Use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10737/1504
Title: Charlie Hebdo: análise da cobertura do atentado em 2015 pelos jornais Folha de São Paulo, British Broadcasting Company e Deutsche Welle
Authors: Silva, Camille Lenz da
Keywords: Charlie Hebdo;Folha de São Paulo;Deutsche Welle;British Broadcasting Company;Jornalismo Digital;Ética;Sensacionalismo;Pesquisa quanti-qualitativa
Date of Defense: 1-Dec-2016
Issue Date: Apr-2017
Citation: SILVA, Camille Lenz da. Charlie Hebdo: análise da cobertura do atentado em 2015 pelos jornais Folha de São Paulo, British Broadcasting Company e Deutsche Welle. 2016. Monografia (Graduação em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo) – Universidade do Vale do Taquari - Univates, Lajeado, 01 dez. 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/10737/1504.
Abstract: Em uma sociedade globalizada, é natural que convivamos cada vez mais com diferenças e que presenciemos desavenças entre culturas, religiões e povos. O jornalismo sempre teve o papel de mediador de informações perante a sociedade e, no contexto atual, o jornalista precisa exercer ainda mais esse papel fundamental. Mas para que esta intervenção seja feita de forma adequada, é preciso que o profissional seja guiado por certas regulamentações éticas, de forma a não extrapolar limites de liberdade, procurar não emitir sua opinião e ver-se livre de juízos de valor. O objetivo geral deste trabalho é investigar o processo de midiatização do atentado ao semanário francês Charlie Hebdo, em 7 de janeiro de 2015 a partir do estudo de teorias fundamentais do jornalismo, de análises quanti-qualitativas e da compreensão sobre os temas envolvidos, como gêneros jornalísticos, ética, jornalismo digital e o islamismo. A análise está focada em três veículos de jornalismo online: Deutsche Welle, British Broadcast Company e Folha de São Paulo, escolhidos pela função social de destaque exercida tanto nacional quanto internacionalmente. Ao longo do trabalho, percebeu-se que não só os três jornais pesquisados, mas também o Charlie Hebdo, se valeram do sensacionalismo para publicar suas matérias. Seus apanhados foram, na grande maioria, baseados em critérios de noticiabilidade que mostram o interesse na venda do produto, na sua midiatização através de palavras ou expressões de forte impacto, na tentativa de sensibilizar o leitor. As matérias publicadas foram pouco aprofundadas, o que corrobora o momento de superficialidade que a as redações midiáticas vivenciam.
URI: http://hdl.handle.net/10737/1504
Appears in Collections:Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2016CamilleLenzdaSilva.pdf4,17 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons