FATORES SOCIOINSTITUCIONAIS E TOLERÂNCIA À CORRUPÇÃO: UMA ANÁLISE APLICADA PARA INDIVÍDUOS

Hilton Manoel Dias Ribeiro, Bruno de Souza Machado

Resumo


Houve um interesse crescente, nas últimas décadas, por estudos sobre as possíveis causas e consequências da corrupção, por meio de abordagens políticas, institucionais, sociais e econômicas. Dada a escassez de análises empíricas, o presente trabalho dedica-se a avaliar as relações entre a tolerância à corrupção e as dimensões socioinstitucionais selecionadas, tais como gênero, educação, religião, confiança, categoria de renda, dentre outras. A World Values Survey (WVS) foi a fonte de dados utilizada, compreendendo o período de 1995 a 2014, conforme disponibilidade dos dados. Como métodos, empregou-se a Análise de Correspondência Múltipla, seguida do modelo de Regressão Logística Ordenada. Os resultados sugerem relações significativas entre uma percepção mais tolerante à corrupção e aspectos como ser homem; ter preferências menos democráticas; ter menos confiança na impressa livre e ativa; ter menos confiança no sistema de justiça; estar em categorias mais elevadas de renda; ter preferência por menos igualdade de renda na sociedade; e ter menos escolaridade.

Palavras-chave


Corrupção. Valores. WVS. Análise Multivariada. Logit Ordenado.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22410/issn.1983-036X.v27i2a2020.2515

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Hilton Manoel Dias Ribeiro, Bruno de Souza Machado

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Tradução automática: