ANÁLISE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR EM DIFERENTES PACOTES TECNOLÓGICOS

Autores

  • David Ferreira Lopes Santos Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP http://orcid.org/0000-0003-3890-6417
  • Camila Aparecida Fonseca Souza Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
  • Juliana Borba de Moraes Farinelli Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" http://orcid.org/0000-0003-0263-7075
  • Bruna Luísa da Silva Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
  • Kandy Horita Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

DOI:

https://doi.org/10.22410/issn.1983-036X.v25i2a2018.1816

Palavras-chave:

Administração Rural, Análise de Investimentos, Fluxo de Caixa Descontado, Produtor Rural

Resumo

A cultura da cana-de-açúcar no Brasil é uma das mais intensivas tecnologicamente em todas as etapas de produção (sementes e insumos, sistema de plantio e manejo, colheita e distribuição), esta característica contribui à liderança competitiva desta cultura no cenário internacional. Por outro lado, o imperativo tecnológico requerido exige que os produtores rurais realizem elevados investimentos em máquinas e equipamentos ou tenham profícua estrutura de contratos de serviços especializados para que sua produção alcance igualmente produtividade e custos competitivos. Diante deste contexto, este estudo analisa a viabilidade econômica de três diferentes pacotes tecnológicos empregados em três perfis de propriedade (75, 360 e 600 ha) na região de Jaboticabal-SP; estes perfis representam mais 90% dos produtores canavieiros do país que somam mais 18 mil propriedades rurais. O procedimento metodológico utilizado foi o estudo de caso múltiplos, com 3 casos, cujos dados foram explorados por meio de abordagem quantitativa e qualitativa que convergiram para a análise através do Fluxo de Caixa Descontado combinado com Análise Custo-Volume-Lucro. Os resultados reportam que a produção de cana-de-açúcar apresenta viabilidade econômica para os três perfis tratados, desde que exista mais de 51 ha de área para plantio e as técnicas de manejo sejam trabalhadas adequadamente. O nível de rentabilidade é restrito o que exige um planejamento técnico e financeiro detalhado para cada ciclo de produção. A escala é importante para a viabilidade, pois o ponto de equilíbrio é alcançado com maior folga em propriedades com maiores áreas de produção, ainda que estas demandem maiores níveis de investimento.

Biografia do Autor

David Ferreira Lopes Santos, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP

Pós Doutor e Doutor em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Professor Assistente Doutor no Departamento de Economia, Administração e Educação, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista.

Camila Aparecida Fonseca Souza, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Graduação em Administração na Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista.

Juliana Borba de Moraes Farinelli, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Mestre em Administração e Engenheira Agronômica pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Bruna Luísa da Silva, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Graduação em Administração na Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista.

Kandy Horita, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Graduação em Administração na Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista.

Downloads

Publicado

05-09-2018

Como Citar

SANTOS, David Ferreira Lopes; SOUZA, Camila Aparecida Fonseca; FARINELLI, Juliana Borba de Moraes; SILVA, Bruna Luísa da; HORITA, Kandy. ANÁLISE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR EM DIFERENTES PACOTES TECNOLÓGICOS. Revista Estudo & Debate, [S. l.], v. 25, n. 2, 2018. DOI: 10.22410/issn.1983-036X.v25i2a2018.1816. Disponível em: https://www.univates.br/revistas/index.php/estudoedebate/article/view/1816. Acesso em: 21 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos