Utilizamos cookies neste site. Alguns são utilizados para melhorar sua experiência, outros para propósitos estatísticos, ou, ainda, para avaliar a eficácia promocional do nosso site e para oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações sobre os cookies utilizados, consulte nossa Política de Privacidade.

Portugal

Floane Rahmeier da Silva -

Como falar da realização do meu maior sonho? Parece fácil, as palavras fluem, mas ao mesmo tempo parecem diminutas para a grandeza do momento, então fica difícil. Posso dizer, sem sombra de dúvidas, que o momento em que tive a certeza de que viria para Portugal estudar por seis meses, foi um dos dias mais felizes da minha vida, digo “um dos” pois cada dia que passei nessa nova realidade foi melhor que o outro. Existem as dificuldades claro, viver em um país do outro lado do oceano, sem as pessoas que mais amamos, com uma cultura que, embora próxima devido às nossas origens, é muito diferente da nossa; a língua pode ter o mesmo nome “português” mas as diferenças são palpáveis, não é a toa que por aqui dizem que nós não falamos português e sim brasileiro.

 

Lembro que no primeiro dia de aula pensei "que língua o professor está falando?", a pronúncia é distinta, as palavras mudam, entonação então nem se fala, gerúndio aqui não existe, ninguém está "fazendo algo" todos estão "a fazer". Somado a isso tudo ainda tem a questão da forma de ensino, que é muito distinta da nossa, a estrutura física é completamente diferente da realidade na Univates, isso se dá ao fato de ser uma Universidade muito mais antiga. Mas línguas, costumes, forma de ensino, hábitos, tudo se torna adaptável quando se quer algo realmente. Hoje, com o retorno próximo, posso dizer, com toda a certeza, que o mais difícil é a hora da despedida, dar adeus a uma cultura com a qual se conviveu meio ano, dar tchau aos amigos que você vai levar para a vida, mas não sabe quando verá novamente.

 

As experiências e amizades vão conosco, mas muitas são as coisas que nos obrigamos a deixar para trás, apenas com a promessa de um até logo. Sendo assim, para quem ainda tem alguma dúvida eu digo venha, para quem nunca pensou no assunto eu digo pense, por mais clichê que a frase a seguir possa parecer é a verdade, o intercâmbio é uma experiência ímpar, trata-se do único investimento que sempre nos deixará mais ricos. E para o meu segundo lar, o Porto, deixarei minha eterna gratidão pela acolhida e um pedacinho do meu coração.

 

 

Floane Rahmeier da Silva, estudante de Direito.

Intercâmbio na Universidade do Porto - Portugal

Clique para ampliar

Diários Relacionadas