Projeto de extensão Alfab&letrar, da Univates, contribui para aulas virtualizadas em escola

Postado as 18/08/2020 08:56:40

Por Leonardo Seibel

Elise Bozzetto

Projeto Alfab&letrar contribui com práticas de alfabetização, letramento e letramento literário

Projeto Alfab&letrar contribui com práticas de alfabetização, letramento e letramento literário

O projeto de extensão Alfab&letrar visa a qualificar as aprendizagens da leitura e da escrita dos estudantes da Educação Básica, procurando contribuir para a diminuição do analfabetismo funcional por meio das práticas de alfabetização, letramento e letramento literário. Por conta da pandemia de Covid-19, o projeto, que tem como parceira a Escola Municipal de Ensino Fundamental Professora Ruth Markus Huber, de Estrela, teve de ser repensado. Com a virtualização das aulas, o grupo formado por professores, bolsistas e diplomados da Univates elaborou kits com atividades de leitura e vídeos para uma turma do 1º ano do Ensino Fundamental.

A professora Danise Vivian, coordenadora do Alfab&letrar, destaca que as intervenções virtuais e os materiais didáticos desenvolvidos para os estudantes configuram-se a partir do desenvolvimento de um olhar e de uma escuta sensíveis sobre a realidade. “Buscamos criar possibilidades de promover a alfabetização, o letramento e o letramento literário a partir de ações lúdicas em âmbito escolar. Essa investida evidencia a importância de constituir uma prática significativa de construção dos conhecimentos escolares com os estudantes e com a professora referência da turma, revelando a necessidade e a importância do planejamento docente, principalmente neste momento de isolamento social que vivenciamos”, relata.

Conforme Carla Schneider, bolsista do projeto e estudante de Pedagogia da Univates, o grupo usa como base diversos livros infantis, e a partir disso cria atividades por meio de vídeos que são repassados aos estudantes. “Já fizemos atividades sobre os livros ‘Você troca?’, da Eva Furnari, ‘O Chá das Maravilhas’ e ‘O homem que amava caixas’. Em cada uma das histórias desenvolvemos uma atividade lúdica, como a exploração de letras e palavras, uma contação de histórias, jogos, entre outras”, explica. Também são criados kits com diversas atividades referentes aos livros, que são enviados aos alunos por meio da professora da escola. 

Para a professora Márcia Wickert, responsável pela turma, o projeto vem enriquecendo os processos de ensino e de aprendizagem nas aulas. “Em tempos de pandemia e educação on-line, este grupo está tendo um papel bem importante de troca de ideias e colaboração no enriquecimento das atividades. Os alunos são beneficiados com uma educação de ainda mais qualidade”, comenta Márcia.

“Nosso projeto já tem uma caminhada e uma parceria com a professora Márcia, e esse vínculo foi fundamental para que pudéssemos encontrar um novo formato para as ações do projeto durante o período de suspensão das aulas presenciais”, aponta a professora Garine Keller, integrante do projeto. Para ela, o contato virtual com a professora possibilita o planejamento de atividades significativas para os alunos. “Que história vamos escolher? Como vamos apresentá-la aos pequenos? Conhecemos os alunos pelo olhar da professora Márcia, que vai nos sugerindo temas e conteúdos que ela pretende desenvolver. Então nosso grupo pensa em ideias que privilegiem a leitura de texto literário, a compreensão leitora e a escrita. Como as crianças estão se alfabetizando, e cada criança poderá estar em uma etapa diferente, trabalhamos com atividades com diferentes níveis de dificuldade. Essa experiência está sendo muito válida”, aponta Garine.

O grupo é composto pela professora e coordenadora Danise Vivian, do curso de Pedagogia, pela professora Garine Keller, do curso de Letras, pela bolsista Carla Schneider, estudante do curso de Pedagogia, e voluntárias que são alunas, ex-alunas do curso de Pedagogia e professoras da área educacional. As participantes têm se reunido semanalmente, por videoconferência, nas quintas-feiras, para estudar os conceitos de alfabetização, letramento e letramento literário, conceitos-chave que subsidiam as ações do projeto. Entre as leituras realizadas e debatidas estão textos de Magda Soares (alfabetização), Angela Kleiman (letramento) e Rildo Cosson (letramento literário).

As envolvidas estão estudando para que, no momento seguinte à pandemia, possam retornar às práticas em sala de aula com maior propriedade da base conceitual do projeto e repletas de novos saberes. Segundo Carla, ser bolsista no projeto Alfab&letrar é muito gratificante. Para ela, ter participação no processo de alfabetização das crianças e auxiliar o professor na sala de aula são questões que agregam muito para seu desenvolvimento profissional. “É um trabalho que compensa, pelo fato de estar junto, de acompanhar o desenvolvimento e o aprendizado das crianças”, completa.