Univates finaliza digitalização de parte do acervo do Arquivo Histórico de Lajeado

Postado as 12/03/2021 10:24:03

Por Nicole Morás

Já estão disponíveis para a comunidade os arquivos do projeto Salvaguarda do Patrimônio Documental Histórico de Lajeado. Os documentos foram digitalizados em uma parceria entre o Centro de Memória, Documentação e Pesquisa do Museu de Ciências (CMDPU/MCN) da Universidade do Vale do Taquari - Univates e a Prefeitura Municipal da cidade, compreendendo 519 itens, que podem ser conferidos no link https://competo.lajeado.rs.gov.br/arquivo_municipal.

Nicole Moras

O processo de digitalização foi executado com o intuito de disponibilizar parte do acervo do Arquivo Histórico de forma virtual, para facilitar o acesso a documentos e informações e garantir o direito dos cidadãos, pesquisadores e estudantes à memória histórica regional. Além disso, a ação buscou preservar os documentos originais das ações do tempo e de atos que possam danificá-los.

O trabalho foi realizado por meio do projeto “Salvaguarda do Patrimônio Documental Histórico de Lajeado”, que foi contemplado pelo edital Fundo de Apoio à Cultura (FAC) Educação Patrimonial do Governo do Estado. O projeto concorreu na categoria intermediária, com fomento de R$ 50.000,00, e foi um dos 16 selecionados pelo edital elaborado pela Secretaria de Estado da Cultura (Sedac), por meio do Sistema Estadual Unificado de Apoio e Fomento às Atividades Culturais – Pró-cultura RS, com o apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae) e do Colegiado Setorial de Memória e Patrimônio.

Pietra Darde

 

Para o processo, foram selecionados os documentos mais acessados e que precisavam ser digitalizados para preservar sua integridade física. Ao todo, foram digitalizados 183 Livros Códice (manuscritos) de 1891 a 1912, sendo a maioria deles relacionada a eleições, com 128 exemplares, e registros de alistamento, qualificação, lista de chamada etc. Os documentos identificados como impressos compreendem o período de 1890 a 1973 e tratam sobre legislação estadual e federal, relatórios dos intendentes e prefeitos, códigos de postura do município e leis orgânicas, estão acondicionados em 31 caixas de arquivo, contendo 252 itens, e o acervo da mapoteca, que compreende 84 itens entre croquis, levantamentos topográficos, plantas e mapas, abrange o período de 1887 a 1993. 

Pietra Darde

Patrícia Schneider é supervisora do CMDPU/MCN

Durante a execução do projeto, a equipe envolvida digitalizou cerca de 38 mil páginas e organizou o acervo digital conforme o acervo físico, mantendo a catalogação e registro do Arquivo Histórico. “O processo de digitalização é manual e sistemático, para que o acesso à informação seja garantido pela boa gestão documental”, relata Patrícia Schneider, supervisora do CMDPU/MCN.

Após a finalização da etapa de digitalização, o CMDPU/MCN realizou uma oficina de capacitação para a equipe do Arquivo, tanto para que os funcionários conhecessem as atividades realizadas durante o projeto quanto para que pudessem dar continuidade à digitalização do acervo não contemplado nesse projeto.

Saiba mais sobre o Arquivo Histórico

O Arquivo Histórico Municipal foi criado pelo Decreto 4.523, de 12 de janeiro de 1995. Desde 1996 o Arquivo localiza-se na Biblioteca Pública Municipal. O Arquivo tem em seu acervo documentação avulsa (requerimentos, ofícios, cartas e outros), acervo iconográfico (fotos avulsas e álbuns), mapoteca (croquis, plantas e mapas), impressos (legislação e relatórios – federais, estaduais e municipais), biblioteca especializada (alta especialização nas áreas de história, matemática, religião, obras em língua alemã e outras) e códices (livros manuscritos desde 1877), que compreendem o período do final do século XIX até o século XX.

O manuseio desses materiais segue o protocolo de acesso a documentos históricos, como o uso de luvas, não sendo permitida a retirada de nenhum material existente. Ou seja, pessoas interessadas devem realizar pesquisas no local. Com a ação do tempo e a manipulação, esses documentos acabam se deteriorando. O acesso físico a esse material o expõe, ainda, a riscos de atos que fogem ao controle dos servidores, como a supressão das páginas, por exemplo.