Nunca é tarde para inovar

Postado em 08/10/2016 10h11min e atualizado em 26/02/2018 14h09min

Por Artur Dullius, Camille Lenz, Elise Bozzetto e Thaís Presser

Não parar no tempo e sempre evoluir é o lema do consultor de empresas Milton Dexheimer, de 73 anos. “A idade não importa quando se tem mente aberta e se quer repassar informação”, afirma. Milton participa dos três dias do CRIExp, com atenção especial para atividades de futurismo, inovação e empreendedorismo. Ele declara que é fundamental não estagnar, sendo necessário aprender constantemente.
 
Para o consultor, este é um evento único, que atraiu sua atenção pelas atrações diversas e pelos grandes nomes que ministram as atividades. “Acredito que nossa época é marcada pela mudança rápida e contínua e é isso que me move”, relata. Milton destaca que para ele é essencial repassar o conhecimento que absorverá no CRIExp, disseminando ideias para sua família e amigos, além de aplicar em sua área de atuação. “A Univates merece nota 10. Atendimento e qualidade de serviços foram oferecidos com excelência”, salienta.
 
Exemplo de determinação
 
Com 68 anos, seu Airton Brust contagia com sua fome pelo novo. Depois de empreender por mais de 30 anos agora é a vez de auxiliar o filho. “Meu filho tem um laboratório de análises animal, vegetal e humana. A empresa ainda está no início, em processo de incubação no Tecnovates”, explica.
 
Engenheiro eletricista aposentado, Brust não descarta a possibilidade de voltar a atuar no mundo empreendedor. “É um bombardeio de dicas e informações que estou recebendo. Depois é preciso fazer uma análise de tudo e ver o que pode ser levado adiante, mas, agora, quero me preocupar apenas em ajudar meu filho”, conclui.
 
“Não aposentei minha curiosidade”
 
Professora aposentada pela Univates, Ivete Kist continua na ativa. Aos 64 anos, continua interessada pelos desafios impostos pela tecnologia. Depois de ter atuado como Pró-Reitora de Desenvolvimento Institucional da Univates, agora possui uma empresa que atua na área de construção civil. “Começar do zero foi super gratificante para mim, pois vi que podia buscar novos desafios”, cita. 
 
A palestra do dinamarquês Henrik Scheel foi a que mais chamou a atenção de Ivete. “Seu envolvimento com a tecnologia me fez ver nele uma fonte de inspiração”, conta. 
 
As palestras em inglês foram uma das motivações para participar do CRIExp. “Dominar o idioma e não precisar utilizar os métodos de tradução foi é sempre uma experiência enriquecedora”, finaliza.
 
 
Texto: Artur Dullius, Camille Lenz, Elise Bozzetto e Thaís Presser
Milton Dexheimer

Taís Presser

Ivete Kist

Tuane Eggers

Airton Brust

Artur Dullius