Vulnerabilidade de equipe de enfermagem à Síndrome de Burnout é identificada em pesquisa realizada na Univates

Postado as 20/01/2021 10:43:07

Por Vinicius Mallmann

Divulgação

 

Exaustão extrema e baixa realização profissional. Estes são os dois principais sintomas identificados em uma pessoa que possui, ou está desenvolvendo, a Síndrome de Bournout. De acordo com estudos que embasaram a pesquisa da estudante, uma das classes mais afetadas é a da enfermagem, uma vez que os profissionais da área experimentam situações estressantes constantes no trabalho, além de atuarem em contato direto com pacientes críticos com diferentes prognósticos, o que foi agravado com a pandemia da Covid-19.

Em uma pesquisa desenvolvida recentemente na Universidade do Vale do Taquari - Univates, a estudante do curso de enfermagem Nadine Raquel Shuck avaliou a predisposição de desenvolvimento da Síndrome de Burnout (SB) em enfermeiros e técnicos de enfermagem da Atenção Primária à Saúde (APS) de um município da região do Vale do Taquari em meio à pandemia de Covid-19. “Como acompanho diariamente o esgotamento físico e mental de familiares que atuam na área da enfermagem, me interessei por esse tema, visando à importância dos profissionais da saúde em voltar os olhos para si e cuidar da sua saúde”, conta a estudante.

A pesquisa

Por meio de uma pesquisa transversal, Nadine, orientada pela professora Cássia Regina Gotler Medeiros, realizou uma abordagem quantitativa com 20 enfermeiros e técnicos em enfermagem atuantes na Atenção Primária à Saúde (APS). Como metodologia, a estudante aplicou a variável de Maslach Burnout Inventory (MBI) composta por 22 questões, que mensura a exaustão emocional, despersonalização e baixa realização profissional. Os resultados foram classificados conforme a seguinte pontuação: de 0 a 20 pontos, nenhum início de SB; de 21 a 40 pontos, possibilidade de desenvolver SB; de 41 a 60 pontos, considera-se fase inicial de SB; de 61 a 80 pontos a SB começa a se instalar e de 81 a 100 pontos o profissional pode estar em uma fase considerável de SB.

Como resultados, a pesquisa identificou que, dos 20 participantes, 11, o que representa 55%, apresentaram-se na fase inicial da Síndrome de Burnout. Em outros 9 participantes, ou seja, 45% da amostra, foi identificada a doença em fase de instalação. As dimensões de exaustão emocional e baixa realização profissional, respectivamente com média de 24 e 30,8 pontos, apresentaram as maiores pontuações. Já o indicador de despersonalização teve média menor, com 8.8 pontos. Na somatória das dimensões, os participantes totalizaram a média de 63,6 pontos, o que representa o estágio inicial de desenvolvimento da Síndrome de Burnout. 

De acordo com os dados coletados na pesquisa, a estudante ainda pode observar que os profissionais com menor tempo de experiência possuem maior predisposição a desenvolverem a SB. Uma das causas pode ser por se defrontarem com uma realidade diferente da expectativa que tinham em relação ao trabalho. Em relação à influência da pandemia da Covid-19 nos resultados, Nadine concluiu que a saúde mental desses profissionais foi afetada diretamente pela sobrecarga de tarefas com o afastamento dos colegas, preocupações, jornada de trabalho dobrada e risco de contrair a doença.

Arquivo Pessoal

Para a estudante, é muito importante que as instituições de saúde estabeleçam medidas protetoras e preventivas para acompanhar os profissionais. “Algumas medidas que diminuem os fatores desencadeantes da SB podem ser: dimensionamento adequado de pessoal, incentivo e valorização do trabalho exercido, melhor remuneração e espaços coletivos para expor sentimentos e dificuldades no trabalho. Medidas individuais para promoção do bem-estar também são importantes, como: passar mais tempo com a família, realizar exercícios físicos, fazer atividades que sejam prazerosas, assim como desenvolver técnicas para resolver os conflitos diários”, salienta.

Para a Cássia, estudos como o de Nadine reforçam a atenção que se deve ter com os profissionais da saúde. “Estudos que identifiquem as condições de trabalho e como essas condições afetam a saúde dos trabalhadores são relevantes para a sociedade. Este estudo, realizado em um município pequeno, revela a necessidade de valorização e cuidado com os profissionais de enfermagem, especialmente em um momento de intensa fragilidade que estamos vivendo, com a pandemia de Covid-19”, destaca a orientadora.

Fique ligado!

Interessados em ingressar no ensino superior ainda no primeiro semestre de 2021 podem realizar sua inscrição no Vestibular Complementar da Universidade do Vale do Taquari - Univates. A prova única de redação será aplicada de forma on-line ou presencial, no campus de Lajeado, no dia 26 de janeiro, a partir das 19h. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas no site univates.br/comeceaqui.

 

Para o primeiro semestre de 2021, além do curso de Enfermagem a Universidade oferece outros 28 cursos na modalidade presencial e 18 cursos EAD.