Março Azul-Marinho para prevenção do câncer colorretal

Postado as 12/03/2020 11:09:15

Por Nicole Morás

Além de datas comemorativas, o calendário também tem sido utilizado pela área da saúde para realizar ações que visam a promover hábitos saudáveis e atitudes de prevenção a doenças. Neste mês tem-se o Março Azul-Marinho, voltado à conscientização sobre o câncer colorretal, o terceiro tipo da doença mais frequente no mundo.

De acordo com a Coordenadora do Ambulatório de Nutrição da Saúde Univates, Franciele Machado Wermann, a identificação do estágio inicial da doença diminui significativamente os índices de morbidade e mortalidade. Ela afirma, com base em dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), que exames preventivos são importantes para reduzir a mortalidade, e a chance de cura de um paciente com diagnóstico precoce, antes do desenvolvimento do câncer, é de 80%. 

“O carcinoma colorretal pode causar a eliminação de sangue e outros componentes tissulares nas fezes, sendo a triagem de sangue oculto a técnica que permite a detecção precoce do câncer, mesmo antes de aparecerem os sinais clínicos, permitindo a sua triagem em pacientes assintomáticos. Também se trata de uma alternativa não invasiva, de baixo custo, fácil operacionalidade nos laboratórios e boa efetividade na investigação de sangramentos causados por doenças gastrointestinais. A pesquisa de sangue oculto nas fezes é um método antigo e se baseia na ideia de que os pólipos e os carcinomas sangram de forma intermitente. Os sintomas do carcinoma colorretal, na maioria dos pacientes, surgem quando a doença está avançada, demandando maiores custos de tratamento”, afirma.

A Sociedade Brasileira de Coloproctologia, assim como o Inca, o Colégio Brasileiro dos Cirurgiões e outras sociedades médicas recomendam que indivíduos de baixo risco, a partir de 50 anos, realizem, anualmente, a pesquisa de sangue oculto nas fezes. Pessoas com histórico familiar ou outros fatores de risco para pólipos ou câncer, como doença inflamatória do intestino, devem conversar com seu médico para estabelecer o início dos exames de rastreamento mais precocemente ou realizá-los com mais frequência. Presume-se que a pesquisa de sangue oculto, quando realizada anualmente, reduz a mortalidade por câncer do intestino em 15% a 33%, representando um ganho de vida similar ao observado no rastreamento com colonoscopia a cada dez anos. Atualmente apenas cerca de 25% dos tumores são detectados precocemente. 

Por isso, durante todo o mês, o Laboratório de Análises Clínicas (LAC) do Saúde Univates irá realizar o exame de sangue oculto nas fezes a preço de custo para toda a comunidade. Para realizar, o interessado pode se dirigir ao Lac, localizado no Prédio 16 da Univates, conforme orientações abaixo. Não é necessário ter encaminhamento médico para realizar o exame.

Para realizar o exame

Nicole Morás

Para realizar o exame, a pessoa deve colher uma amostra das fezes em um frasco coletor com tampa de rosca, mantê-la ao abrigo da luz, e encaminhar para o laboratório no mesmo dia da coleta ou no máximo até o dia seguinte, desde que conservada em geladeira. 

As amostras não devem ser coletadas durante ou dentro de três dias do período menstrual, ou se o paciente sofrer de sangramento gengival, nasal ou  hemorroidal ou apresentar sangue na urina. Também não deve-se usar medicamentos irritantes da mucosa gástrica (anti-inflamatório, corticoides, aspirina, ferro e vitamina C) por, pelo menos, 48 horas que antecedem a coleta do material. O frasco coletor pode ser retirado no LAC Univates, mesmo local da entrega da coleta, que funciona de segunda a sexta-feira das 6h30min às 18h30min e aos sábados das 7h às 12h. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 51 3714-7000, Ramal 5945.

Prevenção

Além de exames preventivos e para diagnóstico precoce, a prevenção ao câncer colorretal ocorre por meio de uma alimentação saudável. De acordo com Franciele, isso inclui uma dieta rica em vegetais, frutas e grãos integrais, bem como o baixo consumo de carne vermelha ou processada. Em geral, quanto mais alimentos in natura e minimamente processados fizerem parte da dieta, menor o risco do desenvolvimento desse tipo de doença, bem como evitar o consumo de alimentos industrializados e ultraprocessados.

“O consumo de fibras ajuda no funcionamento do trânsito intestinal, associado à ingestão hídrica adequada (de 30 a 35 ml/kg)”. Ela destaca ainda que é importante manter um peso saudável, pois o excesso de peso e a obesidade se tornam fatores de risco para o aparecimento da doença. Também é necessário ter uma rotina regular de exercícios físicos moderados e o aumento da intensidade pode reduzir ainda mais os riscos. Não fumar e evitar o consumo de bebidas alcoólicas, especialmente excessos, contribui para prevenção, não só de câncer colorretal, como de vários outros tipos.

Saúde Univates

O Ambulatório de Nutrição do Saúde Univates oferece consultas nutricionais e exame de bioimpedância. Em agosto de 2016, passou a atender às demandas do Sistema Único de Saúde (SUS). Também presta atendimento a alunos e funcionários da Univates e para pessoas da comunidade. Atua nos tratamentos de casos de hipertensos, diabéticos, cardiopatas, pacientes com obesidade, alergias e/ou intolerâncias alimentares e desordens metabólicas e desenvolve atividades de reeducação alimentar. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (51) 3714-7060 ou pelo e-mail ambulatorionutricao@univates.br.

Além disso, no Ambulatório de Especialidades Médicas são realizadas consultas e exames na área da gastroenterologia para a população atendida pelo SUS no Vale do Taquari por meio de convênio entre a Univates e prefeituras da região. Para ter acesso, o paciente deve procurar a rede de saúde do seu município que, caso necessário, fará o agendamento com a Saúde Univates.

Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail saude@univates.br ou pelo telefone (51) 3714 7052.