Novas formas de pensar as aulas

Postado as 20/05/2020 15:17:49

Por Nicole Morás

A capacidade de se adaptar talvez seja um dos maiores aprendizados durante a pandemia de coronavírus. Não foi diferente para estudantes e professores que passaram a ter aulas virtualizadas. Além da infraestrutura, os conteúdos foram adequados, assim como algumas práticas docentes. A participação de profissionais nas aulas, por exemplo, possibilita a aproximação entre a Universidade e o mercado de trabalho. Com as atividades virtualizadas, isso continua acontecendo como nas atividades presenciais, e até tem sido intensificado, já que as ferramentas virtuais favorecem a interação.

 

No curso de Fisioterapia da Universidade do Vale do Taquari - Univates, enquanto as atividades práticas estão suspensas em razão das medidas de distanciamento social, estudantes de três disciplinas do 6º e do 7º semestre encontram-se virtualmente duas vezes por semana para refletir e debater sobre o cuidado. De acordo com a coordenadora do curso, professora Lydia Koetz Jaeger, analisando as habilidades específicas a serem desenvolvidas no curso de Fisioterapia, os professores que ministram componentes curriculares com atividades práticas elaboraram o projeto Raciocínio Clínico Integrado (RCI).

Os professores Magali Grave, Lucas Capalonga e Marilucia dos Santos definem o tema em conjunto e convidam professores ou fisioterapeutas externos à Univates para apresentarem um caso clínico, envolvendo avaliação e tratamento, e posteriormente abrem para o debate ampliado com os estudantes. A atividade não substitui as aulas práticas, que deverão ser retomadas a partir do final de maio. “São convidados os alunos das disciplinas práticas e os estagiários do curso. É uma atividade voluntária, e a adesão dos alunos tem sido ótima. Inclusive estudantes que não estão matriculados nessas disciplinas querem participar”, acrescenta Lydia.

Para a professora Magali, a atividade tem sido bastante proveitosa “Ao mesmo tempo que mantemos o vínculo semanal com nossos estudantes, o projeto se aproxima das habilidades a serem desenvolvidas nas disciplinas práticas, visto que discute, a partir de diferentes olhares, o fazer do futuro fisioterapeuta”, destaca.

 A coordenadora do curso de Fisioterapia avalia ainda que o aprendizado que fica é que na volta às atividades práticas poderão ser feitos convites para outros profissionais participarem das atividades letivas, virtual ou presencialmente.

Nossa apropriação dessas ferramentas digitais está auxiliando para que possamos qualificar nossa atividade prática. Posso dizer que com certeza iremos manter o recurso do meeting para aprimorar ainda mais nossas atividades práticas presenciais. Assim temos a oportunidade de trocar experiências e ampliar, cada vez mais, os métodos de avaliação e tratamento realizados em diferentes regiões do Brasil, com pacientes que demandam atendimento em fisioterapia. Em um encontro recente do RCI, houve a participação da fisioterapeuta e professora da Universidade Estadual do Piauí Rauena Lopes
Lydia Koetz Jaeger, coordenadora do curso de Fisioterapia

Para a estudante Ângela Girelli, os encontros de RCI têm sido muito importantes para sua formação acadêmica. “Estamos tendo a oportunidade de conhecer outros profissionais da Fisioterapia e, assim, conhecer novos casos clínicos e novos pontos de vista sobre as condutas clínicas. Ou seja, esses encontros nos proporcionam fazer relação entre todas as áreas de atuação do profissional fisioterapeuta, interligando nossos conhecimentos. Além de ser uma maneira de nos encontrarmos virtualmente neste momento de pandemia e de distanciamento social, também podemos relacionar todos os conteúdos que são apresentados separadamente nas disciplinas do currículo do curso. Para mim, em particular, tem sido uma experiência muito rica e de muito conhecimento clínico de todas as áreas da Fisioterapia de forma integrada”, afirma a acadêmica.

Aproximação com empresas

 

No Centro de Gestão Organizacional a aproximação com empresas acontece por meio da realização de visitas técnicas e da participação de profissionais nas aulas. Na próxima terça-feira, por exemplo, nas disciplinas Práticas Empresariais I e Práticas Empresariais II, respectivamente ministradas pelos professores Sandro Faleiro e Gabriel Machado Braido, que envolvem cerca de 100 estudantes, haverá participação de Guilherme Massena, co-fundador da empresa Dobra, à qual inicialmente estava agendada uma visita. Outras três participações também já ocorreram, todas de diplomados pela Univates.

Virtualização das palestras

Em alguns componentes curriculares, a participação de palestrantes e profissionais é prevista nos encontros presenciais. Com a virtualização das aulas, as palestras não deixaram de acontecer. Neste semestre, o professor Edson Ahlert ministra pela primeira vez a disciplina Tópicos Especiais em Computação. Ele conta que o planejamento das atividades já previa a aproximação com profissionais de empresas que atuam na área. “A temática da disciplina é a Internet das Coisas (IoT), então a aproximação dos alunos com a realidade do mercado de trabalho, de empresas que atuam nas áreas-foco dessa disciplina, permitiu agregar novos conhecimentos e complementar a formação da sala de aula. Com a virtualização conseguimos manter o planejamento das aulas. Também objetivou-se apresentar novos assuntos tecnológicos, novos conceitos e novas oportunidades de negócio e de carreira”, afirma Ahlert.