Eduardo Kobra transforma educação em arte ao ilustrar o primeiro prédio da Univates

Postado as 20/01/2020 14:07:59

Por Elise Bozzetto

Para comemorar os 50 anos de educação superior no Vale do Taquari, a Universidade do Vale do Taquari - Univates transforma-se em obra de arte e ponto turístico na região. O primeiro prédio da universidade no campus Lajeado recebe a obra do artista Eduardo Kobra, um dos mais reconhecidos muralistas da atualidade, com obras em cinco continentes. A fachada do Prédio 1 da Universidade exibe a ilustração de três importantes personalidades para a educação: Clarice Lispector, Darcy Ribeiro e Paulo Freire. A escolha pelo muralista se deu pela trajetória e significado de sua arte.

Hoje temos um campus moderno, com prédios premiados pela sua arquitetura, além de um espaço repleto de natureza. Quando decidimos revitalizar o Prédio 1, o primeiro prédio de nossa Universidade, pensamos em um artista que pudesse trazer elementos da arte contemporânea e que tivesse relação com obras que buscam o resgate histórico. O Kobra tem retratado em sua arte elementos que fortalecem o pertencimento das comunidades, e isso é importante para nós
Reitor Ney José Lazzari

Nicole Morás

Kobra esteve reunido com a Reitoria da Universidade na manhã desta segunda-feira, 20, quando conversaram sobre projetos e as obras mais recentes do artista, que deve ficar na região até o final da semana.

Contribuições imprescindíveis para a educação

As personalidades escolhidas traduzem a importância da educação. “Foi uma escolha difícil, mas acreditamos que os nomes escolhidos contribuíram de maneira ímpar para a educação e para o reconhecimento da cultura e da arte brasileira. São figuras historicamente inesquecíveis e que retratam a importância da educação para nossa sociedade”, analisa Lazzari.

Clarice Lispector

Clarice Lispector nasceu na Ucrânia em 1920. Naturalizada brasileira, não se considerava estrangeira, declarava-se brasileira e pernambucana. Foi jornalista e escritora, sendo considerada uma das escritoras brasileiras mais importantes do século XX e a maior escritora judia desde Franz Kafka. Rompeu os modelos narrativos tradicionais trazendo uma linguagem inovadora e poética, na qual as sensações dos personagens ganhavam espaço em uma literatura intimista que trazia o inconsciente ao longo dos textos. Fez parte da literatura modernista e é considerada uma das principais influentes na nova geração de escritores brasileiros.

Faleceu em 1977, um dia antes de completar 57 anos. Deixou como legado inúmeras obras, recebendo mais de 200 traduções para mais de 10 idiomas, do tcheco ao japonês, sendo mais de 180 traduções integrais de livros e 25 de contos publicados em periódicos. Seus livros mais traduzidos são principalmente romances: “A Hora da Estrela”, com 22 traduções; “A Paixão segundo G. H.”, também com 22; “Perto do Coração Selvagem”, com 18; “Laços de Família”, com 16; e “Uma aprendizagem ou O livro dos prazeres”, com 15.

Para a pró-reitora de Ensino da Univates, Fernanda Pinheiro, Clarice continua influenciando autores com sua vasta e rica obra. "Se pensarmos que o primeiro curso superior do Vale do Taquari foi Letras, é merecido que uma das personalidades retratadas na obra no primeiro prédio da Univates tenha relação direta com a literatura. E a escrita de Clarice Lispector rompe com o linear, registra uma outra temporalidade e evoca a figura feminina e aspectos cotidianos da experiência da vida na centralidade da narrativa. É simples e, ao mesmo tempo, extremamente sofisticada. Além disso, trata-se de alguém que migrou, que deixou seu país de nascimento e, a partir de então, se reconhece brasileira, como tantas pessoas que hoje vivem no Vale do Taquari. Então, de certa forma, é também uma maneira de referir a importância das vidas, do trabalho e da trajetória dos migrantes e do legado que deixam por onde passam."

Darcy Ribeiro

Antropólogo, escritor e político brasileiro, dedicou sua trajetória à educação e às questões indígenas. “Como ministro da Educação do Brasil e como senador,  Darcy Ribeiro propôs um novo modelo de Universidade e uma nova forma de organização de toda a área da educação brasileira. Essas propostas, juntamente com outras percepções dele, serviram de referência para a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira promulgada em 1996, e que rege o setor até hoje”, explica Lazzari. Para o reitor da Univates, sua contribuição foi tão importante a ponto de ser reconhecido e admirado mesmo por seus adversários políticos. Darcy Ribeiro foi um dos responsáveis pela criação da Universidade de Brasília, no início da década de 1960, na qual também foi reitor.

Também foi o idealizador da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) e ministro da Educação entre 1962 e 1963. Publicou vários livros, muitos deles sobre os povos indígenas. Suas ideias influenciaram vários estudiosos latino-americanos. Participou de reestruturações de universidade no Chile, Peru, Venezuela, México e Uruguai. 

No Rio de Janeiro, Darcy Ribeiro criou, planejou e dirigiu a implantação dos Centros Integrados de Ensino Público (Cieps) durante seu mandato de vice-governador (1983-1987). Os Cieps foram um projeto pedagógico visionário e revolucionário no Brasil de assistência em tempo integral a crianças, incluindo atividades recreativas e culturais para além do ensino formal. Foi responsável pelo projeto de lei que deu origem à Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira (LDB). Publicou, em 1995, o livro “O Povo Brasileiro”, obra que traz a formação histórica, étnica e cultural do povo brasileiro. Possui obras traduzidas para diversos idiomas (inglês, alemão, espanhol, francês, italiano, hebraico, húngaro e tcheco). É considerado um do mais notórios intelectuais brasileiros. Recebeu diversas homenagens, dando nome a universidades, usinas, edifícios e premiações na área da educação.

Paulo Freire

Divulgação

Paulo Reglus Neves Freire, pernambucano, viveu de 1921 a 1997. Educador, escritor e filósofo, iniciou sua carreira como professor de língua portuguesa na educação básica. Mundialmente reconhecido, Freire recebeu 48 títulos, entre doutorados honoris causa e outras honrarias de universidades e organizações brasileiras e do exterior. É considerado o brasileiro com mais títulos de doutorados honoris causa e é autor da terceira obra mais citada em trabalhos de ciências humanas no mundo.

“Não tem como falar de educação sem falar em Paulo Freire”, pondera Lazzari. “O trabalho com alfabetização de jovens e adultos inspirou gerações. Seu método alfabetizou inúmeros brasileiros e hoje é utilizado por muitos países, inclusive por vários que estão entre os melhores avaliados pelo Pisa/OCDE”, analisa o reitor.

Foi diretor de Educação e Cultura do Serviço Social da Indústria (Sesi), no qual trabalhou com alfabetização de jovens e adultos carentes e de trabalhadores da indústria, além de ter lecionado Filosofia da Educação na então Universidade de Recife. Em 1969 foi convidado para lecionar na Universidade de Harvard e em 1970 trabalhou como consultor e coordenador emérito do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), com sede em Genebra, na Suíça. Antes de seu retorno ao Brasil, em 1980, o educador fez viagens a mais de 30 países pelo CMI, prestando consultoria educacional e implementando projetos de educação voltados para a alfabetização, para a redução da desigualdade social e para a garantia de direitos. Implementou importantes projetos educativos em Guiné-Bissau, Moçambique, Zâmbia e Cabo Verde.

No Brasil, lecionou em universidades e foi nomeado secretário de Educação do município de São Paulo. Em todo o mundo, cerca de 350 escolas e instituições, como bibliotecas e universidades, levam o seu nome como forma de homenagem. É conhecido como Patrono da Educação Brasileira em projeto de de lei sancionado em 2012.

Em 2016, um estudo da London School of Economics colocou a obra “Pedagogia do oprimido”, de Paulo Freire, como o terceiro livro mais citado em trabalhos da área de humanidades no mundo. Até o ano do levantamento, o livro de Freire já havia sido citado 72.359 vezes, estando à frente, no ranking, de pensadores como Michel Foucault e Pierre Bourdieu.

Edital fará escolha do manifesto

A Univates lançou edital voltado à comunidade acadêmica para produção do manifesto da obra. Cada aluno matriculado em curso técnico, graduação ou pós-graduação pode submeter um texto que disserte sobre a relevância das obras de Clarice Lispector, Darcy Ribeiro e Paulo Freire para a educação e a cultura brasileira. 

As inscrições e o envio de trabalhos serão feitos exclusivamente por meio do Sistema de Inscrições, disponível no site, até 15 de fevereiro. O resultado do concurso será publicado no dia 10 de março, na página univates.br/institucional/editais. A proposta vencedora será contemplada com premiação de uma disciplina de 80 horas do seu respectivo curso e o texto será lido na data da reinauguração do Prédio 1, em março de 2020.