Utilizamos cookies neste site. Alguns são utilizados para melhorar sua experiência, outros para propósitos estatísticos, ou, ainda, para avaliar a eficácia promocional do nosso site e para oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações sobre os cookies utilizados, consulte nossa Política de Privacidade.

PPGAD

Detalhes do Projeto de Pesquisa

Comunicação, Educação Ambiental e Intervenções (Ceami): cartografias sensoriais e imagéticas em comunicação ambiental

Coordenação: Jane Márcia Mazzarino

Pesquisadores:

Jane Márcia Mazzarino

Luciana Turatti

Órgãos Financiadores:
Fundação Vale do Taquari de Educação e Desenvolvimento - FUVATES
 
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq

Resumo:
A pesquisa problematiza como possibilidades experienciais e metodológicas em comunicação ambiental podem aportar para o campo da comunicação, quando transformadas em reflexão epistemológica. O que pode a comunicação ambiental sensível provocada por experiências fenomenológicas e sensoriais inspiradas na ecosofia?  O que é possível transformar por meio de uma pesquisa mobilizada pela possibilidade de criar a partir do campo científico? Esta proposta insere-se em uma área emergente da comunicação, a comunicação ambiental, compreendida em um amplo espectro ou ecosoficamente: como relação consigo e com o outro, seja este quem for que estejamos em relação, incluindo o ambiente.  Assim, realizam-se acoplamentos entre as naturezas interna e externa. Portanto, a pesquisa distancia-se das perspectivas de comunicação ambiental que quantificam, mapeiam, perseguem padrões, enquadram e, não raro, asfixiam sensibilidades e são geralmente centradas nas mídias pela própria mídia. Para além desta perspectiva, que já percorremos, busca-se por uma comunicação ambiental comprometida com a perspectiva ecosófica de Felix Guattari, a qual ocupa-se em fazer emergir novos territórios existenciais a partir da interconexão entre subjetividade, relações sociais e meio ambiente. Também nos aproximamos da ecosofia conforme à perspectiva de Arne Naess, autor que assume uma vertente da ecologia profunda e deixa aberta a possibilidade de cada um construir sua própria ecosofia. Por meio de estratégias metodológicas transversais e do aprofundamento teórico interdisciplinar, busca-se contribuir para a área emergente da comunicação ambiental, a partir de uma perspectiva inovadora. O objetivo geral é  investigar as possibilidades de aporte das derivas investigativas baseadas em cartografias de experiências sensoriais e imagéticas para a reflexão epistemológica no campo da comunicação ambiental. Como objetivos específicos temos: a) cartografar movimentos que constituem a experiência estética de habitar o território socioambiental por meio de derivas provocadas pela pesquisa-intervenção; b) identificar, na experiência de interação comunicacional dos sujeitos com o território socioambiental que habitam, os elementos que o tocam e seus disparadores; c) mapear os elementos e acontecimentos selecionados para compor a narrativa da experiência pelos sujeitos na produção de sua autobiografia socioambiental; d) investigar a potência das técnicas e métodos que exploram a sensibilização dos sentidos para provocarem uma experiência estética ambiental; e) avaliar como os pesquisadores, com suas estratégias, afetam a experiência de habitação do território pelos participantes do processo de produção de autobiografias socioambientais. Como a escolha é por contribuir teórica e metodologicamente para a comunicação ambiental, a partir da articulação entre diferentes materiais, técnicas e processos das áreas da comunicação, das artes e da educação ambiental, nos propomos a realizar exercícios empíricos de experimentação metodológica que exploram o contato direto com a natureza, a apropriação das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs), dinâmicas colaborativas contemporâneas e exercícios expressivos por meio das possibilidades artísticas.  Esta diversidade de técnicas de intervenção estão demonstrando sua potencialidade de articulação mútua como disparadores de processos de comunicação ambiental ecosófica, que podem ocorrer por meio de interação on line ou presencial, em casas, parques, hortas, espaços rurais e urbanos, florestas, escolas entre outros.
 
Sub projetos
Coordenação: Jane Márcia Mazzarino
Pesquisador(a):

Jane Márcia Mazzarino


Fontes Financiadoras:
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq
 

Resumo:
Territórios são constituídos de tramas gráficas: grafias de todos os tipos de vida que pulsam por ali. Grafias tramadas pelas energias que permeiam os corpos. Corpo-terra, corpo-pedra, corpo- nuvem, corpo-fauna, corpo-flora, corpo-humano, corpo-água. Tantos outros corpos-vida interdependentes formam ecossistemas biológicos, sociais, culturais, existenciais e outros mais. Nem sempre atento, o ser humano - para alguns já pós-humano - parece às vezes afastado do exercício de observar estas interações. Como podem-se provocar observações atentas e abertas aos atravessamentos destas conectividades? Como o sujeito percebe-se em meio so mundo? Como sente as linhas de afetos que o perpassam? Como vive a interação com outros humanos e com o todo que existe no território que habita? Por quais experiências o sujeito é tocado no território que habita? Que observações se podem fazer emergir da provocação de uma experiência de interação multidimensional e multisensorial do mundo, em que todos os sentidos são convocados à presença no instante do aqui agora com o mundo? Qual a potência dos sentidos para provocar experiências estéticas ambientais? Que emoções emergem da provocação para a sensibilização dos sentidos na experiência de interação com o mundo e tudo que advém dele? Que memórias são despertadas, criadas ou recriadas por meio destas experiências? O que estas experiências individuais têm a dizer sobre o modo do ser humano habitar o mundo? Como se cruzam as experiências de diferentes sujeitos que habitam o mesmo território? Quais elementos caracterizam esta interação que se constitui em um processo de comunicação ambiental ecosófica, já que afeta sua subjetividade, suas relações sociais e com ambiente? Se os sujeitos são convidados a registrar sua experiência, que elementos sensoriais são eleitos destas imersões no mundo para constituir documentos autobiográficos? Quais estratégias narrativas são escolhidas, o que as compõem, que linhas as atravessam, que forças e desvios se desenham? Quais escritas de si surgem destas provocações sensoriais? Diferentes possibilidades decorrem da diversidade de modos de habitar um território. Quais fluxos emergem de um convite para alguém habitar um território colocando-se à deriva, em flanerie? Que acontecimentos seriam passíveis de registros? Como fazer um mapa da experiência por meio de registros expressivos livres, com uso de escritos, de máquinas que produzem imagens, de técnicas inspiradas no campo da arte e da educação ambiental sensível? Como criar situações por meio de instruções para experiências ecosóficas que não sejam intrusões, imposições? O que os sentidos do sujeito destas experiências sensibilizam para este habitar o mundo? O que estas experiências podem fazer-nos refletir sobre a vida neste tempo-espaço inserido na contemporaneidade? Em síntese, problematiza-se como estas possibilidades experienciais e metodológicas em comunicação ambiental podem aportar para o campo da comunicação, quando transformadas em reflexão epistemológica? O que pode a comunicação ambiental sensível provocada por experiências fenomenológicas e sensoriais inspiradas na ecosofia? O que é possível transformar por meio de uma pesquisa mobilizada pela possibilidade de criar a partir do campo científico? Esta proposta insere-se em uma área emergente da comunicação, a comunicação ambiental, compreendida em um amplo espectro ou ecosoficamente: como relação consigo e com o outro, seja este quem for que estejamos em relação, incluindo o ambiente (Guattari, 1991). O objetivo geral é investigar as possibilidades de aporte das derivas investigativas baseadas em cartografias de experiências sensoriais e imagéticas para a reflexão epistemológica no campo da comunicação ambiental. Como a escolha é por contribuir teórica e metodologicamente para a comunicação ambiental, a partir da articulação entre diferentes materiais, técnicas e processos das áreas da comunicação, das artes e da educação ambiental, nos propomos a realizar exercícios empíricos de experimentação metodológica que exploram o contato direto com a natureza, a apropriação das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs), dinâmicas colaborativas contemporâneas e exercícios expressivos por meio das possibilidades artísticas. Esta diversidade de técnicas de intervenção estão sendo propostas pela sua potencialidade de articulação mútua, o que foi percebido pela proponente ao longo de um processo contínuo de formação, em que experienciou cada elemento, sendo que alguns deles já vem sendo incluídos como disparadores de processos de comunicação ambiental, já analisados em produções científicas dos pesquisadores envolvidos no grupo de pesquisa.
Inscreva-se
Nos envie sua dúvida.
*Erro: Todos os dados devem ser preenchidos
Sua mensagem foi enviada com sucesso!