Utilizamos cookies neste site. Alguns são utilizados para melhorar sua experiência, outros para propósitos estatísticos, ou, ainda, para avaliar a eficácia promocional do nosso site e para oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações sobre os cookies utilizados, consulte nossa Política de Privacidade.

Univates

Carga horária:

3.200h - 4 anos

Turno:

EAD

Modalidade:

A Distância

Atos legais

Início de funcionamento: B/18

Autorização: Resolução 035/Consun/UNIVATES, de 11/06/18

Projeto Pedagógico do Curso

Objetivos do curso

Formar professores de Educação Física para atuar na Educação Básica, em suas diferentes etapas e modalidades, que se compreendam como sujeitos investigadores e autores do seu fazer pedagógico, reconhecendo a docência como função política e transformadora da realidade.

Perfil do Egresso

O egresso do curso de Educação Física, licenciatura, está habilitado a atuar com a educação física na Educação Básica, em suas diferentes etapas e modalidades, compreendendo-se como sujeito investigador, autor do seu fazer pedagógico e reconhecedor da docência como função política e transformadora da realidade. Apresentam-se a seguir as competências e habilidades necessárias aos egressos do curso de Educação Física, licenciatura.

Competências

Competência:
COMPREENSÃO DE DIFERENTES ABORDAGENS DE ENSINO, DESENVOLVENDO AÇÕES DOCENTES NAS ETAPAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO BÁSICA
Habilidades:
- análise da realidade a partir do diálogo argumentativo coerente;
- articulação pedagógica dos saberes e práticas das diferentes áreas do conhecimento;
- problematização e reflexão sobre as diferentes formas de avaliação e a sua relação com os processos de subjetivação;
- aplicação de abordagens de ensino na elaboração, execução e avaliação de propostas pedagógicas.
 
Competência:
RESSIGNIFICAÇÃO DAS PRÁTICAS CORPORAIS CONSTITUINTES DA CULTURA CORPORAL DE MOVIMENTO
Habilidades:
- conhecimento, problematização, ressignificação e ensino das práticas corporais constituintes da cultura do movimento humano;
- problematização dos diferentes discursos e representações que permeiam a educação e a escola;
- problematização e demonstração de posicionamento crítico, considerando aspectos históricos, sociais, culturais e filosóficos.
 
Competência:
QUALIFICAÇÃO PARA O ENSINO DAS DIFERENTES MANIFESTAÇÕES DA CULTURA CORPORAL DE MOVIMENTO, DESENVOLVENDO ESTRATÉGIAS DIDÁTICO-METODOLÓGICAS EM DIFERENTES CONTEXTOS EDUCATIVOS
Habilidades:
- compreensão das múltiplas culturas que compõem a sociedade contemporânea;
- conhecimento, domínio, seleção de diferentes técnicas, instrumentos, procedimentos e metodologias para a intervenção acadêmico-profissional;
- elaboração e uso de instrumentos que visam a compreender diferentes contextos educativos;
- seleção de diferentes técnicas, instrumentos, procedimentos e metodologias para a intervenção acadêmico-profissional;
- reconhecimento e problematização de campos de atuação do professor de Educação Física.
 
Competência:
ATUAÇÃO DOCENTE VOLTADA À EDUCAÇÃO PARA O LAZER, A SAÚDE E A CIDADANIA
Habilidades:
- aplicação dos princípios de mediação ambiental;
- avaliação crítica da relação homem-ambiente;
- compreensão da interdisciplinaridade socioambiental;
- compreensão da responsabilidade socioambiental;
- construção de posicionamento crítico sobre os valores ambientais;
- desenvolvimento de práticas educativas que favoreçam a inclusão, a educação para o lazer, para a saúde e para a cidadania;
- percepção multidimensional e holística das questões ambientais na sociedade contemporânea, com respeito à diversidade cultural e enfoque humanista, cooperativo e inclusivo;
- integração do contexto acadêmico com a realidade social e específica das áreas de graduação;
- reflexão sobre os processos socioambientais.
 

Competência:
RECONHECIMENTO DA FORMAÇÃO PERMANENTE COMO INERENTE À PROFISSÃO DOCENTE BUSCANDO POSSIBILIDADES DE QUALIFICAÇÃO 
Habilidades:
- acompanhamento das transformações acadêmico-científicas mediante a análise crítica da literatura;
- promoção da aprendizagem contínua, tanto em sua formação quanto em sua prática, por meio da educação permanente;
- autonomia de escolha de temas que contribuam para a sua formação.
 
Competência:
AQUISIÇÃO DE POSTURA INVESTIGATIVA NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DOCENTES PAUTADAS NA LEITURA E REFLEXÃO  SOBRE A REALIDADE SOCIAL
Habilidades:
- análise crítica de informações de diferentes fontes;
- análise crítica de fenômenos sociais e contextos;
- articulação entre investigação e intervenção pedagógica;
- desenvolvimento da observação, da expressão e da associação dos conhecimentos teóricos com situações práticas;
- identificação das características ambientais regionais e globais;
- investigação dos processos de aprendizagem a partir de atuação contextualizada e problematizadora;
- pesquisa, conhecimento, compreensão, problematização, análise e avaliação da realidade social para nela intervir acadêmica e profissionalmente;
- reflexão sobre os pressupostos teóricos da ação científica e social;
- leitura e interpretação conceitual de questões fundamentais nas diversas ciências.
 
Competência:
RECONHECIMENTO DO CARÁTER COLETIVO E POLÍTICO DA PROFISSÃO DOCENTE, ATUANDO DE FORMA CRÍTICA, ÉTICA E PROPOSITIVA NOS CONTEXTOS EDUCACIONAIS
Habilidades:
- construção coletiva de projetos, propostas e intervenções pedagógicas;
- desenvolvimento de hábitos de colaboração e de trabalho em equipe;
- participação efetiva na construção coletiva de projetos, propostas e intervenções pedagógicas;
- pesquisa, conhecimento, compreensão, problematização, análise e avaliação da realidade social para nela intervir acadêmica e profissionalmente por meio de eventos esportivos;
- problematização dos processos de gestão educacional e escolar, do trabalho em equipe e da liderança no exercício do coletivo;
- reconhecimento e valorização do compromisso ético e da responsabilidade acadêmica;
- tratamento e problematização de problemas morais e éticos;
- intervenção acadêmica e profissional de forma deliberada, adequada e ética nos diferentes campos da Educação Física.
 
Competência:
ATUAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 
Habilidades:
- compreensão das relações e problemáticas envolvidas nas questões que abrangem as diversidades sociais, étnico-raciais, econômicas, culturais, religiosas, políticas e outras em face à afirmação dos direitos humanos;
- comunicação na Língua Brasileira de Sinais com o encadeamento das experiências culturais e com as relações interpessoais, de trabalho e de gênero que se articulam por meio da língua;
- conhecimento, problematização e avaliação da realidade social para nela intervir acadêmica e profissionalmente;
- problematização da inclusão escolar desnaturalizando as representações pelas quais os sujeitos da educação têm sido descritos e posicionados na sociedade em que vivem;
- proposição de estratégias pedagógicas que contemplem as diferenças sem juízos prévios de valor;
- questionamento de conceitos preestabelecidos;
- reconhecimento da diversidade humana como elemento integrante da sociedade, favorecendo práticas inclusivas na Educação Física;
- reflexão sobre a pedagogia da diferença, visando a enxergar os sujeitos para além da diversidade e da identidade a partir das quais são nomeados e definidos.
 
Competência:
QUALIFICAÇÃO RELACIONAL, DEMONSTRANDO HABILIDADES DE ESCUTA, ACOLHIMENTO, DIÁLOGO E INTERAÇÃO CORPORAL 
Habilidades:
- compreensão da comunicação como fator importante e constituinte da prática docente;
- demonstração de comunicação, expressão corporal, escuta, diálogo e cooperação, manifestando atitudes de disponibilidade e de interação corporal;
- desenvolvimento da observação, da expressão e da associação dos conhecimentos teóricos com situações práticas;
- reconhecimento e manifestação de atitudes de disponibilidade, comunicação e interação corporal.
 
Competência:
COMPREENSÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS À GESTÃO QUALIFICANDO A ATUAÇÃO DOCENTE E O FUNCIONAMENTO DE INSTITUIÇÕES E SISTEMAS EDUCACIONAIS
Habilidades:
- conhecimento e interpretação da legislação e das Políticas Educacionais Brasileiras;
- desenvolvimento de iniciativa e atitude empreendedora;
- participação e assessoramento à coordenação de liderança e gerenciamento de equipes multiprofissionais de discussão, de definição e de operacionalização;
- participação efetiva na gestão de processos educativos e na organização do funcionamento de instituições e sistemas educacionais;
- reconhecimento e valorização da formação continuada no desenvolvimento da gestão educacional;
- identificação de oportunidades;
- administração e gerenciamento da força de trabalho, dos recursos físicos e materiais e das informações, demonstrando empreendedorismo e liderança na gestão de equipes.
 
Competência:
DEMONSTRAÇÃO DE CAPACIDADE DE EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO POR MEIO DO USO DE DIFERENTES LINGUAGENS
Habilidades:
- compreensão e uso dos mecanismos de coesão e de recursos de coerência na construção do texto e na produção de sentidos;
- leitura, interpretação e compreensão de textos;
- percepção da leitura e da escrita como processo de construção e de produção de sentidos na interação autor-texto-leitor;
- uso da variedade linguística adequada ao gênero e à situação comunicativa, tanto na linguagem oral quanto na escrita, com foco na linguagem formal;
- comunicação da produção acadêmica;
- compreensão, reconhecimento e valorização das diferentes linguagens e produções culturais manifestas nas sociedades contemporâneas e de suas funções na produção do conhecimento;
- utilização de recursos de tecnologia da informação e da comunicação.
 
Competência:
COMPREENSÃO DOS CONHECIMENTOS DA ÁREA BIODINÂMICA UTILIZANDO-OS COMO FUNDAMENTO PARA A INTERVENÇÃO DOCENTE
Habilidades:
- conhecimento das etapas embriológicas e organogênicas para o entendimento da constituição do corpo humano;
- conhecimento dos diferentes tipos celulares e de seus componentes morfofisiológicos para a manutenção da homeostase celular;
- entendimento dos processos fisiológicos dos sistemas do corpo humano; 
- reconhecimento e compreensão das estruturas anatômicas dos sistemas estudados;
- desenvolvimento da prática em laboratório de microscopia, aperfeiçoando o manuseio de equipamentos e objetos laboratoriais.

Matriz Curricular

O aluno pode verificar a matriz curricular do curso para conhecer as disciplinas, ter acesso ao código, às horas-aula e aos créditos de cada uma.

Proficiências

.

Estágio Curricular Supervisionado

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado
Para a colação de grau em Educação Física, licenciatura, o estudante realiza, ao longo do curso, cinco estágios supervisionados, totalizando 400 horas, sob orientação docente específica, a partir do décimo módulo. O estágio curricular supervisionado constitui-se no desenvolvimento da prática docente em escolas de Educação Básica.
 
Regulamento dos estágios supervisionados
Da natureza e objetivos
Os estágios supervisionados constituem-se como um momento importante de prática pedagógica, pesquisa e estudo, inserindo os estudantes nos espaços profissionais para os quais estão sendo preparados em seus cursos de graduação.
O Estágio Supervisionado tem por objetivos possibilitar ao estudante:
-  integrar-se na realidade social, econômica e de trabalho da área do curso;
-  articular os saberes apreendidos no decorrer do curso;
-  refletir sobre a realidade a partir de problematizações;
-  responder às demandas da prática pedagógica por meio da problematização da realidade;
-  planejar, executar e avaliar as práticas pedagógicas desenvolvidas;
-  contribuir com a efetivação de práticas pedagógicas diferenciadas;
-  articular ensino e pesquisa.
 
Da organização
As diversas etapas do Estágio Supervisionado são realizadas no decorrer do curso e têm duração de 400 horas. Somente o estudante regularmente matriculado no curso e que cumpriu os pré-requisitos exigidos tem direito a realizar os Estágios Supervisionados. Os locais nos quais os estudantes realizam os Estágios Supervisionados são definidos com os professores orientadores.
Os estágios supervisionados são desenvolvidos em:
I - instituições que apresentem condições adequadas para a sua realização;
II - instituições que mantenham convênio com a Universidade do Vale do Taquari -
Univates por meio de instrumento jurídico.                                                     
 
Da supervisão e suas atribuições
A orientação, o acompanhamento, a supervisão e a avaliação são responsabilidades do curso. Os estágios supervisionados são desenvolvidos com a orientação do professor orientador, que é indicado pelo coordenador do curso, de acordo com a regulamentação interna da Univates e com a afinidade de sua área de atuação e titulação com a área de estágio. A remuneração do professor orientador de estágio segue regulamentação interna da Univates.
 
Compete ao professor orientador do Estágio Supervisionado
I - Elaborar o plano de trabalho do Estágio Supervisionado sob sua responsabilidade, que obrigatoriamente deve estabelecer carga horária, duração, descrição das atividades e critérios de elaboração do relatório de estágio;
II - Realizar sessões de estudos com o grupo de estagiários sobre a temática de investigação a ser definida;
III - Orientar o estudante estagiário no planejamento e na execução das atividades previstas para o Estágio Supervisionado;
IV - Acompanhar, supervisionar e avaliar o envolvimento do estudante no desenvolvimento das atividades do Estágio Supervisionado;
V  - Manter os registros necessários ao desenvolvimento das atividades previstas;
VI - Zelar para que o trâmite do termo de compromisso esteja de acordo com o cronograma previsto;
VII - Deliberar sobre assuntos inerentes aos Estágios Supervisionados.
 
Do estagiário e suas atribuições
São atribuições do estudante estagiário:
I - desenvolver as atividades conforme o cronograma previsto;
II - cumprir integralmente o total de horas previstas para o Estágio Supervisionado;
III - ser assíduo e pontual tanto no desenvolvimento das atividades quanto na entrega dos trabalhos exigidos;
IV - realizar os Estágios Supervisionados de forma ética e responsável;        
V -  informar ao professor orientador o endereço e o telefone da instituição do Estágio Supervisionado;
VI - responsabilizar-se pelo encaminhamento do Termo de Compromisso às instâncias responsáveis tanto da unidade concedente de estágio quanto da IES;
VII - estar segurado contra acidentes pessoais, conforme regulamentação interna da Univates.
 
Da avaliação do estágio
O estagiário é avaliado durante a realização do Estágio Supervisionado e ao final das atividades, devendo ter cumprido:
I - as atividades programadas - seminários, sessões de estudos, orientação ou outra(s) atividade(s) propostas no plano de trabalho do professor orientador;
II - a execução obrigatória de todos os trabalhos programados.
É considerado aprovado o estudante que alcançar nota final igual ou superior a 6,0 em cada componente curricular.
Também são instrumentos de acompanhamento e de avaliação os seguintes documentos:
- cronograma de execução;
- ficha(s) de avaliação da(s) atividade(s);
- relatório final de estágio individual e/ou participação individual ou coletiva na elaboração de artigo, entre outros.
 
Dos critérios de avaliação
São considerados os seguintes critérios de avaliação:
I - na elaboração da proposta de investigação: participação e autonomia;
II - no planejamento e preparação das atividades relacionadas com a prática pedagógica: assiduidade, interesse, criatividade e comprometimento do estudante;
III - na prática docente: apropriação dos conhecimentos evidenciados pelo estudante na execução das atividades;
IV - no relatório final de estágio individual e/ou participação na escrita conjunta de artigo: apresentação do documento de acordo com a escolha metodológica, coerência com o tema proposto, adequação e correção da linguagem.
 
Das disposições finais
Os casos omissos no Regulamento do Estágio Supervisionado serão resolvidos pelo coordenador do curso e pelo orientador de estágio, ouvido o Conselho do Curso.

Estágio Não Obrigatório

Das disposições gerais
O estágio não obrigatório fundamenta-se na Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, que dispõe sobre o estágio dos estudantes, na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei Federal nº 9.394/96, e nas Diretrizes Curriculares dos cursos de ensino superior.

Da caracterização do estágio
O estágio, segundo o artigo 1º da Lei nº 11.788/2008, caracteriza-se como "um ato educativo escolar supervisionado" que tem como finalidade a preparação para o trabalho e para a vida cidadã dos estudantes que estão regularmente matriculados e frequentando curso em instituição superior.
O estágio não obrigatório, que deve integrar o projeto pedagógico de cada curso, é uma atividade opcional acrescida à carga horária regular e obrigatória do curso, não se constituindo, porém, um componente indispensável à integralização curricular.
No curso de Educação Física, licenciatura, o estágio não obrigatório pode ser aproveitado como atividade complementar, conforme previsto no Regulamento das Atividades Complementares do Projeto Pedagógico do Curso.

Dos objetivos
Geral
Oportunizar ao estudante ampliar conhecimentos, aperfeiçoar e/ou desenvolver habilidades e atitudes necessárias para o bom desempenho profissional, vivências que contribuam para o adequado relacionamento interpessoal e a participação ativa na sociedade.

Específicos
Possibilitar ao estudante matriculado e que frequenta o curso de Educação Física, licenciatura, da Univates:
- vivenciar situações que ampliem o conhecimento da realidade na área de formação do estudante;
- ampliar o conhecimento sobre a organização profissional e o desempenho profissional;
- interagir com profissionais da área em que atuar, com pessoas que direta ou indiretamente se relacionam com as atividades profissionais, com vistas a desenvolver e/ou aperfeiçoar habilidades e atitudes básicas e específicas necessárias para a atuação profissional;
- aperfeiçoar habilidades desenvolvidas ao longo do curso, aproximando os conteúdos teóricos e as atividades de microensino com a realidade profissional.
 
Das exigências e dos critérios de execução
Das determinações gerais
A realização do estágio não obrigatório deve obedecer às seguintes determinações:
I - o estudante deve estar matriculado e frequentando regularmente o curso de Educação Física, licenciatura, da Univates;
II - obrigatoriedade de concretizar a celebração de termo de compromisso entre o estagiário, a parte concedente do estágio e a Univates;
III - as atividades realizadas pelo estudante em estágio devem compatibilizar-se com o horário de aulas e aquelas previstas no termo de compromisso;
IV - a carga horária máxima da jornada de atividades do estudante estagiário será de seis horas diárias e de 30 horas semanais;
V - o período de duração do estágio não obrigatório não pode exceder dois anos, exceto quando se tratar de estudante com deficiência;
VI - o estágio não obrigatório não cria vínculo empregatício de qualquer natureza, podendo o estudante receber bolsa ou outra forma de contraprestação das atividades que desenvolver. A eventual concessão de benefícios relacionados a transporte, alimentação e saúde, entre outros, também não caracteriza vínculo empregatício;
VII - se houver alguma forma de contraprestação ou bolsa de estágio não obrigatório, o pagamento do período de recesso será equivalente a 30 dias, sempre que o estágio tiver duração igual ou superior a um ano, a ser gozado preferencialmente durante as férias escolares. No caso de o estágio ter duração inferior a um ano, os dias de recesso serão concedidos de maneira proporcional;
VIII - a unidade concedente deve contratar em favor do estagiário seguro contra acidentes pessoais cuja apólice seja compatível com valores de mercado, conforme consta no termo de compromisso;
IX - as atividades de estágio não obrigatório devem ser desenvolvidas em ambiente com condições adequadas e que possam contribuir para aprendizagens do estudante estagiário nas áreas social, profissional e cultural;
X - cabe à Univates comunicar ao agente de integração, se houver, ou à unidade concedente, no início do período letivo, as datas de realização de avaliações escolares acadêmicas;
XI - segundo o artigo 14 da Lei nº 11.788/2008, "aplica-se ao estagiário a legislação relacionada à saúde e segurança no trabalho, sendo sua implementação de responsabilidade da parte concedente do estágio".
 
Das exigências e dos critérios específicos
O estágio não obrigatório do curso de Educação Física, licenciatura, envolve atividades relacionadas às áreas escolar e não escolar. As atividades podem ser desenvolvidas em instituições educacionais e em outras organizações formais ou não formais de ensino (ONGs, projetos extraclasse, prefeituras etc.), públicas ou privadas, que se dedicam a atividades educacionais relacionadas à área do curso ou que contribuem para o desenvolvimento das competências relacionadas ao profissional de Educação Física.
 
O estágio não obrigatório deve se constituir em uma oportunidade para os acadêmicos do curso de graduação em Educação Física atuarem como colaboradores no desenvolvimento de atividades envolvendo estudantes e de outras ações relacionadas a aspectos institucionais mais amplos e didático-pedagógicos que permitam o conhecimento da realidade escolar ou não escolar, a aplicação de conhecimentos e o desenvolvimento de competências e habilidades profissionais, sociais e culturais.
Em escolas as atividades podem ser desenvolvidas com os alunos da Educação Básica, que compreende Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio, assim como na Educação de Jovens e Adultos (EJA) ou outros programas educativos que venham a ser criados e reconhecidos pelos sistemas de ensino público ou privado.
O estudante estagiário somente pode assumir atividades com alunos se houver um professor ou profissional habilitado (professor), indicado pela unidade contratante, para acompanhamento.
 
Das áreas/atividades de atuação e pré-requisitos
A seguir apresentam-se os pré-requisitos, as áreas de atuação e as atividades de atuação:
 
Pré-requisitos: estar matriculado no curso de Educação Física, licenciatura, e ter concluído com aprovação 200 horas.
 
Área de atuação: escolar.
Atividades de atuação: auxiliar no desenvolvimento de atividades na rede escolar relacionadas à Educação Física e ao contexto escolar que envolvam planejamento, docência e avaliação dos processos de ensino e de aprendizagem dos conteúdos da Educação Física nos diferentes níveis da Educação Básica (Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio, EJA).
 
Área de atuação: não escolar.
Atividades de atuação: entende-se que a licenciatura atua na docência, com coletividades. Dessa forma, os estágios não obrigatórios serão permitidos também em instituições como Sesi, Sesc, Secretarias de Esporte e Lazer, nas quais as atividades sejam relacionadas ao âmbito educativo com características próximas ao campo de atuação da Educação Física, licenciatura, processos de iniciação esportiva e de outras práticas corporais e em projetos sociais.
 
Obs.: no caso da descrição de atividades em áreas de atuação que não se enquadram no Regulamento do Estágio não Obrigatório, a coordenação do curso deve ser consultada.
 
Das atribuições
Do supervisor de estágio
Cabe ao coordenador do curso ou a um professor por ele indicado acompanhar e avaliar as atividades realizadas pelo estagiário tendo como base o plano e o(s) relatório(s) do estagiário, bem como as informações do profissional responsável na unidade contratante.
 
Do supervisor de campo
O supervisor de campo é um profissional indicado pela unidade contratante com formação em Educação Física, responsável no local pelo acompanhamento do estudante estagiário durante o desenvolvimento das atividades. 
 
Do estagiário
Cabe ao estagiário contratado para desenvolver estágio não obrigatório:
a) indicar a organização em que realizará o estágio não obrigatório à Central de Carreiras da Univates ou ao responsável administrativo do agente de integração;
b) elaborar o plano de atividades e desenvolver as atividades definidas;
c) responsabilizar-se pelo trâmite do Termo de Compromisso, devolvendo-o à Central de Carreiras da Univates ou ao responsável administrativo do agente de integração, se houver, convenientemente assinado e dentro do prazo previsto;
d) ser assíduo e pontual tanto no desenvolvimento das atividades quanto na entrega dos documentos exigidos;
e) portar-se de forma ética e responsável.
 
Das disposições finais
A Central de Carreiras, o Núcleo de Apoio Pedagógico e os coordenadores de curso devem trabalhar de forma integrada no que se refere ao estágio não obrigatório dos estudantes matriculados nos cursos de Ensino Superior da Universidade do Vale do Taquari - Univates, seguindo as disposições contidas na legislação em vigor e as normas internas contidas no Regulamento do Estágio não Obrigatório e na Resolução 042/Reitoria/Univates, de 2 de julho de 2018.
As unidades concedentes e os agentes de integração devem seguir o estabelecido na legislação em vigor, as disposições do presente Regulamento do Estágio não Obrigatório e as normas e orientações da Universidade do Vale do Taquari - Univates que tratam do assunto.
O estágio não obrigatório pode ser aproveitado como atividade complementar. Essa solicitação deve ser feita pelo estudante via protocolo. O número de horas a ser aproveitadas e a categoria de enquadramento seguirão o regulamento específico das atividades complementares.

Atividades Complementares

Atividades Exigências
Ensino(200 horas)
Componente curricular oferecido em curso de outra IES reconhecida pelo MEC

Apresentar atestado de conclusão com aprovação. Pontuação de acordo com as horas do componente curricular cursado. Pontuação máxima de 80 horas.

Monitoria em componentes curriculares ou laboratório de ensino ou voluntariado em atividades promovidas pelo Complexo Esportivo da Univates

Ter sido realizada na Univates. Apresentar atestado com período de realização e carga horária semanal. Ter sido realizada por pelo menos um mês com carga horária semanal mínima de 4 horas. Pontuação de até 30 horas por semestre.

Componente curricular oferecido em curso de graduação da Univates

Apresentar atestado de conclusão com aprovação. Pontuação de acordo com as horas do componente cursado. Pontuação máxima de 80 horas.

Extensão(200 horas)
Viagem de estudos organizada pelo curso

Apresentar atestado de participação. Pontuação de 8 horas para cada dia de atividade programada. Pontuação máxima de 60 horas.

Atuação como mesário em eleições municipais, estaduais e federais

Apresentar atestado. Pontuação de acordo com as horas da atividade realizada. Pontuação máxima de 30 horas.

Atuação em empresas incubadas na Inovates e no Tecnovates ou realização de trabalhos sociais e voluntários

Apresentar atestado de participação. Pontuação de acordo com as horas das atividades desenvolvidas. Pontuação máxima de 30 horas por semestre.

Organização de eventos de cunho acadêmico

Apresentar atestado de organização. Pontuação de 10 horas por evento. Pontuação máxima de 30 horas.

Participação em eventos, seminários, congressos, simpósios, palestras, semanas acadêmicas, conferências, encontros, cursos ou oficinas relacionados à área de formação presenciais ou on-line

Apresentar atestado de participação. Pontuação máxima de 150 horas.

Atuação como ministrante em eventos de extensão universitária

Apresentar atestado de ministrante. Pontuação de acordo com a carga horária ministrada. Pontuação máxima de 20 horas por semestre.

Intercâmbio interinstitucional de estudos promovido pela Univates

O aproveitamento da carga horária integral do intercâmbio acadêmico interinstitucional como atividade complementar segue regulamentação específica da Univates.

Pesquisa(200 horas)
Publicação de trabalhos

Apresentar cópia da publicação. Pontuação de 20 horas por artigo em periódico; 20 horas por capítulo de livro; 10 horas por resumo expandido (duas a cinco páginas); e 5 horas por resumo simples (até uma página).

Premiação em trabalho acadêmico

Apresentar comprovante da premiação. Pontuação de 10 horas por prêmio. Pontuação máxima de 30 horas.

Apresentação de trabalhos em eventos

Apresentar atestado com identificação do apresentador. Pontuação de 10 horas por apresentação em evento local; 20 horas por apresentação em evento regional; 30 horas por apresentação em evento nacional; e 40 horas por apresentação em evento internacional. Pontuação máxima de 120 horas.

Participação em atividades de iniciação científica

Apresentar atestado de participação. Comprovar que a atividade possuiu duração mínima de um semestre. Pontuação de até 40 horas por semestre.

Profissional(200 horas)
Gestão educacional

Apresentar atestado de atuação na gestão educacional na Educação Básica com período de atuação e carga horária. Pontuação de até 30 horas por semestre de atuação.

Regência de classe na Educação Básica

Desenvolver trabalho de docência com regência de classe. Apresentar atestado/declaração de autoridade competente com o período de atuação e a carga horária. Pontuação de até 30 horas por semestre de atuação.

Estágio não obrigatório em espaços escolares e não escolares

Atender ao proposto no Regulamento de Estágio não Obrigatório. Pontuação de até 30 horas por semestre de atuação.

Trabalho de Conclusão de Curso

Introdução
Componentes Eletivos
Correspondem a quatro componentes curriculares de 40 (quarenta) horas cada: Eletivo I, Eletivo II, Eletivo III e Eletivo IV.
Há duas possibilidades de integralização dos Eletivos.
A primeira é escolher componentes curriculares de quarenta (40) horas da matriz curricular de outro(s) curso(s) de licenciatura EaD oferecido(s) pela instituição, os quais serão equivalentes aos Eletivos I, II, III e IV.
A segunda é escolher os componentes curriculares de Trabalho de Conclusão de Curso I, II, III e IV específicos do curso no qual o estudante está matriculado, os quais serão equivalentes aos Eletivos I, II, III e IV.
Uma vez que um ou mais Eletivos já tiverem sido integralizados com componentes curriculares de outras matrizes curriculares, não será mais possível optar por Trabalho de Conclusão de Curso.
 
Trabalho de Conclusão de Curso
É requisito para colação de grau em Educação Física, licenciatura, a elaboração de um Trabalho de Conclusão de Curso, visando à consolidação dos conteúdos do curso, desenvolvendo a habilidade investigativa e aprofundando um tema relacionado à docência.
O TCC prevê o envolvimento científico do acadêmico na produção intelectual na área da Educação Física. Entende-se que o Trabalho de Conclusão de Curso requisita investimentos da parte do acadêmico, no sentido de buscar conhecimentos para a definição temática e organização metodológica e pedagógica do seu estudo, para conseguir desempenhar com qualidade essa tarefa acadêmica tão significativa e valiosa do curso.
O Trabalho de Conclusão possibilita ao acadêmico ensaiar com mais amplitude e envolvimento os futuros passos no desenvolvimento da característica de investigador no campo profissional. Esse exercício está alinhado com uma das competências definidas no curso de Educação Física, que é favorecer o comportamento de profissional-investigador, autor de sua própria atividade docente.
A justificativa para a realização do Trabalho de Conclusão de Curso se ampara na proposta de fortalecimento da formação acadêmica e do espírito científico, formando acadêmicos comprometidos com a produção do conhecimento nas áreas de educação física e educação.
É importante ressaltar que a proposta de orientação para o Trabalho de Conclusão de Curso possui a finalidade de proporcionar qualificação e bom desenvolvimento nas orientações pedagógicas e metodológicas aos trabalhos que serão elaborados pelos estudantes. O TCC é um exercício acadêmico que visa à produção, comunicação e publicação de conhecimentos na área da educação física.
No componente curricular Trabalho de Conclusão de Curso I, o estudante, sob a orientação de um professor, elabora um projeto de pesquisa, de acordo com os critérios especificados no presente Projeto Pedagógico. No componente curricular Trabalho de Conclusão de Curso II, o estudante desenvolve o referencial teórico que sustenta o projeto. No Trabalho de Conclusão de Curso III, o estudante desenvolve o projeto construído nas duas etapas anteriores e, por fim, no Trabalho de Conclusão de Curso IV, analisa os dados e elabora um artigo científico ou monografia em que apresenta os resultados da pesquisa desenvolvida. Esses resultados são apresentados em um Seminário de Conclusão de Curso, no qual os estudantes dos cursos de licenciatura na modalidade EAD apresentam suas pesquisas.

Mais informações
O curso de Educação Física, licenciatura, da Univates apresenta neste documento o regulamento para a construção do TCC, que deve ser respeitado por estudantes e professores orientadores.
 
O Trabalho de Conclusão do Curso de Educação Física tem como objetivos:
- estimular a prática da pesquisa, o espírito científico, o pensamento reflexivo, a escrita e a comunicação da produção acadêmica;
- investigar temas relativos à área de conhecimento da Educação Física;
- aprofundar os conhecimentos construídos ao longo da vida acadêmica;
- compreender a relação entre o conhecimento científico-acadêmico e o campo de atuação profissional.
 
Da orientação do Trabalho de Conclusão de Curso I, II, III e IV:
a) Do orientador do TCC
O acadêmico é orientado por um professor com estudos na área que se aproxima da temática do Trabalho de Conclusão. O professor orientador deve ser um professor da Instituição, com titulação de mestre ou doutor. O estudante pode indicar até três possíveis orientadores. A definição do orientador é realizada pelo coordenador do curso, a partir dessa indicação.
 
b) Das atribuições do professor orientador
Cabe ao professor orientador:
- acompanhar, orientar e avaliar o processo de elaboração de estudo e produção dos TCCs I, II, III e IV;
- apresentar leituras dirigidas, oportunizar discussões e reflexões, entre outras possibilidades de orientação, ao estudante no desenvolvimento do seu estudo;
- realizar orientações sempre que se fizerem necessárias, de acordo com a sua disponibilidade como professor orientador e o cronograma de entrega das produções;
- orientar a comunicação e/ou publicação da produção acadêmica do seu orientando em eventos científicos internos e externos na área.
 
c) Da orientação
A metodologia das orientações é desenvolvida por meio de procedimentos como: questões problematizadoras do tema, orientações de leituras dirigidas, construção metodológica e instrumentalização para o desenvolvimento do estudo. As orientações podem ocorrer por meio de tecnologias digitais da informação e da comunicação, como e-mail e videoconferência, devidamente registradas em ambiente virtual de aprendizagem próprio para esse fim. No ambiente devem ser registradas as discussões realizadas e as questões combinadas nas orientações.
 
Das atribuições do estudante nos componentes curriculares Trabalho de Conclusão de Curso I, II, III e IV
O TCC deve ser realizado individualmente pelo estudante, sob orientação de um professor orientador.
A produção do Trabalho de Conclusão de Curso deve apoiar-se no manual de normas acadêmicas da Univates, tendo como produto final um artigo científico, que poderá ser encaminhado para publicação.
Os artigos serão apresentados em um Seminário de Conclusão de Curso, em que os estudantes dos cursos de licenciatura na modalidade EAD apresentam suas pesquisas, podendo ocorrer na sede ou nos polos.

Cabe ao estudante:
- cumprir o disposto no Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso;
- proceder com responsabilidade e ética em todas as atividades que envolvem os componentes curriculares TCC I, TCC II, TCC III e TCC IV;
- demonstrar iniciativa e comprometimento com o estudo e as orientações recebidas;
- participar de todas as atividades previstas para os componentes curriculares TCC I, TCC II, TCC III e TCC IV.
 
Da comissão de qualificação e de avaliação do Trabalho de Conclusão de Curso
- A comissão de avaliação é constituída por, no mínimo, dois professores, sendo um o professor orientador e, no mínimo, um professor convidado, que preferencialmente deve ser professor na Univates e ter relação com a área de conhecimento do Trabalho de Conclusão;
- O(s) professor(es) convidado(s) deve(m) ser escolhido(s) em comum acordo entre orientando e orientador;
- O trabalho deve ser entregue em data estabelecida pela coordenação do curso;
- Os membros da comissão de avaliação (orientador e membro convidado) devem apresentar parecer escrito, que será anexado ao formulário de avaliação do trabalho;
- O prazo para a entrega da versão final é de 10 dias após divulgação da avaliação e disponibilização dos pareceres avaliativos;
- As notas do orientador e do(s) professor(es) convidado(s) devem ser individuais. O resultado final é a soma das notas dividida pelo número de integrantes da comissão;
- A qualificação será realizada ao final do TCC II e a avaliação final se dará ao final do TCC IV;
- Ao final do TCC I e do TCC III a avaliação do trabalho fica a critério exclusivamente do professor orientador;
- O estudante é considerado aprovado se a nota final do TCC for superior ou igual a 6,0;
- No caso de impossibilidade, por motivo excepcional, do comparecimento do estudante no Seminário de Apresentação, esse quesito não será pontuado no formulário de avaliação;
- O formulário de avaliação, com os critérios e a pontuação referentes a cada um dos critérios estabelecidos, é construído pelo Núcleo Docente Estruturante do curso.
 
Das considerações finais
Os trabalhos avaliados com nota igual ou superior a 9,0 são encaminhados para a Biblioteca.

Serviço de Apoio à Aprendizagem

O atendimento psicopedagógico é um serviço de apoio aos estudantes com necessidades especiais e/ou dificuldades de aprendizagem, realizado por um profissional vinculado ao Núcleo de Apoio Pedagógico. O atendimento pode ser solicitado pelo professor, pelo coordenador de curso ou pelo próprio estudante, tendo como objetivo auxiliar o aluno no seu processo de aprendizagem.

Coordenação do curso

Atendimento

Segundas, terças, quintas, sextas-feiras: 13h 30min às 18h
Quarta-feira : 8h às 12h / 13h 30min às 18h
Quinta-feira: 19h às 22h 30min

Agende seu atendimento com a coordenação através do e-mail ou telefone.

Contato

Cláudia Inês Horn
licenciaturas-ead@univates.br
(51) 3714-7000 - Ramal 5649

Localização

Sala 208 - Prédio 3

Agende seu horário previamente. Caso você não consiga contato com a coordenação de curso, contate o seu centro.