Em quais áreas profissionais os biomédicos podem trabalhar?

Postado as 10/06/2020 14:15:43

Por Julia Amaral e Lais Pontin Matos

Depois de concluírem o curso de Biomedicina, os biomédicos 👨‍⚕️ podem trabalhar, por exemplo, em bancos de sangue ou em áreas profissionais de diagnóstico laboratorial ou de imagem, reprodução humana, estética, análise ambiental ou de alimentos, citologia oncótica, entre outras. Ultimamente os biomédicos têm ganhado destaque por sua importante função durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19): são eles os responsáveis pela análise do diagnóstico dos pacientes infectados pelo vírus. 🔬

A coordenadora do curso de Biomedicina da Univates, professora Gabriela Kniphoff da Silva Lawisch, conta que muitos biomédicos elegem a área de diagnóstico laboratorial para trabalhar. “Nesse ramo, os profissionais realizam análises clínicas, como exames de sangue e urina, testes de biologia molecular como os que são feitos para diagnosticar o novo coronavírus, testes de triagem pré e neonatal (para acompanhar a gravidez e a saúde do recém-nascido), testes de histocompatibilidade (necessários, por exemplo, em casos de transplantes) e exames de imagem radiológicos, como os de ressonância magnética e tomografia computadorizada. Além disso, se desejarem, os biomédicos também podem trabalhar em clínicas de reprodução humana”, explica.

Diplomada e estudante relatam suas experiências profissionais 😷

Diplomada pela Univates em 2015, a biomédica Thaís Dornelles escolheu o curso pela ampla gama de habilitações que ele proporciona e também por seu desejo de querer atuar na área da saúde. Logo depois que se formou, Thaís teve a oportunidade de trabalhar em um hospital, onde sentiu-se desafiada e adquiriu muitos conhecimentos e amadurecimento profissional. Atualmente a biomédica exerce sua profissão em um hospital de Itapema, em Santa Catarina. Para Thaís, trabalhar no ramo de diagnóstico é motivador.

Divulgação

Sei da importância de um exame para o correto tratamento do paciente. Na maioria dos casos, o médico avalia sintomas, solicita exames e, com base nos resultados que eu liberar, indica o tratamento que o paciente deve seguir
relata Thaís Dornelles, biomédica formada pela Univates

“Muitas vezes nossa profissão fica ocultada e o paciente nem sabe quem está por trás do seu diagnóstico. Contudo, só o fato de eu saber que pude contribuir para seu tratamento me deixa imensamente feliz e realizada”, completa. Durante a pandemia, na rotina de emergência, Thaís realiza os exames complementares que ajudam a confirmar a suspeita da contaminação pelo novo coronavírus. Os trabalhos se intensificaram e são ainda mais desafiadores. Segundo a biomédica, quem está começando a trabalhar na área também percebe as dificuldades de diagnosticar uma doença causada por um microrganismo desconhecido.

Elise Bozzetto

“Mesmo com as dificuldades, é muito gratificante saber que estamos ajudando as pessoas, fornecendo a elas um diagnóstico em um curto período de tempo, possibilitando que se isolem mais rapidamente. Além disso, é papel do biomédico contribuir para que outros indivíduos não sejam contaminados”, diz a estudante de Biomedicina Ana Camini, que atualmente trabalha no Laboratório de Análises Clínicas (LAC) da Univates.

A acadêmica também atua no Laboratório de Anatomia Humana da Instituição e é voluntária de iniciação científica no projeto de pesquisa “Aplicação de Marcadores Moleculares no Estudo da Saúde Reprodutiva Animal e Humana”, coordenado pelo professor Ivan Cunha Bustamante Filho.

“Durante a graduação, acabei me apaixonando pelas áreas de biologia e de genética molecular. Também gosto do ramo de anatomia humana. Depois de formada, pretendo trabalhar em uma dessas duas áreas”, conta a acadêmica. Assim como Thaís, Ana também deseja auxiliar na prevenção e no tratamento de doenças.

Tuane Eggers