Critérios jurisprudenciais utilizados para a caracterização de dano moral por abandono afetivo de crianças e adolescentes segundo o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul no último ano

dc.contributor.advisor1Müller, Thaís Carnieletto
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5796237762524719pt_BR
dc.contributor.referee1Magalhães, Loredana Gragnani
dc.contributor.referee1Moraes, Larrisa S. B.
dc.creatorDullius, Suélen Vitória
dc.date.accessioned2021-12-28T18:07:40Z
dc.date.available2021-12-28T18:07:40Z
dc.date.issued2020-07
dc.date.submitted2020-07-13
dc.description.abstractAtualmente no Brasil, o direito de família, está regulado no Código Civil, na sua Parte Especial - Livro IV – Do Direito de Família (art. 1.511 a 1.783-A), entretanto não há, nesse livro um título que aborde sobre o abandono afetivo e as suas consequências para os pais (na forma de requerimento de dano moral). O fato de não haver, no Livro IV, um regramento prevendo punição para os genitores que abandonam afetivamente sua prole, tem como consequência, a utilização da responsabilidade civil e a dificuldade de condenação em juízo dos casos concretos. Por isso, o objetivo geral dessa monografia é identificar os critérios utilizados para a caracterização de dano moral por abandono afetivo de crianças e adolescentes segundo o TJ/RS no ano de 2019. Para alcançar esse objetivo foi realizada uma pesquisa investigatória aplicando-se o método qualitativo e dedutivo instrumentalizado pelo procedimento de coleta de dados, através de pesquisa bibliográfica, documental e de jurisprudência. A análise começa por apontamentos históricos, para identificar as mudanças na conceituação de “família”, chegando-se ao princípio constitucional da afetividade (como critério da formação familiar) e da Teoria da Proteção Integral das crianças e Adolescentes (adotada como forma de garantir seus direitos), passando a identificar na CF/88, CC/2002 e no ECA as previsões legais acerca dessa proteção. Após conceituou-se a afetividade no direito de família, o dano moral e o abandono afetivo. E, em seguida, identificaram-se em pesquisa realizada no site do TJ/RS os critérios que foram utilizados por esse tribunal, para negar ou acatar os pedidos de dano moral por abandono afetivo. Conclui-se faltar certeza jurídica sobre o tema, visto que, apesar de existir a responsabilidade civil e doutrinas apontando ser passível de indenização, o tribunal mantém o entendimento que deve haver a demonstração da conduta ilícita, do dano e do nexo de causalidade para a comprovação do abandono moral e sua indenização.pt_BR
dc.identifier.citationDULLIUS, Suélen Vitória. Critérios jurisprudenciais utilizados para a caracterização de dano moral por abandono afetivo de crianças e adolescentes segundo o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul no último ano. 2020. Monografia (Graduação em Direito) – Universidade do Vale do Taquari - Univates, Lajeado, 13 jul. 2020. Disponível em: http://hdl.handle.net/10737/3192. pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10737/3192
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsopenAccesspt_BR
dc.subjectAbandono afetivopt_BR
dc.subjectDano moralpt_BR
dc.subjectResponsabilidade civilpt_BR
dc.subject.cnpqCSApt_BR
dc.titleCritérios jurisprudenciais utilizados para a caracterização de dano moral por abandono afetivo de crianças e adolescentes segundo o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul no último anopt_BR
dc.typebachelorThesispt_BR
Arquivos
Pacote original
Agora exibindo 1 - 1 de 1
Imagem em miniatura
Nome:
2020SuélenVitóriaDullius.pdf
Tamanho:
1.08 MB
Formato:
Adobe Portable Document Format
Descrição:
Pacote de licença
Agora exibindo 1 - 1 de 1
Nenhuma miniatura disponível
Nome:
license.txt
Tamanho:
4.57 KB
Formato:
Item-specific license agreed upon to submission
Descrição:
Coleções