Univates encerra capacitação com profissionais sobre Saúde da Gestante e do Neonato

Postado as 12/12/2018 15:29:06

Por Nicole Morás

Teve início nesta quarta-feira, 12, o Seminário do Curso de Qualificação da Atenção à Saúde da Gestante e do Neonato, que reúne os participantes do curso realizado desde julho pela Universidade do Vale do Taquari - Univates por meio de contrato de prestação de serviços com o Governo do Estado do Rio Grande do Sul, com apoio da 16ª Coordenadoria de Saúde.

Durante a manhã, as questões que envolvem o aleitamento materno foram abordadas por Cristina Bertoni Machado, consultora em amamentação, bióloga e doutora em Ciências. De acordo com Cristina, apenas 38% dos bebês do Rio Grande do Sul chegam aos seis meses de idade exclusivamente com aleitamento materno. “A média nacional é de 54% das crianças com aleitamento materno exclusivo até os seis meses de idade”, informou ela, analisando questões socioeconômicas e culturais para a ocorrência desses índices.

A consultora em amamentação destacou ainda os benefícios do aleitamento materno para a saúde da mãe e dos bebês. “Crianças amamentadas vão menos ao médico, o que faz com que os pais faltem menos ao trabalho”, explicou ela, destacando a importância da rede de atenção à saúde para a promoção do aleitamento materno.

 

De acordo com a professora Cássia Regina Gotler Medeiros, além da palestra, o seminário também será o momento em que os participantes irão apresentar os projetos de intervenção que planejam executar nas cidades do Vale do Taquari para atenção às gestantes e pré-natal.

Uma das cidades a participar do curso e apresentar seu projeto foi Sério, por meio da sua Equipe de Saúde da Família (ESF). A proposta de intervenção resultante da participação no curso é a inclusão dos pais no pré-natal.

Conforme a enfermeira coordenadora da educação básica no município, Luciana Corbellini, as atividades são realizadas desde outubro, e a ideia é fortalecer os vínculos entre o casal e estimular a autonomia dele com o cuidado com a criança.

“Quando uma mulher engravida, o pai também está ‘grávido’. Muitas vezes as pessoas de referência desse casal são as famílias e suas crenças. Com as atividades de pré-natal, procuramos esclarecer informações e estimular questões como o aleitamento materno exclusivo até os seis meses de idade”, explicou Luciana, acrescentando que o projeto já tem índice de adesão de 50%, o que é considerado bastante positivo.

Saiba mais

O curso de Qualificação da Atenção à Saúde da Gestante e do Neonato foi voltado para enfermeiros, médicos, cirurgiões-dentistas e técnicos de enfermagem da região dos Vales e Montanhas e Vale da Luz. Buscou abordar a análise das práticas de atenção ao pré-natal de risco habitual e puerpério no território e o planejamento de ações de qualificação, além de subsidiar a implementação de práticas humanizadas no atendimento à gestante, puérpera, neonato e sua família e estimular a utilização dos protocolos do Ministério da Saúde para atenção ao pré-natal de risco habitual, puerpério e cuidado ao neonato, adaptando-os à realidade municipal, caso necessário.