Azul e preto ou branco e dourado?

Postado as 07/01/2019 09:53:35

Por Nicole Morás

Um tempo atrás circulou pela internet a foto de um vestido, que parecia ter duas cores. Alguns juravam ver azul e preto e outros afirmavam ser branco e dourado. O fato é que a partir disso muitas outras perguntas surgiram. Aliás, quando uma cor deixa de ser uma para ser outra? Existe uma regra para isso?

 

Professor do curso de Comunicação Social da Univates, Flávio Meurer explica que existe um processo fisiológico e neurológico para a percepção das cores, mas não é apenas isso que determina que se enxerguem determinadas cores e que se façam determinadas distinções entre elas.

Para falar que existe uma cor é necessário diferenciá-la de uma outra, senão elas passam a ser a mesma cor. Se você tiver diversos tons de azul, vai chamar tudo aquilo de azul, e não de cores diferentes. O que define que uma cor deixe de ser um tom de azul para virar outra cor
Flávio Meurer

Mas os fatores que indicam as diferentes percepções das cores não param por aí. Eles também podem estar ligados a questões culturais, emocionais, sociais, biológicas ou técnicas. É o que explica a professora do curso de Design da Univates Raquel Barcelos de Souza. “O branco, por exemplo, no ocidente é conhecido como a cor da paz. Noivas tradicionalmente vestem branco em seus casamentos. E o preto está associado ao luto, pois está relacionado ao sofrimento. Mas, na China, Coreia e em alguns outros países da Ásia, o branco representa a morte, luto, e é tradicionalmente usado em funerais”, garante.

Meurer vai além e usa os fatores culturais para mostrar a capacidade da diferenciação de cores. Segundo ele, os esquimós dão nomes diferentes para o que nós chamamos de branco, pois vivem em uma sociedade em que diferenciar um gelo que é mais fino e frágil de um que é mais consistente é extremamente importante. “Eles vão dizer: não pise no gelo rosa, mas pode pisar no gelo azul. Claro que não são esses os nomes que eles dão para as cores, mas eles vão dizer que são duas cores diferentes, que nós vamos ver como duas cores iguais. O mesmo serve também para povos que vivem na floresta e diferenciam tons de verde muito além do que nós diferenciamos, pois, para eles, pode ser a diferença de comer uma planta venenosa e uma que seja comestível”, comenta o professor.

No caso utilizado no início do texto, ele lembra que a idade foi apresentada como um dos fatores para percepções tão distintas. Isso porque, assim como ela é determinante na forma como as pessoas ouvem os sons, também influencia na identificação das cores. Pessoas mais novas, por exemplo, têm tendência maior de enxergar o azul ao preto.

Divulgação

Quantidade de cores

Alguns estudos apontam que o olho do ser humano é capaz de captar 7 milhões de cores diferentes. Mas, para que seja possível determinarmos as cores, ou para que possamos ver as cores, necessitamos de luz. Essa luz é composta de radiações de diversos comprimentos de onda e cada comprimento de onda corresponde a uma cor. “Uma cor deixa “de ser uma para ser outra” quando muda a frequência da onda eletromagnética. O olho humano percebe as cores que variam entre 400 nanômetros e 700 nanômetros e cada uma corresponde a um diferente comprimento de onda visível ao nosso olho”, complementa Raquel.

Mais do que isso, ela explica ainda que a cor não tem só a ver com os olhos e com a retina, mas também com informações já presentes no cérebro. Por exemplo, se usarmos durante algum tempo óculos com lentes que são verdes de um lado e vermelhas do outro, quando tiramos os óculos, vemos durante algum tempo tudo esverdeado quando olhamos para um lado e tudo avermelhado quando olhamos para o outro. “Isso acontece pois o cérebro aprendeu a corrigir a cor com que “pinta” os objetos para eles terem a cor que se lembra que eles têm; e demora algum tempo a perceber que deve deixar de fazer essa correção”, explica.

Por mais que a percepção da cor seja extremamente importante para a compreensão de um ambiente, não é possível, no entanto, saber exatamente o que está sendo percebido por indivíduo. “Eu digo que isso é laranja e você concorda comigo, mas talvez você esteja vendo uma coisa bem diferente. Eu não sei o que você está vendo. Só sei que a gente chega a um acordo que isso é laranja”, conclui Meurer.

Divulgação

Para você a parte inferior da figura ao lado também parece mais clara? Então tape com um dedo a linha que divide as duas partes.

Curiosidades

- Verde e azul são as cores ideais para acalmar pessoas que estão tendo crises claustrofóbicas. Isso porque o azul e o verde remetem à natureza, como árvores e céu;

- Juntando todas as luzes do universo e colocando-as em uma só caixa, os astrônomos chegaram à conclusão de que a cor do universo é provavelmente bege. Os cientistas envolvidos na pesquisa decidiram que o nome dessa cor seria "latte cósmico";

- As cores quentes dão a sensação de proximidade enquanto as cores escuras dão a sensação de distanciamento. Isso também acontece com as cores claras e cores escuras;

 

Cores preferidas

Divulgação

- Segundo estudos, a cor azul é a cor mais popular do mundo. 40% das pessoas de todo o mundo amam a cor azul. Afinal de contas, nosso planeta é azul! E Facebook, Twitter e Instagram também o são;

- Já a cor menos preferida entre ambos os sexos é o marrom. Ela muitas vezes é associada à sujeira;

- Se quiser seguir com a dieta, use um prato azul porque ajuda a reduzir o apetite. E fuja das cores amarelo e laranja que dão fome.

Essa matéria faz parte da Revista Univates, nº8. Confira a versão digital aqui.