Utilizamos cookies neste site. Alguns são utilizados para melhorar sua experiência, outros para propósitos estatísticos, ou, ainda, para avaliar a eficácia promocional do nosso site e para oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações sobre os cookies utilizados, consulte nossa Política de Privacidade.

Intercambista da Univates no Uruguai

Chantréli Schneider - Engenharia de Produção - Uruguai 2019A

"Montevidéu é uma capital que tem tudo, mas continua com um ar de cidade pequena. A costa com o Rio da Prata é chamada de Rambla e contorna toda cidade. No fim da tarde enche de uruguaios e turistas que vão para praticar esportes e prestigiar o pôr do sol que sempre é um espectáculo.
A Cidade Velha é o bairro histórico de Montevidéu, onde em cada esquina possui algum prédio que chama atenção pela grandiosidade de sua arquitetura e pelos detalhes, como o Teatro Solís e o Palácio Legislativo.
Há bairros como Palermo, onde vivo, mas novos que a Cidade velha, mas avistamos um padrão de casas que acomodavam a expansão de Montevideo. É um bairro central que se pode visitar todos os cantos com um bom tênis no pé.
 
O que me chamou atenção é o número de europeus que buscam conhecer ou estudar em Montevidéu, principalmente franceses e alemães. Conheci pessoas de diversos lugares do mundo que nunca imaginei, como da Nicarágua e República Dominicana. A comunicação fica engraçada com uma mescla de espanhol, inglês e gestos. Realmente é encantador essa troca de cultura e histórias de cada país. 
Quanto ao espanhol, apesar de ter uma certa semelhança com o português, o que dificulta o entendimento é a velocidade em que falam e principalmente o sotaque específico do Uruguai e Argentina que faz com que as palavras tenham uma pronunciação bem diferente dos outros países hispanoamericanos. Como durante o verão, as ruas daqui se encontram povoadas de brasileiros que buscam conhecer coisas novas, o sotaque está totalmente reconhecível. Através de uma simples saudação já descobrem nossas origens brasileiras.
 
As vezes sinto que devido a universidade ser pública, as coisas não são tão organizadas e fáceis de resolver como na nossa Universidade. Você precisa descobrir as coisas por si só, e sem ter nenhum colega que te conte, você pode acabar perdendo muitas coisas. Isso foi um problema principalmente nas primeiras semanas, quando estava me ambientando com a faculdade e com o espanhol.
Quanto a experiência, sem dúvidas fazer um intercâmbio te transforma como pessoa. Isso já é clichê de ouvir por todas pessoas que fizeram intercâmbio, mas só vivendo para sentir a intensidade dessa transformação. Você se conhece e aprende a lidar com situações antes não vividas, nas quais você está por ti e ninguém mais. Algumas delas são desesperadoras e realmente te fazem sentir vontade de voltar para casa, mas quando passam, a sensação de ter conseguido se virar e resolver é incrível."
 
Clique para ampliar

Diários Relacionadas