Estudo produzido na Univates analisa custos de uma propriedade leiteira

Postado as 01/03/2021 08:18:37

Por Vinicius Mallmann

Lucas George Wendt

 

O agronegócio é considerado um dos setores mais importantes para a economia brasileira. Além de ter uma participação significativa no Produto Interno Bruto (PIB), o setor ainda é um dos grandes responsáveis pelas exportações e geração de empregos no país. De acordo com dados divulgados pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a produção leiteira está entre os produtos mais importantes do ramo, e quase 47% do volume total produzido no país vem de pequenas fazendas. Conforme especialistas, o grande desafio do produtor de leite é ter eficiência econômica em sua propriedade, uma vez que o valor pago à produção leiteira oscila de acordo com os preços praticados no mercado, além disso, a empresa rural depende de sua capacidade de geração de lucro para manter-se viável.

Em um estudo realizado na Universidade do Vale do Taquari - Univates, o estudante do curso de Ciências Contábeis Andrei Markus buscou, por meio de uma monografia, descrever os custos de uma propriedade leiteira da cidade de Westfália. Sob orientação da professora Adriana Wachholz, a pesquisa teve como objetivo auxiliar os proprietários no processo de gestão, fornecendo informações sobre os custos da produção. 

 

A pesquisa

Para realizar sua pesquisa, Andrei selecionou uma propriedade com uma área de 10 hectares, localizada próximo à área urbana do município , o que facilita o transporte do leite. A maior parte da propriedade é dedicada à lavoura de milho e às pastagens, e toda a mão de obra é realizada pelos proprietários, um casal que está no ramo há mais de duas décadas. Ao realizar a coleta dos dados, o rebanho da localidade era composto por 11 vacas, sendo duas secas e nove  em lactação, e duas  novilhas, e a alimentação era composta de pastagem, silagem e ração.

Acervo pessoal

 

 

No estudo, o discente realizou uma análise de documentos e anotações das operações de compra de insumos e contratação de serviços necessários na atividade da propriedade. Com essas informações, Andrei explica que foi possível mensurar os custos fixos e variáveis para calcular a margem de segurança e o ponto de equilíbrio da produção leiteira na propriedade. “A margem de segurança compara esse valor necessário com o nível de produção alcançado para determinar a segurança da produção. Durante o período analisado, o mês que obteve o pior resultado ficou muito abaixo do ponto de equilíbrio. Isso se deve aos altos custos variáveis com rações e veterinários, além do baixo valor pago pelo leite no mês. Esses fatores, somados, tornaram a menor margem de contribuição do leite daquele mês para o período analisado”, conta.

Por outro lado, o mês que obteve os melhores resultados em sua análise continuou apresentando altos custos na operação e produção, porém a alta produção de leite e o alto valor recebido por litro de leite permitiram que a margem de segurança chegasse em um valor adequado. “Mesmo com os meses de alta, devido aos com prejuízo, a margem de segurança do período ficou em apenas 3,85%”, destaca.

 

Com base nas suas análises, Andrei pode concluir que a atividade leiteira na propriedade analisada gera lucro, porém a baixa margem de segurança e a alta variação nos custos e receitas são um risco da atividade. “Para melhorar o controle dos custos recomendei a eles um maior registro do consumo de silagem e ração por animal por dia e da produção de leite por animal. Com essas informações adicionais os proprietários poderiam elaborar estratégias para diminuir os custos e aumentar a produção”, finaliza o estudante.

 

Para a orientadora, o estudo realizado pelo Andrei é uma conexão entre a teoria das aulas com a prática vivenciada no dia a dia. “A realização da pesquisa destaca a importância dos registros para a tomada de decisão, neste caso, com objetivo de gerar informação sobre os custos da produção, para auxiliar os proprietários no processo de gestão. O meio acadêmico tem papel fundamental neste momento, pois estimula o aluno a pensar sobre e aplicar seus conhecimentos no desenvolvimento do local em que vive, proporcionando mudanças e novas estratégias para a propriedade estudada”, destaca Adriana.

Ainda dá tempo

Para quem ainda não realizou a inscrição, e deseja ingressar em um dos cursos de graduação presenciais da Universidade do Vale do Taquari - Univates, ainda pode realizar a sua matrícula. Para participar, o candidato deve preencher um formulário com seus dados, no site univates.br/vestibular . Ao finalizar a inscrição, é enviado um e-mail com uma senha para acessar o ambiente virtual de prova de redação em univates.br/startunivates

 

Ao todo são oferecidos 29 cursos de graduação presenciais, distribuídos em licenciaturas e bacharelados. Outra opção para ingressar é utilizando a nota da redação do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) dos anos de 2009 a 2019. Nesse caso, o interessado deve ter alcançado nota mínima de 200 pontos na redação. Aqueles que realizaram o Vestibular Univates desde o ano de 2000 podem utilizar essa nota para ingressar na Instituição.