Estudantes do CGO vivenciam o mercado de trabalho em empresas incubadas na Inovates

Postado as 28/05/2019 10:56:29

Por Isabel Pavan

Isabel Pavan

Resgatar conteúdos, aprimorar conhecimentos e, principalmente, colocar os aprendizados em prática são os objetivos da disciplina de Vivência em Gestão. Neste semestre, estudantes dos cursos de Gestão Financeira, Logística e Gestão de Micro e Pequenas Empresas da Univates participam das atividades desenvolvidas na disciplina. “A ideia é justamente vivenciar. Ao contrário de alguns cursos que têm laboratórios e estúdios específicos nos quais os estudantes exercitam a prática, os laboratórios dos cursos do Centro de Gestão Organizacional (CGO) são as próprias empresas”, explicam os professores Samuel Martim de Conto e Gabriel Machado Braido. Para aplicar os conhecimentos adquiridos em sala de aula, na disciplina é realizada uma viagem de estudos, na qual são feitas visitas técnicas a empresas do local de destino. Neste ano ainda foi acrescentada uma atividade de intervenção, que acontece no Parque Científico e Tecnológico Univates - Tecnovates.

Intervenção no Tecnovates

Em março deste ano, duas empresas incubadas na Incubadora Tecnológica da Univates - Inovates, a Agrado Integral e a Pró-Bios, fizeram uma apresentação das marcas para a turma com o que cada uma produz e o objetivo que elas têm no mercado. “Os estudantes notaram alguns desafios, que são muito comuns em empresas que estão recém-ingressando no mercado. A partir disso, definimos que, em grupos, os acadêmicos deveriam fazer um diagnóstico e propor uma solução para cada empresa”, explica Samuel.

Na última segunda-feira, dia 27, os estudantes estiveram no Tecnovates e apresentaram suas ideias para as incubadas. Desde março os grupos puderam tirar dúvidas, pesquisar e pensar em cada questão mencionada pela Agrado Integral e pela Pró-Bios. Para encontrar soluções adequadas para cada um dos casos, os acadêmicos tiveram de relembrar os conhecimentos adquiridos no decorrer do curso.

Ana Amélia Ritt

O objetivo é que os estudantes coloquem em prática tudo o que aprenderam até agora, por isso é recomendado que a vivência seja cursada nos últimos semestres, quase como um fechamento da graduação
Samuel Martim de Conto

Juntas, todas as etapas dessa atividade permitem que os estudantes tenham contato com a pesquisa, o ensino e a extensão de forma integrada. Segundo Samuel, “para entender a situação das empresas, eles tiveram de pesquisar, mesmo que fosse sobre os conteúdos do início do curso. As apresentações das empresas permitiram o contato com o ensino, entendendo na prática os desafios de uma organização. Já no âmbito da extensão, a conexão do estudante com a comunidade se dá por meio das empresas incubadas, desenvolvidas por pessoas de fora e que atendem o público externo”.

Viagem de estudos

Divulgação

A disciplina de Vivência em Gestão também possibilita a imersão em realidades diferentes do Vale do Taquari com uma viagem de estudos. Samuel lembra que a Argentina foi o destino da turma de 2017, e em 2018 e neste ano os acadêmicos visitaram empresas de São Paulo.

Antes de viajar, os grupos pesquisaram sobre o ambiente paulista e sobre as organizações a serem visitadas, elaborando quatro perguntas a partir das informações encontradas. No dia da visita a tarefa foi entrevistar as organizações com as perguntas elaboradas para, no final do semestre, montar um relatório sobre as empresas.

“Experiência para a vida toda”

Isabel Pavan


Adriana Elizete Borgelt está no último semestre do curso de Gestão de Micro e Pequenas Empresas e integra a turma de Vivência deste semestre. Para ela, a participação na viagem e na intervenção foi enriquecedora para sua formação profissional. Sobre a atividade com as incubadas, a estudante ressalta que, “falando como empreendedora, às vezes enxergamos os problemas, mas não encontramos soluções, porque estamos tão envolvidos que não conseguimos nos distanciar e analisar de fora”.

Durante a viagem a estudante ainda teve a oportunidade de aprender novas técnicas. “Em uma das empresas que visitamos havia um mural que dava exemplos de defeitos que não podem aparecer em rótulos. Isso me fez pensar como focamos no que deve ser e esquecemos dos problemas que podem surgir”, comenta. A partir daí veio a ideia de aplicar esse conhecimento no empreendimento da sua família. Segundo Adriana, a equipe está passando por um treinamento relacionado a essa ideia, mas resultados positivos já são percebidos pela empresa. A estudante ainda acrescenta que em São Paulo pôde ver de perto a realidade dos grandes centros.

Eu não teria como realizar tantas visitas sozinha, e a Univates possibilitou esse momento. É uma experiência que não tem preço e que será levada para a vida toda
Adriana Elizete Borgelt

Divulgação

Para as sócias da Agrado Integral, a nutricionista Juliana Regina Scheibler e as farmacêuticas Fernanda Chaves e Paula Chaves, participar da atividade com os estudantes tem sido uma oportunidade de aprendizado. Desde o início deste ano a empresa está pré-incubada na Inovates. Segundo as empreendedoras, os mentores, a equipe da incubadora, professores e inclusive outras empresas incubadas contribuem com questões pertinentes para o crescimento da Agrado Integral. “Somos da área da saúde e sabíamos pouco de logística. Para a empresa, é muito bom ter outras ideias e pontos de vista. Saber que os alunos estão empenhados estudando possibilidades para a nossa empresa é gratificante. Empreender é um desafio, porém com apoiadores ficamos mais motivadas ainda a seguir em frente”, comentam as profissionais.