Histórico de Eventos Anteriores

O I Seminário Internacional Migrações e Direitos Humanos foi realizado nos dias 18 e 19 de maio de 2016. Resultou de um esforço coletivo de pesquisadores e estudantes que, sensíveis às temáticas propostas, engajaram seus esforços na construção conjunta de um projeto comum. Foi um desdobramento da proposta do projeto de pesquisa intitulado “Imigração haitiana no Vale de Taquari, análise de um processo em construção a partir de um estudo de caso”, financiado pelo CNPq. A proposta foi desenvolvida por professores pesquisadores vinculados ao PPGAD (Programa de Pós-graduação em Ambiente e Desenvolvimento) e ao CCHS (Centro de Ciências Humanas e Sociais) da Universidade do Vale de Taquari - Univates. O evento também fez parte do projeto de extensão Interfaces da Univates.

Um dos resultados do I Seminário Internacional Migrações e Direitos Humanos foi a constituição de um núcleo de pesquisa sobre migrações no Sul do Brasil por meio do qual se criaram parcerias e canais de comunicação entre pesquisadores nacionais e internacionais. Na tarde do dia 19/05 compareceram e se apresentaram 31 pesquisadores e professores interessados em participar do Núcleo, que recebeu o nome de Mipesul (Migrações Internacionais e Pesquisas no Sul do Brasil), com sede na Universidade do Vale do Taquari - Univates.

Houve discussões teóricas e análises de realidades empíricas diversas que permeiam os 55 resumos dos trabalhos apresentados nos Anais do Seminário Internacional Migrações e Direitos Humanos. Esse evento permitiu o diálogo interdisciplinar entre pesquisadores que se debruçam sobre o assunto, reunindo professores e alunos de diversas Universidades, e membros da sociedade civil para participar dos GTs temáticos constituídos, das rodas de conversa com representantes de movimentos sociais e imigrantes, dos painéis e palestras sobre direitos humanos, migrações e saúde. Pensaram-se em conjunto os impactos sociais e culturais das migrações e suas relações com os direitos humanos. Nesse sentido, o Seminário perpassou questões de gênero, identidade, etnicidade, relações de trabalho, saúde das populações migrantes, bem como as políticas públicas que se dirigem a essas populações.