Univates

Carga horária:

3.000h - 4 anos

Turno:

Noturno

Modalidade:

Presencial

Atos legais

Início de funcionamento: A/05

Autorização: 046/Reitoria/UNIVATES, de 19/05/08

Reconhecimento: Portaria MEC 446, de 01/11/11

Renovação de Reconhecimento: Portaria MEC 210, de 25/06/2020

Projeto Pedagógico do Curso

Objetivos do curso

Formar profissionais com potencial transformador e conscientes das implicações da atividade do design para a sociedade, com foco no desenvolvimento de soluções voltadas à sustentabilidade, à acessibilidade, à concepção e ao melhoramento de objetos, processos, serviços e seus sistemas adequados às diferentes condições e necessidades humanas. 

Perfil do Egresso

O perfil pretendido para o profissional formado pelo curso de Design da Univates é de um designer voltado à solução de problemas da sociedade, com sensibilidade artística, senso crítico, conhecimento técnico e repertório cultural, capaz de desenhar inovações transformadoras na indústria, comércio e serviços, com capacidade para empreender técnicas, métodos, processos e estratégias, com foco na interdisciplinaridade e no desenvolvimento da região em que atua, de forma integrada, autossustentável e humana. Espera-se do diplomado do curso de Design da Univates uma atuação criativa-projetual, consciente do seu papel investigador e de sua capacidade para conectar diferentes saberes e áreas de conhecimento.

Competências

Conforme a Resolução CNE/CES nº 05, de 08/03/2004, o curso de graduação em Design deve formar um profissional com pensamento reflexivo e sensibilidade artística, apto a produzir projetos que envolvam sistemas de informações visuais, artísticas, estéticas, culturais e tecnológicas, observados o ajustamento histórico, os traços culturais e de desenvolvimento das comunidades, bem como as características dos usuários e de seu contexto socioeconômico e cultural. Para a formação desse profissional, as diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em Design apontam as seguintes competências e habilidades:
 
I - criatividade para propor soluções inovadoras, utilizando domínio de técnicas e de processo de criação;
II - domínio de linguagem própria expressando conceitos e soluções em seus projetos, de acordo com as diversas técnicas de expressão e reprodução visual;
III - interação com especialistas de outras áreas de modo a utilizar conhecimentos diversos e atuar em equipes interdisciplinares na elaboração e execução de pesquisas e projetos;
IV - visão sistêmica de projeto, manifestando capacidade de conceituá-lo a partir da combinação adequada de diversos componentes materiais e imateriais, processos de fabricação, aspectos econômicos, psicológicos e sociológicos do produto;
V - domínio das diferentes etapas do desenvolvimento de um projeto, a saber: definição de objetivos, técnicas de coleta e de tratamento de dados, geração e avaliação de alternativas, configuração de solução e comunicação de resultados;
VI - conhecimento do setor produtivo de sua especialização, revelando sólida visão setorial, relacionada ao mercado, materiais, processos produtivos e tecnologias abrangendo mobiliário, confecção, calçados, joias, cerâmicas, embalagens, artefatos de qualquer natureza, traços culturais da sociedade, softwares e outras manifestações regionais;
VII - domínio de gerência de produção, incluindo qualidade, produtividade, arranjo físico de fábrica, estoques, custos e investimentos, além da administração de recursos humanos para a produção;
VIII - visão histórica e prospectiva centrada nos aspectos socioeconômicos e culturais, revelando consciência das implicações econômicas, sociais, antropológicas, ambientais, estéticas e éticas de sua atividade.
 
Considerando as diretrizes nacionais e as especificidades regionais e inerentes às características da Universidade do Vale do Taquari - Univates, o diplomado do curso de Design da Univates é um profissional com sólidos conhecimentos na sua área de atuação com competências e habilidades direcionadas a seis contextos de aprendizado, relacionados a seguir:
 
I - Contexto fundamental
COMPETÊNCIA: domínio de linguagem própria, conceitos, materiais, processos, instrumentos e teorias fundamentais do design, métodos para desenvolvimento e produção, com foco em uma abordagem sistêmica, integrada e criativa do projeto, considerando todas as etapas do seu desenvolvimento, aspectos da produtividade sustentável e condições de acessibilidade.
 
HABILIDADES:
- conhecimento dos processos, materiais, instrumentos e tecnologias da atividade do designer;
- compreensão da conceituação teórica do design e sua aplicabilidade;
- conhecimento da linguagem de expressão visual;
- conhecimento de técnicas e processos de criação;
- entendimento sistêmico do desenvolvimento projetual;
- aplicação das etapas de desenvolvimento de projetos em práticas técnicas e acadêmicas;
- desenvolvimento da criatividade para apresentar soluções inovadoras;
- compreensão dos impactos da atividade do designer em relação ao consumo, meio ambiente e desenvolvimento humano;
- compreensão dos aspectos psicológicos, sensoriais e emocionais do ser humano no que tange à sua aplicação nos projetos de design.
 
II - Contexto histórico-cultural
COMPETÊNCIA: conhecimento histórico e visão prospectiva, com foco nos aspectos socioeconômicos e culturais, revelando consciência das implicações econômicas, sociais, antropológicas, ambientais, estéticas e éticas da atividade do designer.
 
HABILIDADES:
- visão histórico-cultural do campo das artes, da tecnologia e da produção humana;
- entendimento da evolução das atividades relacionadas ao design diante do avanço tecnológico;
- desenvolvimento de repertório cultural e referencial;
- desenvolvimento de pensamento crítico-reflexivo para compreender as diferentes formas de expressão e do comportamento humano, com ênfase no exercício da alteridade e na construção do pensamento complexo;
- desenvolvimento da capacidade de leitura e interpretação de imagens/obras artísticas;
- aprimoramento da capacidade de argumentação;
- desenvolvimento e expansão da habilidade prático-criativa.
 
 
III - Contexto interdisciplinar
COMPETÊNCIA: entendimento das relações sociais, antropológicas, psicológicas, comunicacionais, filosóficas, éticas e técnicas da formação do designer com os diversos enfoques e áreas da sua atuação profissional, incluindo linguagem, argumentatividade e domínio da expressão textual e verbal, centrado na formação de caráter interdisciplinar que possibilite sua atuação com profissionais de outras áreas no desenvolvimento de pesquisas e projetos.
 
HABILIDADES:
- atuação em equipes interdisciplinares;
- articulação, gestão e tomada de decisões criativas para a execução de projetos em formato inter e transdisciplinar;
- compreensão dos aspectos sociais, culturais, éticos e antropológicos relacionados com os projetos de design;
- emprego de diferentes estratégias de leitura adequadas ao contexto textual, aos objetivos de leitura e às intenções comunicativas;
- percepção da leitura e da escrita como processo de construção e de produção de sentidos na interação autor-texto-leitor;
- uso da variedade linguística adequada ao gênero e à situação comunicativa, tanto na linguagem oral quanto na escrita, com foco na linguagem formal;
- compreensão e uso dos mecanismos de coesão e de recursos de coerência na construção do texto e na produção de sentidos;
- compreensão crítica dos processos de produção de sentido em sociedade;
- domínio de conceitos que envolvem o signo, a linguagem e o discurso;
- análise dos diversos tipos de produção cultural, sobretudo aqueles que envolvem a mídia;
- leitura e interpretação conceitual de questões fundamentais nas diversas ciências;
- tratamento e tematização de problemas morais e éticos;
- análise da realidade a partir do diálogo argumentativo coerente;
- reflexão acerca dos pressupostos teóricos da ação científica e social;
- questionamento de conceitos preestabelecidos;
- análise crítica de informações de diferentes fontes;
- identificação das características ambientais regionais e globais;
- avaliação crítica da relação homem-ambiente;
- compreensão da interdisciplinaridade socioambiental;
- reflexão sobre os processos socioambientais;
- aplicação dos princípios de mediação ambiental;
- construção de posicionamento crítico sobre os valores ambientais no desenvolvimento.
 
IV - Contexto estratégico
COMPETÊNCIA: conhecimento do setor produtivo, gestão, produção, segmentação de mercado, legislação, código de ética profissional e estratégias de diferenciação nos negócios por meio do design.
 
HABILIDADES:
- entendimento das relações entre gestão, administração e produção;
- entendimento da produção intelectual e criativa como diferencial competitivo;
- desenvolvimento de repertório e de técnicas para solucionar problemas individuais ou sociais;
- reconhecimento da relação entre o pensamento projetual do design e o planejamento estratégico do marketing;
- conhecimento da regulamentação da profissão;
- desenvolvimento de comportamento ético e responsável para a atuação profissional, ciente da importância do design como fator central da humanização de tecnologias e fator crucial das trocas econômicas e culturais;
- conhecimento da regulamentação inerente à proteção da atividade criativa;
- reconhecimento do design como atividade estratégica;
- identificação de oportunidades;
- iniciativa e atitude empreendedora;
- responsabilidade socioambiental.
 
 
V - Contexto técnico-instrumental
COMPETÊNCIA: domínio de técnicas, ferramentas e tecnologias do setor produtivo do design, bem como dos processos de criação inerentes aos projetos, com foco na capacidade criativa para propor soluções inovadoras, aplicadas aos mais diversos setores da indústria, comércio e serviços.
 
HABILIDADES:
- conhecimento e instrumentalização em técnicas, ferramentas e tecnologias de projeto e produção;
- aplicação dos processos de criação e desenvolvimento aos projetos;
- desenvolvimento de capacidade criativa, conceitual e inventiva;
- entendimento da atuação do designer nos diversos setores produtivos;
- construção de linguagem fotográfica pessoal por meio da produção de fotografias;
- utilização e manuseio da câmera digital, suas funções e identificação dos conceitos e termos fotográficos;
- respeito aos limites éticos na produção e uso de imagens fotográficas.
 
 
VI - Contexto projetual-investigativo
COMPETÊNCIA: domínio das diferentes etapas de desenvolvimento do design, definindo objetivos, utilizando técnicas de coleta e tratamento de dados, gerando alternativas e sua posterior avaliação, configurando soluções e comunicando os resultados, a partir da combinação dos diversos contextos de aprendizado, com foco na inovação e nos aspectos conceituais e experimentais dos projetos.
 
HABILIDADES:
- aplicação das etapas de desenvolvimento de projetos em práticas técnicas e acadêmicas;
- entendimento sistêmico do desenvolvimento projetual;
- desenvolvimento da criatividade para solucionar problemas e apresentar soluções inovadoras;
- conhecimento e experimentação de métodos de pesquisa e obtenção de dados;
- conceituação dos projetos a partir da combinação de componentes materiais e imateriais;
- entendimento da relação entre os diversos contextos de aprendizado;
- desenvolvimento de iniciativa e responsabilidade na elaboração de projetos e investigações de design;
- desenvolvimento de métodos e técnicas de linguagem aplicados a projetos e pesquisa;
- argumentação textual e verbal.

Matriz Curricular

O aluno pode verificar a matriz curricular do curso para conhecer as disciplinas, ter acesso ao código, às horas-aula e aos créditos de cada uma.

Proficiências

O estudante de Design da Univates deve ser necessariamente uma pessoa capaz de se relacionar com o mundo. Para tanto, deverá mostrar conhecimento para proficiência em uma Língua Estrangeira - inglês ou espanhol. A obtenção de aprovação constitui pré-requisito para a evolução do estudante na matriz curricular.
Os exames de proficiência não computam horas e são oferecidos semestralmente. A proficiência específica em Língua Inglesa segue regulamentação própria e possibilita também o aproveitamento pelo certificado de conclusão de curso do Projeto i - cursos de inglês da Univates, sendo os níveis de exigência detalhados em regulamentação específica.
Fica facultado ao estudante o aproveitamento de componentes curriculares de Língua Estrangeira - inglês ou espanhol, em nível de graduação (80 horas), como forma de obter dispensa da prova de proficiência.

Estágio Curricular Supervisionado

Não se aplica, com amparo do parágrafo 3º, artigo 7º, das Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Design, de 8 de março de 2004, que trata sobre a opção da instituição de ensino em incluir o componente curricular Estágio Curricular Supervisionado no currículo do curso em questão.  
Considerando o elevado índice de empregabilidade e colocação profissional dos estudantes ainda durante a graduação, confirmado em pesquisa que aponta que 70% dos estudantes trabalharam com carteira assinada durante a graduação e 28,6% realizaram estágio com remuneração (MORÁS, 2018), conforme determinação do NDE do curso, no currículo vigente as atividades profissionais são desenvolvidas em todos os componentes curriculares do eixo de conteúdos teórico-práticos que estão inseridos no contexto projetual-investigativo do curso, com interação de empresas e entidades para o efetivo desenvolvimento dos projetos integrados a práticas de extensão, além do estágio curricular não obrigatório, que tem previsão de aproveitamento como atividade complementar.

Estágio Não Obrigatório

Das disposições gerais
O estágio não obrigatório fundamenta-se na Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, que dispõe sobre o estágio dos estudantes, na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei Federal nº 9.394/96, e nas Diretrizes Curriculares dos cursos de Ensino Superior.
 
Da caracterização do estágio
O estágio, segundo o art. 1º da Lei nº 11.788/2008, caracteriza-se como "um ato educativo escolar supervisionado" que tem como finalidade a preparação para o trabalho e para a vida cidadã dos estudantes que estão regularmente matriculados e frequentando curso em instituição de Ensino Superior.
O estágio não obrigatório, que deve integrar o projeto pedagógico de cada curso, é uma atividade opcional acrescida à carga horária regular e obrigatória do curso, não se constituindo, porém, um componente indispensável à integralização curricular.
No curso de Design, bacharelado, o estágio não obrigatório pode ser aproveitado como atividade complementar, conforme previsto no Regulamento das Atividades Complementares do Projeto Pedagógico do Curso.
 
Dos objetivos
 
Geral
Oportunizar ao estudante ampliar conhecimentos, aperfeiçoar e/ou desenvolver habilidades e atitudes necessárias para o bom desempenho profissional, vivências que contribuam para o adequado relacionamento interpessoal e a participação ativa na sociedade.
 
Específicos
Possibilitar ao estudante matriculado e que frequenta o curso de Design, bacharelado, da Universidade do Vale do Taquari - Univates:
- vivenciar situações que ampliem o conhecimento da realidade na área de formação do estudante;
- ampliar o conhecimento sobre a organização profissional e o desempenho profissional;
- interagir com profissionais da área em que irá atuar, com pessoas que direta ou indiretamente se relacionam com as atividades profissionais, com vistas a desenvolver e/ou aperfeiçoar habilidades e atitudes básicas e específicas necessárias para a atuação profissional.
 
Das exigências e critérios de execução
Das determinações gerais
A realização do estágio não obrigatório deve obedecer às seguintes determinações:
I - o estudante deve estar matriculado e frequentando regularmente curso de educação superior da Universidade do Vale do Taquari - Univates;
II - obrigatoriedade de concretizar a celebração de termo de compromisso entre o estagiário, a parte concedente do estágio e a Univates antes do início das atividades;
III - as atividades realizadas pelo estudante em estágio devem compatibilizar-se com o horário de aulas e aquelas previstas no termo de compromisso;
IV - a carga horária máxima da jornada de atividades do estagiário será de seis horas diárias e de 30 horas semanais;
V - o período de duração do estágio não obrigatório não pode exceder dois anos, exceto quando se tratar de estudante com deficiência;
VI - o estágio não obrigatório não cria vínculo empregatício de qualquer natureza, devendo o estudante receber bolsa ou outra forma de contraprestação das atividades que irá desenvolver. A eventual concessão de benefícios relacionados a transporte, alimentação e saúde, entre outros, também não caracteriza vínculo empregatício;
VII - se houver alguma forma de contraprestação ou bolsa de estágio não obrigatório, o pagamento do período de recesso será equivalente a 30 dias, sempre que o estágio tiver duração igual ou superior a um ano, a ser gozado preferencialmente durante as férias escolares. No caso de o estágio ter duração inferior a um ano, os dias de recesso serão concedidos de maneira proporcional;
VIII - a unidade concedente deve contratar em favor do estagiário seguro contra acidentes pessoais, cuja apólice seja compatível com valores de mercado, conforme consta no termo de compromisso;
IX - as atividades de estágio não obrigatório devem ser desenvolvidas em ambiente com condições adequadas e que possam contribuir para aprendizagens do estudante nas áreas social, profissional e cultural;
X - cabe à Univates comunicar, quando solicitada, à unidade concedente ou ao agente de integração (se houver) as datas de realização de avaliações acadêmicas;
XI - segundo o art. 14 da Lei nº 11.788/2008, "aplica-se ao estagiário a legislação relacionada à saúde e segurança no trabalho, sendo sua implementação de responsabilidade da parte concedente do estágio".
 
Das exigências e critérios específicos
O estágio não obrigatório do curso de Design, bacharelado, envolve atividades relacionadas à formação de profissional com capacidade de pensamento reflexivo, multidisciplinar e com sensibilidade artística, a serem desenvolvidas em organizações e empresas que se dedicam a atividades relacionadas à área do curso, inclusive setores e laboratórios da Univates.
O estágio não obrigatório deve constituir-se em oportunidade para os acadêmicos atuarem nas diversas áreas de desenvolvimento do design, partindo da divisão clássica em design de produtos e design gráfico, mas de forma ampliada, de modo a contemplar a atuação do designer nos mais diversos campos, como design estratégico, digital, multimídia, ambiental, entre outros, considerando a atuação do estudante em equipes multidisciplinares como colaboradores no desenvolvimento de atividades projetuais e outras ações que permitam o conhecimento da realidade profissional, aplicação dos conhecimentos e o desenvolvimento de competências e habilidades profissionais, sociais e culturais.
O estagiário somente pode assumir atividades se houver um profissional habilitado, com formação acadêmica ou experiência profissional comprovada em design ou áreas afins (publicidade e propaganda, arquitetura e urbanismo, design de moda, comunicação social, entre outras áreas relacionadas com a economia criativa), indicado pela parte concedente do estágio, para acompanhamento.
 
Das áreas/atividades de atuação
Os estudantes do curso de Design da Universidade do Vale do Taquari - Univates podem desenvolver atividades de estágio ligadas à sua formação, desde que acompanhados por profissional indicado pela empresa, conforme citado no item anterior, a partir do primeiro semestre do curso. As condições para prestação de trabalho mais efetivo estão diretamente ligadas ao nível de conhecimento adquirido nos componentes curriculares do curso, cabendo à empresa concedente solicitar informações sobre o envolvimento do estudante no curso, seu desenvolvimento acadêmico e o nível de conhecimento (semestre) do estudante.
 
Dos pré-requisitos
Estudante matriculado e cursando componentes curriculares a partir do primeiro semestre do curso.
 
Do local de estágio
Empresas que atuam ou possuem setores voltados ao design, sejam elas dos setores da indústria, comércio ou serviços.
 
Das áreas de atuação
O estudante poderá atuar como auxiliar/colaborador nas seguintes áreas:
- design industrial (design de produtos, mobiliário, máquinas, equipamentos e interfaces);
- design gráfico (design de informação, comunicação visual, editoração e identidade visual);
- design digital (webdesign, multimídia e sistemas de interação);
- design de embalagem (desenvolvimento de frascos, caixas, envoltórios e rótulos para produtos);
- design ambiental (design de sinalização e mobiliário urbano e/ou comercial);
- design estratégico (desenvolvimento e implementação de estratégias utilizando a metodologia do design).
As atividades não enumeradas e que surgirem somente podem ser autorizadas como estágio mediante análise e consentimento do NDE do curso de Design.
 
Das atribuições
Do professor supervisor de estágio
O professor supervisor do estágio não obrigatório é o coordenador de curso ou um professor indicado por ele, ao qual cabe acompanhar e avaliar as atividades realizadas pelo estagiário tendo como base o plano e o(s) relatório(s) do estagiário, bem como as informações do profissional responsável na parte concedente do estágio.
 
Do supervisor da parte concedente
O supervisor da parte concedente do estágio é um profissional do quadro de funcionários, indicado pela empresa concedente, responsável pelo acompanhamento do estagiário durante o desenvolvimento das atividades, devendo possuir formação superior ou experiência profissional em área do curso ou afins.
Caso a empresa concedente do estágio não tenha em seu quadro de funcionários - ou entre os sócios - um profissional com formação na área solicitada, o professor avaliará a possibilidade de aceitar o tempo de experiência profissional na área acima descrita, desde que esta fique comprovada no Termo de Compromisso de Estágio e na Declaração de Supervisão de Estágio.
Cabe também ao supervisor indicado pela empresa concedente comunicar à Central de Carreiras da Univates qualquer irregularidade ou, se for o caso, a desistência do estudante estagiário, assim como efetuar os registros relacionados ao desempenho do estudante.
 
Do estagiário
Cabe ao estagiário contratado para desenvolver estágio não obrigatório:
a) indicar a organização em que realizará o estágio não obrigatório à Central de Carreiras da Univates ou ao responsável administrativo do agente de integração;
b) elaborar o plano de atividades e desenvolver as atividades ali especificadas;
c) responsabilizar-se pelo trâmite do Termo de Compromisso, devolvendo-o à Central de Carreiras da Univates ou ao responsável administrativo do agente de integração, se houver, convenientemente assinado e dentro do prazo previsto;
d) ser assíduo e pontual tanto no desenvolvimento das atividades quanto na entrega dos documentos exigidos;
e) portar-se de forma ética e responsável.
 
Das disposições finais
A Central de Carreiras, o Núcleo de Apoio Pedagógico e os coordenadores de curso devem trabalhar de forma integrada no que se refere ao estágio não obrigatório dos estudantes matriculados nos cursos de Ensino Superior da Universidade do Vale do Taquari - Univates, seguindo as disposições contidas na legislação em vigor e as normas internas contidas no regulamento do estágio não obrigatório do curso de Design e na Resolução 042/Consun/Univates, de 02 de julho de 2018.
As partes concedentes do estágio e os agentes de integração devem seguir o estabelecido na legislação em vigor, as disposições do regulamento do estágio não obrigatório do curso de Design e as normas e orientações da Univates que tratam do assunto.

Atividades Complementares

Atividades Exigências
Ensino(120 horas)
Componente curricular oferecido em cursos de outra IES

a) Apresentar atestado de conclusão; b) Ter sido cursada em IES da rede oficial de ensino; c) Aproveitamento de até 80 horas por componente curricular.

Componente curricular oferecido por cursos da Univates

a) Aprovação no componente curricular; b) Aproveitamento de até 80 horas por componente curricular.

Monitoria em atividade acadêmica

a) Ter sido realizada em componentes curriculares oferecidos pela Univates; b) Apresentar atestado com período de realização e carga horária semanal; c) Ter sido realizada por pelo menos dois meses com carga horária semanal mínima de quatro horas; d) Aproveitamento de até 20 horas por semestre.

Extensão(120 horas)
Atuação como instrutor em cursos de extensão universitária sem receita financeira

a) Apresentar atestado com carga horária; b) Aproveitamento de até oito horas por atividade.

Atuação em empresa júnior, trabalhos sociais e trabalhos voluntários

a) Apresentar atestado com carga horária e período de duração; b) Aproveitamento de no máximo 45 horas por atestado.

Intercâmbio interinstitucional de estudos promovido pela Univates

a) Aproveitamento de acordo com a Resolução 101/Reitoria/Univates, de 30 de agosto de 2007, artigo 10, parágrafo 2º; b) Duração de no mínimo um semestre; c) Aproveitamento de até 200 horas, conforme a resolução, nesse caso excepcionalmente integralizando a carga horária total de atividades complementares.

Participação em cursos de extensão universitária

a) Apresentar certificado com no mínimo 75% de frequência; b) Curso promovido pela Univates ou por outra instituição, desde que aprovado pelo Núcleo Docente Estruturante do curso; c) Aproveitamento de até, no máximo, 45 horas por certificado, não excedendo 50% da carga horária total da categoria da atividade.

Participação em eventos: seminários, congressos, simpósios, palestras, semanas acadêmicas, conferências, encontros etc.

a) Apresentar atestado com no mínimo 75% de participação; b) Evento promovido pela Univates ou por outra instituição, desde que aprovado pelo Núcleo Docente Estruturante; c) Aproveitamento de no máximo 45 horas por evento, não excedendo 50% da carga horária total da categoria da atividade.

Participação em prêmios e concursos da área

a) Apresentar comprovante da inscrição no concurso, anexando cópia do projeto inscrito (em caso de projeto premiado ou finalista, anexar certificado ou comprovante específico); b) Ser um prêmio/concurso aprovado pelo Núcleo Docente Estruturante do curso; c) Aproveitamento conforme resultados no concurso, abrangência e relevância: abrangência local/regional - 2 horas por inscrição, 4 horas por projeto finalista e 10 horas por projeto vencedor; abrangência estadual - 4 horas por inscrição, 8 horas por projeto finalista e 20 horas por projeto vencedor; abrangência nacional - 6 horas por inscrição, 15 horas por projeto finalista e 40 horas por projeto vencedor; abrangência internacional - 8 horas por inscrição, 20 horas por projeto finalista e 60 horas por projeto vencedor.

Participação em projetos de extensão da Univates

a) Apresentar atestado de participação; b) Comprovar que a atividade possuiu duração mínima de um semestre; c) Aproveitamento de até 20 horas por semestre.

Representação estudantil em órgãos colegiados (Diretório Acadêmico do Curso ou Diretório Central dos Estudantes)

a) Apresentar atestado com período de ocupação do cargo não inferior a um ano; b) Aproveitamento de até 10 horas por ano, até o limite de 45 horas.

Viagens de estudos e visitas técnicas

a) Serem eventos organizados pela Univates e/ou pelo Diretório Acadêmico do curso; b) Serem atividades aprovadas pelo Núcleo Docente Estruturante do curso; c) Aproveitamento de até 40 horas por viagem de estudos ou visita técnica.

Pesquisa(120 horas)
Apresentação de trabalhos em eventos

a) Apresentar atestado com identificação do apresentador; b) Aproveitamento de até oito horas por apresentação, condicionado à avaliação do Núcleo Docente Estruturante do curso.

Participação em atividade de iniciação científica

a) Apresentar atestado com o mínimo de 75% de participação; b) Aproveitamento de até 20 horas por semestre, condicionado à avaliação do Núcleo Docente Estruturante do curso.

Participação em grupos de estudos

a) Apresentar atestado de participação; b) Aproveitamento de até 20 horas por semestre, condicionado à avaliação do Núcleo Docente Estruturante do curso.

Participação em projetos de pesquisa

a) Apresentar atestado de participação; b) Aproveitamento de até 50 horas por projeto, condicionado à avaliação do Núcleo Docente Estruturante do curso.

Publicação de trabalhos científicos

a) Apresentar atestado validando a publicação; b) Aproveitamento conforme abrangência e relevância do evento e/ou publicação e condicionado à avaliação do Núcleo Docente Estruturante do curso: abrangência local/regional - até 10 horas; abrangência estadual - até 20 horas; abrangência nacional - até 40 horas; abrangência internacional - até 60 horas.

Profissional(120 horas)
Atuação como consultor ou ministrante de treinamento em empresas

a) Certificado/atestado emitido pela empresa contratante, constando as atividades desenvolvidas e a relação com a área de estudo do aluno; b) Comprovar duração mínima de 20 horas para a atividade; c) Aproveitamento de até 30 horas por semestre.

Atuação como ministrante de cursos técnicos ou de extensão com receita financeira

a) Certificado/atestado do curso emitido por entidade competente e condicionado à avaliação do Núcleo Docente Estruturante do curso; b) Comprovar vínculo do curso com o campo do Design ou áreas afins; c) Comprovar que o curso teve duração mínima de 20 horas; d) Aproveitamento de até 30 horas por semestre.

Participação em atividades de cunho profissional

a) Apresentar documentação que comprove o vínculo profissional (contrato de estágio, contrato de trabalho ou contrato de prestação de serviços como freelancer), assinado e validado pela entidade contratante; b) Comprovar que a atividade possuiu duração mínima de 15 dias; c) Comprovar vínculo com o campo do Design ou áreas afins.

Produção técnico-artística

a) Apresentar atestado emitido pela entidade que demandou a produção técnica ou, em se tratando de produção autoral, registro de exposição ou mostra de trabalhos em que o projeto foi apresentado ou notícia/publicação veiculada em mídia, condicionado à avaliação do Núcleo Docente Estruturante do curso; b) Aproveitamento de até 20 horas por produção, condicionado à avaliação do Núcleo Docente Estruturante do curso.

Trabalho de Conclusão de Curso

Introdução
Para a obtenção do grau de bacharel em Design é obrigatória a realização de um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).
O Trabalho de Conclusão de Curso tem como objetivos a consolidação e a integração dos conhecimentos construídos ao longo do curso. Constitui-se de uma monografia, desenvolvida ao longo dos componentes curriculares Trabalho de Conclusão de Curso I e de Trabalho de Conclusão de Curso II (TCC I e TCC II, respectivamente), versando sobre conteúdos estudados durante o curso, de interesse do estudante. O tema da monografia é de livre opção do estudante, e a execução do trabalho é orientada por um professor da Instituição atuante no curso ou na área de pesquisa escolhida pelo estudante.

Mais informações
Da organização e execução
O TCC é integralizado em dois semestres e está dividido em dois componentes curriculares: Trabalho de Conclusão de Curso I e Trabalho de Conclusão de Curso II.
A documentação necessária para o início dos TCCs I e II consiste no Termo de Aceite de Orientação assinado pelo professor orientador e pelo estudante, no qual constará a definição do tema. O estudante de TCC I também deverá entregar um projeto de pesquisa no início do semestre, com data definida pela coordenação do curso de Design, contendo: introdução; objetivos (geral e específicos); motivação; metodologia; cronograma; e referências.
Na etapa de conclusão dos trabalhos, o estudante de TCC I e TCC II deverá entregar para a coordenação do curso um documento de liberação do trabalho para apresentação, assinado pelo seu professor orientador. As versões dos trabalhos para avaliação dos membros da banca devem ser submetidas em formato digital (PDF) no Ambiente Virtual específico para esse fim. As horas de orientação poderão ser comprovadas por meio de registros no Ambiente Virtual, acompanhamento do trabalho pela plataforma Google Docs ou a partir de documentação gerada por troca de e-mails ou outro instrumento digital de comunicação.  
O estudante deve apresentar e defender o projeto do TCC I para, considerando sua aprovação, encontrar-se apto a cursar o componente curricular TCC II, no qual realizará o efetivo desenvolvimento de um projeto de design, documentado em formato de monografia, sendo assessorado pelo mesmo professor orientador do TCC I, exceto em casos especiais a serem avaliados pelo NDE do curso.
O trabalho é orientado por um professor da Instituição, em horário e local preestabelecidos entre o orientando e o professor orientador, podendo também ser executado parcialmente a distância, por meio de trocas de arquivos digitais e outras modalidades.
 
Das competências do professor orientador
- Prover elementos para o desenvolvimento do trabalho;
- Orientar os estudantes nas práticas investigativas;
- Definir se o trabalho escrito está em condições de ser apreciado pela banca examinadora.
 
Das competências do estudante
- Desenvolver as atividades planejadas indicadas pelo professor orientador;
- Elaborar o TCC contemplando a execução de práticas investigativas e técnicas de elaboração de um trabalho científico;
- Redigir o trabalho de forma clara, coerente, com linguagem adequada;
- Entregar o trabalho em formato digital (PDF) e posteriormente entregar o trabalho escrito corrigido no mesmo formato (PDF), considerando ajustes, correções e sugestões da banca examinadora;
- Convidar os professores avaliadores para a composição das bancas de TCC I e TCC II.
 
Do Trabalho de Conclusão de Curso I
No TCC I, o estudante deverá elaborar um projeto prévio do que será desenvolvido no TCC II, considerando especialmente a estruturação de um projeto de pesquisa, contendo introdução (problematização e definição do problema, objetivos, justificativas), levantamento de dados (referencial teórico e pesquisas de campo), procedimentos metodológicos, cronograma e considerações acerca do que será desenvolvido no TCC II, assim como possíveis conclusões preliminares.
Ao término do TCC I, o estudante apresenta o projeto perante uma banca examinadora, formada por três professores do curso e/ou convidados, sendo um deles o professor orientador. É essa banca que confere o grau final dessa etapa e qualifica o estudante para a realização do TCC II.
O projeto apresentado ao final desse componente curricular em data definida pela coordenação do curso deverá estar formatado conforme as normas acadêmicas estabelecidas pela Instituição.
 
Do Trabalho de Conclusão de Curso II
No TCC II, o estudante deverá desenvolver um efetivo projeto de design documentado em formato de monografia, a partir do TCC I e coerente com o tema escolhido pelo estudante. É requisito para aprovação no componente curricular TCC II a defesa oral da monografia diante de uma banca, com função avaliadora, formada por três professores do curso e/ou convidados, sendo um deles o professor orientador.
O trabalho apresentado ao final desse componente curricular em data definida pela coordenação do curso deverá estar formatado conforme as normas acadêmicas estabelecidas pela Instituição.
Como objetivo final do trabalho de conclusão está o entendimento da relação entre teoria e prática, por meio da aplicação dos conhecimentos aprendidos em um projeto de pesquisa, que poderá gerar um projeto aplicado, modelo ou protótipo, conforme o tema escolhido pelo estudante.
A versão final do TCC, contendo as correções e ajustes apontados pela banca e pelo orientador, deve ser postada no ambiente virtual (Univates Virtual), conforme orientação da Resolução 055/Reitoria/Univates, de 05/08/2015. Ao encaminhar a versão final dos seus trabalhos, também é exigido aos estudantes o preenchimento do Termo de Licença da Biblioteca Digital da Univates (BDU), repositório institucional acessível pela internet (Biblioteca) para disponibilização dos TCCs. 
Não é necessária a impressão da versão final do trabalho, exceto em casos especiais nos quais o próprio projeto de design demanda visualização em formato impresso (por exemplo, projetos gráficos, manuais, projetos editoriais ou assemelhados). 
 
Dos critérios para avaliação
A avaliação desse componente curricular consiste na atribuição de uma nota final de 0 a 10, resultante das avaliações individuais da banca avaliadora, incluindo a avaliação do professor orientador.
Os critérios de avaliação do estudante de TCC I no que tange às competências da banca avaliadora são:
Introdução: apresentação do tema; problema de pesquisa; objetivos geral e específicos; justificativa da pesquisa;
Método: coerência da metodologia apresentada com os objetivos do estudo; descrição dos meios e instrumentos para coleta de informações; caracterização da amostra; apresentação da forma de tratamento dos dados/informações;
Referencial Teórico: consistência e pertinência teórica em relação aos objetivos propostos pela pesquisa;
Estrutura e Apresentação: apresentação correta dos elementos pré-textuais e pós-textuais; observação das normas técnicas conforme Manual da Univates para Trabalhos Acadêmicos; gráficos, imagens e tabelas adequados ao tema de estudo;
Linguagem: correção e fluência textual;
Relevância: relevância dos objetivos em relação ao tema proposto; aplicabilidade da pesquisa; aspectos inovadores do estudo;
Apresentação: correção e fluência na apresentação; conhecimento e domínio do tema; respostas e argumentações coerentes aos questionamentos da banca;
Recursos Audiovisuais: utilização coerente de imagens e recursos gráficos/visuais; coerência do projeto gráfico das lâminas com o tema do trabalho; harmonia, organização e legibilidade.  
Ao professor orientador do componente curricular TCC I, além dos critérios estabelecidos acima, cabe ainda avaliar:
Envolvimento: comparecimento às orientações individuais; entrega de versões prévias do trabalho para acompanhamento e correções do orientador; interesse e comprometimento em todas as etapas do processo;
Autonomia: condições do estudante de desenvolver o trabalho de forma independente, possibilitando ao orientador conduzir o trabalho por meio de sugestões e indicações de aperfeiçoamentos.
Os critérios de avaliação do estudante de TCC II no que tange às competências da banca avaliadora e do professor orientador são os mesmos critérios citados para a avaliação do TCC I, com o acréscimo dos seguintes pontos, relacionados ao efetivo desenvolvimento do trabalho:
Desenvolvimento do Projeto: adequação às propostas metodológicas; articulação com o referencial teórico; utilização das informações obtidas a partir dos instrumentos mencionados na metodologia; apresentação de documentação com detalhamento das estratégias metodológicas, desenhos técnicos ou afins; qualidade do projeto apresentado;
Conclusões: apresentação de síntese dos resultados do trabalho; sugestão de aspectos a serem aprofundados ou novos estudos; resposta ao problema de pesquisa proposto.
O estudante que não cumprir os prazos estabelecidos pela coordenação do curso, bem como aqueles estabelecidos pelo seu orientador, não apresentando evolução no desenvolvimento do trabalho, não comparecendo às datas de orientação ou não entregando o trabalho no prazo final estabelecido, será considerado desistente. Casos omissos ou situações especiais deverão ser analisados pela coordenação do curso em conjunto com o NDE do curso.

Considerações
Em caso de estudante com aproveitamento excepcional no desenvolvimento do projeto de pesquisa (TCC I), caberá ao orientador indicar a possibilidade de ele desenvolver o TCC II em outros formatos, sob avaliação do NDE do curso.

Serviço de Apoio à Aprendizagem

O atendimento psicopedagógico é um serviço de apoio aos estudantes com necessidades especiais e/ou dificuldades de aprendizagem, realizado por um profissional vinculado ao Núcleo de Apoio Pedagógico. O atendimento pode ser solicitado pelo professor, pelo coordenador de curso ou pelo próprio estudante, tendo como objetivo auxiliar o aluno no seu processo de aprendizagem.

Coordenação do curso

Contato

Rodrigo De Azambuja Brod
design@univates.br
(51) 3714-7000 - Ramal 5086

Localização

Sala 211 - Prédio 2

Agende seu horário previamente. Caso você não consiga contato com a coordenação de curso, contate o seu centro.