Utilizamos cookies neste site. Alguns são utilizados para melhorar sua experiência, outros para propósitos estatísticos, ou, ainda, para avaliar a eficácia promocional do nosso site e para oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações sobre os cookies utilizados, consulte nossa Política de Privacidade.

Intercambista da Univates na Alemanha

Larissa Alana Wiebusch - Relações Internacionais

 

Desde que cheguei em Tübingen, na Alemanha, há alguns meses, muita coisa mudou. Os primeiros dias após minha chegada em setembro não foram fáceis: a adaptação de morar sozinha, de falar outras línguas, de ser pontualíssima em tudo, a burocracia da universidade, morar com pessoas culturalmente tão diferentes. Posso dizer que nesses meses cresci muito, aprendi demais, comecei a dominar outras línguas também, conheci muitos lugares e muitas pessoas.

Quando decidi fazer o intercâmbio, não pensei que tudo mudaria tão rápido, e esta semana mesmo me perguntaram: "você acha que ficou mais responsável nesses últimos meses?", e sem nem pensar eu disse sim. Eu tive que aprender a controlar meu dinheiro para poder pagar aluguel, plano de saúde, comida e viagens; tive que aprender a lidar com a saudade, que para mim até então foi a pior parte, porque nunca tinha ficado tanto tempo longe da minha família, mas a gente acaba se adaptando.

A universidade daqui é muito diferente do que estava acostumada na Univates. Primeiro, a parte burocrática: é papel pra cá, pagamento pra lá, alguns euros se vão no início. Outra diferença são as provas semestrais, bem diferente do que temos na Univates, que tem provas mensais ou então trabalhos, o que não ocorre na Alemanha. Além disso, alunos estrangeiros precisam se matricular para as provas, e caso isso não seja feito, nada de prova, nada de nota nem certificado. A maioria das aulas aqui é em auditórios, porque geralmente são mais de 100 alunos em cada aula, mas varia muito em cada curso. Geralmente as disciplinas têm aula prática e seminário, sendo este último no formato das aula na Univates.

Uma curiosidade interessante: a Universidade de Tübingen é mais velha que o Brasil, pois foi fundada em 1477. Outra coisa que eu acabei descobrindo é que o DNA foi descoberto aqui em em Tübingen. A cidade é muito antiga, a maioria das casas da parte velha da cidade tem mais de 500 anos -  existe a parte velha e a parte "nova". Aqui estudam cerca de 27 mil alunos, é uma cidade com uma diversidade cultural enorme. Eu moro num local onde está concentrado o maior número de estudantes, há vários prédios, e no meu, no lado em que eu moro (cada andar é dividido em dois lados), eu divido a cozinha e os banheiros com mais sete pessoas, mas cada um tem o seu quarto.

A Universidade de Tübingen é renomada em medicina, direito e teologia, assim alunos que cursam essas áreas têm muito a aprender aqui. Meu curso, que é Relações Internacionais, é ministrado apenas em alemão, então eu indico às pessoas que virão para cá para que treinem bem a língua e tentem cursar realmente o mesmo curso em que estão matriculados na Univates. Como minha proficiência foi em Inglês, tive que cursar o curso de Economia, que era o mais parecido com o meu no momento. Eu já tinha noção da língua alemã e mesmo assim fiz dois cursos intensivos aqui, que foram ótimos, e indicaria para qualquer um que vier.

Uma coisa muito legal daqui, para quem não domina o alemão, é que todas as pessoas falam inglês. Obviamente os moradores da cidade preferem o alemão, mas não se importam de terem que falar em inglês com estrangeiros.

Todos os meios de transporte do país são excelentes, só que é necessário aprender a ser pontual, sem nem um minuto de atraso.

Enfim, desculpem-me por ter me estendido tanto no meu diário, mas acredito que consegui contar praticamente tudo o que vivenciei desde que cheguei.

Larissa Alana Wiebusch - Relações Internacionais

University of Tübingen - Alemanha

Clique para ampliar

Diários Relacionadas