derli Juliano Neuenfeldt

No último Enade o curso alcançou nota máxima, assim como no Conceito Preliminar de Curso (CPC), de 2019, o que garantiu lhe o posicionamento de terceiro melhor curso do Rio Grande do Sul e o quarto melhor no País entre as instituições particulares.

Lais Pontin Matos

Para a professora Silvane Fensterseifer Isse há, na Univates, um esforço coletivo para que todos aqueles que vivenciam o curso se constituam em professores comprometidos com a educação e a Educação Física. “A formação dos estudantes se dá baseada em um currículo que debate a trajetória histórica da Educação Física, buscando desenvolver uma postura investigativa e a qualificação para as questões humanas e pedagógicas”, afirma. A professora destacou ainda alguns projetos implantados para qualificar o desenvolvimento dos futuros professores, como participação no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) e Residência Pedagógica, com bolsa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes); estágios não curriculares; monitorias em disciplinas, além de vários eventos promovidos pela Instituição.

A importância do professor de Educação Física

O estudante Tiago Wagner, de Venâncio Aires, teve uma grande influência de seus professores de escola para a escolha de sua profissão.

Além do gosto pelas aulas e do ensinar, tive como inspirações que me motivaram a escolher essa área, meus antigos professores de Educação Física, em especial a professora Juliana Viecieli que atua na EMEF Professora Odila Rosa Scherer em Venâncio Aires, escola na qual cursei o ensino fundamental
Tiago Wagner

Ele iniciou a graduação em 2016 e aponta os estágios como momentos marcantes da graduação. “A imersão em uma escola e as primeiras experiências ensinando nos fazem aprender muito. É muito gratificante trabalhar conhecimentos e ver que eles fazem a diferença na vida dos alunos”. 

O estudante, que se forma no final deste ano, conta que algumas práticas trabalhadas com as turmas que teve durante os estágios, como por exemplo o Ciclismo, entraram na rotina de muitos alunos. Para ele, o campo das Licenciaturas e, em especial o da Educação Física, é desafiador nos tempos atuais. “Viemos de tempos de aulas tradicionais que não prendem mais a atenção dos estudantes e precisamos utilizar ferramentas e métodos diferentes para fazer a diferença na vida de crianças e adolescentes”, comenta. 

Quem também entende que as aulas tradicionais precisam de novos movimentos é a diplomada Bibiana Fensterseifer, de Westfália. “A Educação Física foi minha escolha por conta da minha paixão por dança e por acreditar que todas as licenciaturas precisam compreender o corpo dentro do processo de ensino e aprendizagem”, destaca. Ela afirma que poder aliar teoria e prática fez a diferença em sua formação, concluída em 2017. Hoje, Bibiana é  proprietária do Grupo Corpo Livre, onde atua como professora de dança e coreógrafa. Outro ponto destacado pela professora era a diversidade que encontrava nas salas de aula da Univates. “Saber ouvir a experiência do outro, respeitar a trajetória de cada um, buscar o diálogo nas construções de saberes e construir com criticidade foram aprendizados essenciais para administrar os desafios da minha carreira e também na minha vida”, conclui.