QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ARROZ TRATADAS COM ÓLEOS ESSENCIAIS E EXTRATOS VEGETAIS

Autores

  • Ingrid Naiara da Silva Universidade do Estado de Mato Grosso- UNEMAT
  • Airton José Christ Universidade do Estado de Mato Grosso- UNEMAT
  • Sumária Sousa e Silva Universidade do Estado de Mato Grosso-UNEMAT
  • José Wilson Pires Carvalho Universidade do Estado de Mato Grosso-UNEMAT
  • Luiz Carlos Pascuali Universidade do Estado de Mato Grosso-UNEMAT

DOI:

https://doi.org/10.22410/issn.2176-3070.v11i3a2019.2333

Palavras-chave:

Agricultura orgânica, meio ambiente, Produtos naturais

Resumo

Apesar da comprovada eficiência dos produtos químicos sintéticos, a agricultura moderna tem buscado formas alternativas para o tratamento de sementes e o controle de doenças, que visam uma maior preservação ambiental. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar o uso de extratos e óleos essenciais de diferentes plantas no tratamento de sementes de arroz quanto a sua qualidade fisiológica. Foram usados extratos concentrados, de folhas de citronela, rizoma de gengibre, bulbo de alho e cravo-da-índia. Também foram avaliadas a combinação binária dos mesmos. Utilizou-se óleos essenciais de neem, citronela, melissa, cidreira e pimenta-longa e a combinação binária dos mesmos a 5.000ppm sobre a qualidade fisiológica. Os óleos essenciais e extratos foram aplicados diretamente nas sementes, sendo 2 mL para 100 g de sementes. Os parâmetros avaliados foram: primeira contagem de germinação (Ger1), germinação (Ger), emergência em solo (EM), índice de velocidade de emergência (IVE), massa aérea seca (MAS), massa seca radicular (MSR), comprimento plântulas aérea (CPA) e comprimento plântulas radicular (CPR). Os resultados sugerem que o tratamento com extratos não interferiu na qualidade fisiológica da semente de arroz, e que os melhores resultados foram observados para os extratos de alho e citronela e nas combinações alho-cravo-da-índia, alho-gengibre e alho-citronela. Entretanto, com exceção do óleo essencial de neen, os demais inibiram o desenvolvimento das sementes de arroz. Conclui-se que o desempenho fisiológico das sementes de arroz tratadas com extratos obteve qualidade igual ou superior a testemunha. E que os tratamentos com óleos essenciais inibiram o desenvolvimento das sementes, com exceção do óleo de neem.

Biografia do Autor

Ingrid Naiara da Silva, Universidade do Estado de Mato Grosso- UNEMAT

Graduanda em Engenharia de Produção Agroindustrial

Airton José Christ, Universidade do Estado de Mato Grosso- UNEMAT

Professor com Graduação em Engenharia Agrícola no Curso de Engenharia de Produção Agroindustrial, Faculdade e Arquitetura e Engenharias, UNEMAT.

Sumária Sousa e Silva, Universidade do Estado de Mato Grosso-UNEMAT

Professora Doutora dos cursos de Engenharia de Alimentos e Engenharia de Produção Agroindustrial, Faculdade de Arquitetura e Engenharia, UNEMAT

José Wilson Pires Carvalho, Universidade do Estado de Mato Grosso-UNEMAT

Graduado em Licenciatura Plena em Química, Mestre e Doutor em Físico-Química, Atualmente Professor do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, UNEMAT.

Luiz Carlos Pascuali, Universidade do Estado de Mato Grosso-UNEMAT

Professor Doutor do curso de Engenharia de Produção Agroindustrial, Faculdade de Arquitetura e Engenharia, UNEMAT.

Downloads

Publicado

19-11-2019

Como Citar

SILVA, Ingrid Naiara da; CHRIST, Airton José; SILVA, Sumária Sousa e; CARVALHO, José Wilson Pires; PASCUALI, Luiz Carlos. QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ARROZ TRATADAS COM ÓLEOS ESSENCIAIS E EXTRATOS VEGETAIS. Revista Destaques Acadêmicos, [S. l.], v. 11, n. 3, 2019. DOI: 10.22410/issn.2176-3070.v11i3a2019.2333. Disponível em: https://www.univates.br/revistas/index.php/destaques/article/view/2333. Acesso em: 21 maio. 2024.

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde