EFEITOS DA HIDROTERAPIA NO EQUILÍBRIO E NA SENSIBILIDADE DO PÉ EM INDIVÍDUOS COM DOENÇA DE PARKINSON

Autores

  • Miquele Bianqueti Universidade do Vale Taquari
  • Marilucia Vieira dos Santos Universidade do Vale Taquari Univates

DOI:

https://doi.org/10.22410/issn.2176-3070.v11i3a2019.2329

Palavras-chave:

Tratamento, Fisioterapia, Doença de Parkinson, Hidroterapia, Equilíbrio Postura.

Resumo

A doença de Parkinson (DP) é uma doença neurodegenerativa que apresenta sinais motores do sistema nervoso motor como tremor em repouso, bradicinesia, rigidez e instabilidade postural provenientes da falta de equilíbrio. Fatores não motores como alteração da sensibilidade plantar podem aparecer no decorrer da evolução da doença. O tratamento hidroterapêutico visa à melhora na realização dos movimentos, uma vez que as propriedades físicas da água geram uma instabilidade no corpo, fazendo com que aumente a estimulação sensorial, promovendo o equilíbrio postural, melhora do controle postural e mobilidade do indivíduo. Objetivo: avaliar os efeitos da hidroterapia, através das técnicas de Halliwick e Ai Chi, no equilíbrio e na sensibilidade do pé em indivíduos com DP. Método: pesquisa quantitativa e descritiva, longitudinal, com indivíduos com DP de acordo com a classificação da doença, segundo a escala de Hoehn e Yahr, entre 2,5 e 3, de ambos os sexos e faixa etária entre 60 e 85 anos. Para tanto, foi aplicado tratamento com dez sessões de hidroterapia por meio das técnicas de Halliwick e Ai Chi, duas vezes por semana, por uma hora. Além disso, também foi utilizado como avaliação fisioterapêutica a sensibilidade plantar o estesiômetro da cor laranja e o equilíbrio dinâmico por meio do Time Up And Go Test. Por fim, abordou-se também a pesquisa qualitativa envolvendo dezenove questões fechadas referente às percepções dos indivíduos. Resultados: Verificou-se diminuição do tempo na execução do Time Up and Go Test na avaliação antes com média 13,47 (DP ± 3,87) e término média 12,41 (DP ± 2,66) das sessões de hidroterapia, não havendo diferença significativa (p= 0,229). Na avaliação da sensibilidade observou-se que 5 (83,33%) dos participantes apresentaram alteração da sensibilidade e destes, 4 (66,66%) melhoraram a sensibilidade depois das sessões de hidroterapia. Referente às percepções pelos participantes, destacam-se as questões relacionadas às suas emoções, apetite e disposição para fazer as coisas, sendo respondida por 5 participantes (83,33%) na classificação “melhor do que antes”. Ainda, nesta mesma classificação, os 6 participantes (100%) pontuaram a questão final número 19 referente a como se sentiam em geral após ter iniciado o tratamento hidroterapêutico. Considerações finais: Sugere-se que um programa de hidroterapia através das técnicas do Halliwick e Ai Chi em indivíduos com DP é um tratamento benéfico para a manutenção do equilíbrio e o aumento da sensibilidade plantar, além de beneficiar a autoconfiança, a qualidade do sono e a saúde física para realizar as atividades de vida diária dos indivíduos.

Biografia do Autor

Miquele Bianqueti, Universidade do Vale Taquari

Acadêmica do curso de Fisioterapia, da Universidade do vale do Taquari Univates, de Lajeado/RS

Marilucia Vieira dos Santos, Universidade do Vale Taquari Univates

Graduada em Fisioterapia pela Universidade Luterana do Brasil (2002), Pós Latu Sensu em Anatomia Humana clínica e Funcional (2017), e mestrado em Ciências Biológicas (Neurociências) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2010).

Downloads

Publicado

19-11-2019

Como Citar

BIANQUETI, Miquele; VIEIRA DOS SANTOS, Marilucia. EFEITOS DA HIDROTERAPIA NO EQUILÍBRIO E NA SENSIBILIDADE DO PÉ EM INDIVÍDUOS COM DOENÇA DE PARKINSON. Revista Destaques Acadêmicos, [S. l.], v. 11, n. 3, 2019. DOI: 10.22410/issn.2176-3070.v11i3a2019.2329. Disponível em: https://www.univates.br/revistas/index.php/destaques/article/view/2329. Acesso em: 21 maio. 2024.

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde