Utilizamos cookies neste site. Alguns são utilizados para melhorar sua experiência, outros para propósitos estatísticos, ou, ainda, para avaliar a eficácia promocional do nosso site e para oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações sobre os cookies utilizados, consulte nossa Política de Privacidade.

Intercambistas da Univates em Portugal

Michele Dametto Rui e Carla Heloisa Schwarzer - Psicologia

 
 
Nós, Michele Dametto Rui e Carla Heloisa Schwarzer, tivemos nossa experiência de intercâmbio em Leiria em 2017A. Escolhemos Portugal por ter maior probabilidade de irmos juntas, e conseguimos! Antes de sairmos para o intercâmbio, falaram-nos que irmos juntas não seria uma boa ideia, pois poderíamos nos fechar para conhecer outras pessoas por já estarmos seguras na nossa amizade. No entanto, podemos afirmar que se você vai com a cabeça aberta e pronta para aventura, ter uma amiga do seu lado nessa hora é muito bom, tanto pela segurança de ter alguém de confiança quanto por ter uma pessoa com quem compartilhar tudo o que você está vivendo.
Apesar de ser um país de língua portuguesa, levou um tempo até nos adaptarmos ao sotaque português e às gírias e “acostumarmos o ouvido” com a rapidez da fala portuguesa. Uma vez adaptado, é tranquilo entendê-los. Percebemos que os portugueses não são tão calorosos como nós, brasileiros, então, para fazermos amizades com eles, dependia de nossos movimentos e convites, tanto nas aulas (para fazermos trabalhos em grupo com os colegas e nos aproximarmos dos professores) quanto em encontros e jantares para conversarmos e conhecê-los melhor. Inclusive nos surpreendemos com a quantidade de Erasmus* em Leiria, o que contribuiu para treinarmos outros idiomas, pois a maioria deles não falava português, e sim inglês e espanhol, e também para fazermos amizades com pessoas de diversos países. 
Outra questão que percebemos é que foi mais fácil fazer e manter a amizade com os Erasmus do que com os portugueses, pois todos estamos longe de família e amigos, longe de casa e do nosso conforto, logo, possuímos uma coisa em comum: a vulnerabilidade de estar fora da zona de conforto, o que fez com que nos aproximássemos mais. Com os Erasmus fizemos vários jantares e atividades de integração, e acreditamos que isso foi o diferencial para o nosso intercâmbio ser muito enriquecedor: experimentarmos essas novas culturas e nos desafiarmos, pensando no idioma falado, nos costumes diferentes e na curiosidade de conhecer outras pessoas.
Um momento muito legal em nosso intercâmbio foi um jantar que aconteceu nas primeiras semanas que estávamos lá. Nosso amigo indiano, chamado Anish, nos convidou para jantar no apartamento de suas amigas polonesas, onde conhecemos turcos, tchecos e outros poloneses e, por fim, jantamos comida mexicana. Depois de conhecermos um pouco da playlist musical de cada país, jogamos Imagem e Ação na modalidade filmes, e tudo isso em inglês, conversation level hard. Foi muito divertido pela nossa integração e pelo fato de que nem todos eram fluentes em inglês, mas conseguimos nos entender. O importante foi deixar a vergonha de lado e se experimentar. 
 
 
*Erasmus é o programa de intercâmbio da Europa.
 
Clique para ampliar

Diários Relacionadas