Virtualização das aulas II: desafios e soluções para estudantes

Postado as 22/04/2020 13:34:24

Por Júlia Amaral

Disciplina e capacidade de se adaptar. Talvez esses sejam os comportamentos essenciais para quem, em tempos de pandemia, não pode sair de casa, mas segue cumprindo seus deveres. As aulas da Universidade do Vale do Taquari - Univates, por exemplo, se tornaram virtualizadas, para evitar a propagação da Covid-19, a partir do dia 16 de março. A possibilidade de participar das atividades no conforto do lar requer muita disciplina e comprometimento, tanto quanto as aulas presenciais exigem. O desafio dos estudantes é tão grande quanto o dos professores: como manter o foco e o mesmo rendimento das aulas presenciais?

Gustavo Vargas de Souza é estudante do Técnico em Fotografia e está se adaptando ao novo momento. Para ele, que é surdo, as aulas virtualizadas têm sido um desafio. Um dos pontos que o estudante destaca é que a mesma intérprete que o acompanha nas aulas presenciais está presente nas aulas por videoconferência. Ainda assim, não compartilhar um mesmo ambiente, no qual ele percebe a dinâmica da aula em tempo real e a reação dos colegas e professores, deixa o processo de ensino um pouco confuso. Na aula de Produção Gráfica e Pré Impressão a solução foi encontrada pelo aluno, em conjunto com a turma e o professor Vagner Zarpellon.

Em uma sala do Google Meet, Gustavo mantém no seu monitor o vídeo da intérprete, que traduz, na Língua Brasileira de Sinais - Libras, o que o restante do grupo está conversando e também comunica aos colegas a opinião de Gustavo.  

A estudante Milena Kappler, que está no quarto semestre de Direito, usa plataformas on-line como Google Meet, Classroom, Google Docs e Planilha para fazer as atividades das aulas. Para ela, os programas facilitam os estudos, mas não dispensam a necessidade de organização, inclusive do ambiente físico. “É importante ressaltar que para acompanhar as aulas virtuais precisamos ter uma boa conexão com a internet e ter um local apropriado em nossas residências em que haja tranquilidade, silêncio e boa iluminação”, ressalta a acadêmica. “O bom aproveitamento dos conteúdos produzidos pelos professores depende muito da determinação e da seriedade de cada aluno”, afirma.

Para a estudante de Design Amanda Freitas, o isolamento é necessário neste momento, ainda que as aulas presenciais façam falta. “Eu vejo o esforço da Universidade para dar o apoio que o aluno precisa. Todos, professores, funcionários e Instituição, estão dando o seu máximo para que a gente consiga manter o melhor da relação entre o aluno e a Univates”, declara.

Janaina Tarter Horn Fauri, estudante do Técnico em Comunicação Visual, diz que o tempo que perdia no trânsito, a caminho da aula, agora é aproveitado com seu filho. “Claro que nem tudo são flores. Preciso ter equilíbrio para manter a casa em ordem, dar atenção ao meu filho, trabalhar, estudar, fazer trabalho de aula, mas penso que agora a regra é justamente esta, reinventar-se”, pontua. A estudante destaca que os professores têm sido muito solícitos e por isso as aulas acontecem em tempo real, mantendo um ritmo bom durante os encontros. “Inclusive as brincadeiras entre os colegas continuam”, afirma.

Entenda por que as aulas virtualizadas do período de quarentena não são como as aulas da EAD

Apesar de ambas não acontecerem de forma presencial, existem algumas diferenças entre as aulas da Educação a Distância (EAD) e as virtualizadas. Na EAD as videoaulas são gravadas, as atividades e o material são padronizados, assim como avaliações e testes, e o calendário é unificado. Nas aulas virtualizadas são mantidos os mesmos horários e dias das aulas presenciais, o que possibilita a interação com o professor da disciplina, responsável por montar o material personalizado e dinâmico.