Estudos e trabalho: como se organizar?

Postado as 2018-10-17 14:15:15

Por Nicole Morás/Ana Amélia Ritt

Divulgação

Conciliar a faculdade com o trabalho pode parecer um grande desafio. Mas você sabia que é isso que a maioria dos estudantes de graduação faz? De acordo com o Censo da Educação Superior de 2016, publicado pelo Ministério da Educação, cerca de 70% dos graduandos de instituições comunitárias ou privadas estão matriculados em cursos noturnos. Grande parte deste percentual se deve à oportunidade de trabalhar ou realizar estágio durante o dia. Além de contribuir para a renda da família e ser uma forma de pagar a mensalidade, o trabalho ou estágio pode ser a chance de colocar em prática o conhecimento adquirido em sala de aula.

Quer saber como se organizar para estudar mesmo estando no mercado de trabalho? Confira algumas dicas, conheça a rotina de alguns estudantes da Univates e inspire-se.

Wesley Roberto Hoffmann, de Venâncio Aires

Morador do interior de Venâncio Aires, Wesley Roberto Hoffmann tem um dia a dia recheado de atividades. Estudante do curso de História da Univates, Hoffmann também trabalha 30 horas semanais no Centro de Atendimento ao Turista (CAT) na Prefeitura de Venâncio Aires. “Auxilio no atendimento a turistas, visitantes ou comunidade com informações sobre o município, seus atrativos e localização, além de ajudar na organização de acervos e arquivos históricos”, explica.

Hoffmann conta que para ele o dia começa às 5h45min, quando acorda para pegar o ônibus para o centro da cidade às 6h20min. 

Como moro no interior, não há muitos horários, então preciso pegar o primeiro ônibus, aí aproveito para na parte da manhã ler textos e fazer trabalhos de disciplinas. Das 12h às 18h trabalho no CAT. Estou matriculado em cinco disciplinas, sendo uma delas estágio, realizado no sábado de manhã em uma escola estadual, onde ministro aulas. Na noite que tenho livre durante a semana estou fazendo um curso de confeitaria. Além disso, faço dois cursos a distância. Normalmente vou dormir às 23h30min ou à meia-noite
Wesley Roberto Hoffmann

O estudante afirma que buscou o Núcleo de Apoio Pedagógico (NAP) pois precisava de auxílio para organizar seus horários. “Duas dicas contribuíram para melhorar a minha concentração das atividades: no horário em que você está lendo um texto ou fazendo um trabalho de aula, escolha um lugar calmo, sem muitas pessoas”, destaca. “Dedique-se à realização do trabalho e se desligue das redes sociais. Se precisar, tire o celular de perto, porque às vezes dou uma olhada nas redes sociais e quando vejo já passou uma hora e não estudei nada”, completa.

Além da organização, o NAP tem ajudado Hoffmann a vencer a timidez. “Sou muito tímido, então não participo muito das aulas e isso me prejudica. A psicopedagoga Aline está me ajudando a participar mais, a debater assuntos e tirar minhas dúvidas”, comenta.

Lucas Ribas do Amaral, de Encantado

Estudante de Direito e funcionário da Univates, Lucas lida com uma rotina agitada, formada por 44 horas de trabalho, cinco disciplinas e aulas do Projeto i. “Acordo às 6h20min, saio de Encantado por volta das 7h10min, chego em Lajeado pouco antes das 8h e já inicio meu trabalho. Como sou contratado com 44 horas semanais, meu horário de trabalho é das 8h às 12h e das 13h às 18h, de segunda a quinta-feira. Na sexta-feira, encerro meu expediente uma hora mais cedo. Nessa rotina, também incluo o Projeto i nas segundas e quartas-feiras entre o trabalho e a aula. Para finalizar, ainda estou matriculado em cinco disciplinas. Uso meu horário de almoço, o intervalo entre o trabalho e a aula e, principalmente, os fins de semana para estudar. Ainda assim, também uso esses momentos que tenho para estudo para descansar, assistir a alguma série, me reunir com colegas para conversar ou simplesmente ouvir música”, conta.

Como dica de organização, Lucas lembra do clássico “não deixar tudo para a última hora” e ressalta que estudar um pouco por dia ajuda para que o conteúdo não fique acumulado.

Bibiana Munhoz Roos, de Lajeado

Bibi, como é chamada pelos amigos, é estudante de Psicologia. Hoje ela se dedica aos estágios obrigatórios do curso e aos estudos, mas nos primeiros semestres da graduação foi bolsista de iniciação científica, então veja como era a sua rotina:

“Normalmente eu acordava às 7h15min, tomava café com calma e ia para a aula, que começava às 8h20min. Fazia academia depois da aula da manhã e almoçava em casa. Como bolsista de iniciação científica, minha carga horária era de 30 horas, então às 14h já estava na Instituição. Quando eu tinha aula ou inglês ficava direto na Univates até as 22h15min. Caso contrário, chegava em casa às 19h. Geralmente estudava à noite ou aos finais de semana, mas quando era preciso acordava às 6h15min para ler os textos da aula da manhã. O bom é que moro perto da Univates, aí sempre  tive um tempinho para passar em casa. Ah, ainda conseguia fazer aulas de violão”.

Planejamento é a regra!

A psicopedagoga do Núcleo de Apoio Pedagógico da Univates, Aline Pin Valdameri, explica que o segredo para trabalhar, estudar e ainda aproveitar o tempo livre é planejamento! Na Univates os estudantes recebem auxílio para se organizarem por meio de atendimentos psicopedagógicos gratuitos, que podem ser semanais, quinzenais ou conforme a necessidade do aluno. Confira algumas sugestões da Aline para se organizar:

- Faça um cronograma semanal de atividades. Destaque aquelas que são fixas e os seus horários livres, assim como o do modelo a abaixo;

- Liste todas as atividades que você precisa fazer;

- Organize por ordem de prioridade: faça primeiro as atividades que são urgentes, depois as mais importantes e por último aquelas que você pode executar em um prazo maior;

- Distribua suas tarefas nos dias e horários livres;

- Reserve alguns horários para relaxar, assistir ao seu seriado favorito ou ler um livro. Afinal, sua mente também precisa oxigenar para conseguir encarar uma agenda cheia;

- Estabeleça um horário para dormir e acordar e cumpra-os rigorosamente. Seu corpo e sua mente precisam descansar.

 

Outra dica valiosa é aproveitar bem seus momentos de estudo. Para isso, aprenda a estudar. Isso mesmo! Descubra técnicas de estudo que lhe permitam aprender com mais facilidade, como elaborar mapas mentais para organizar a informação, se você for visual. Elabore um plano de estudos, com as suas provas, trabalhos e outras atividades que precisam ser realizadas, e tente fazer tudo com antecedência. “Estudar na véspera de uma prova não é estudar, é revisar”, afirma Aline.

Quer saber mais? O livro “Você sabe estudar?”, de Cláudio de Moura Castro, está disponível em nossa Biblioteca. #ficadica

Conheça algumas opções de atividades remuneradas

Falando em aividade remunerada, conheça algumas modalidades:

Trabalho formal - é aquela vaga de emprego com carteira assinada, que lhe garante renda mensal e outros direitos previstos na legislação trabalhista, como férias, 13º salário e depósitos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), e recolhimentos de contribuições sociais que lhe asseguram benefícios previdenciários em caso de incapacidade ou acrescentam tempo de serviço em sua futura aposentadoria.

Trabalho informal - é a atividade remunerada, mas sem contrato formal. Pode ser um trabalho que você presta para outra pessoa ou uma iniciativa sua para produzir algo que gere renda. Por exemplo, você pode trabalhar com a revenda de produtos de beleza, com serviços de manutenção de residências ou desenvolver algum produto artesanal.

Estágio remunerado - é uma oportunidade de realizar atividade remunerada na sua área de formação. Geralmente é o primeiro passo para entrar no mercado de trabalho ou para mudar sua área de atuação para alguma mais relacionada à sua área de estudos. Os estágios remunerados são regulados por legislação própria que limita as atividades diárias a seis horas e garante recesso remunerado, por exemplo. Saiba mais aqui

Bolsa de iniciação científica - é uma opção de atividade para quem gosta de pesquisa e da área acadêmica. Para conhecer essas vagas, fique de olho no item “Estágio ou Bolsa” disponível aqui.

Bolsa de extensão - segue a mesma ideia da bolsa de iniciação científica, porém é voltada para as atividades dos projetos de extensão, não para a pesquisa. Os projetos de extensão são aqueles em que a Universidade interage com a comunidade e que têm caráter educativo, social, cultural, científico ou tecnológico, ou seja, são atividades que promovem a responsabilidade social, o exercício cidadão e envolvem estudantes, professores e comunidade.

Serviço voluntário - é uma oportunidade de aproveitar seu tempo livre para realizar atividades na sua área de estudos. Assim, você adquire experiência e coloca em prática o que vê em sala de aula. Não é uma atividade remunerada, mas pode ser uma chance de melhorar seu currículo e, futuramente, ingressar no mercado de trabalho.