Delegado e professor da Univates, Márcio de Abreu Moreno publica textos em livro internacional sobre lavagem de dinheiro

Postado as 27/04/2021 11:20:26

Por Redação

O professor do curso de Direito da Universidade do Vale do Taquari - Univates Márcio de Abreu Moreno publicou, recentemente, dois textos em livro da área do Direito Penal. Márcio Moreno também é delegado de polícia em Lajeado. Os textos, que relatam o início do enfrentamento sistemático à lavagem de dinheiro no Rio Grande Do Sul, estão na obra “Casos Penales”, livro da editora Tirant, do México. Moreno assina ambos os textos com o também delegado Emerson Wendt. 

Os textos “Início do enfrentamento sistemático à lavagem de dinheiro no Rio Grande do Sul” e “A operação laranja mecânica: início do enfrentamento sistemático à lavagem de dinheiro no Rio Grande do Sul” abordam o caso da Operação Laranja Mecânica, de 2015, trabalho conduzido pela Polícia Civil do RS que se tornou um marco na investigação e combate à lavagem de dinheiro no Estado. A ação resultou, inclusive, na criação de delegacias especializadas para combater o crime no Estado. Moreno argumenta que a Polícia Civil tinha pouca estrutura para lidar com este tipo de crime à época da investigação. “Não se investigava lavagem de dinheiro de forma especializada até 2015 e não tinha acontecido nenhuma operação, nenhuma instauração de inquérito”, relembra. 

Na época da Operação Laranja Mecânica, Moreno era diretor da Divisão de Informação Criminal (DIC) do Departamento de Investigações do Narcotráfico (Denarc) e Emerson Wendt, o diretor da Divisão Estadual e Narcóticos (Denarc). 

Para o docente, a operação retratada, agora, em livro, também ensina os envolvidos. “Hoje eu tenho absoluta convicção que não interessa prender dez pessoas, tem que prender o cara que trabalha a logística”, salienta. “Parar de focar somente nas regiões periféricas e começar a ver onde estava a maior movimentação financeira dessas facções. A gente descobriu exatamente um córtex em toda logística relacionada ao tráfico e que para fazer a dissimulação e ocultação do dinheiro, haviam empresas e familiares que não tinham envolvimento nenhum com o tráfico, mas que comandavam toda rede de mascaramento e dissimulação dos valores.” 

Mais informações sobre a obra podem ser obtidas por meio do site da Editora Tirant, no endereço: https://editorial.tirant.com

A Operação Laranja Mecânica 

Conforme informações da Secretaria de Segurança Pública do RS, a Operação Laranja Mecânica, coordenada operacionalmente pela Divisão de Inteligência e 3ª DIN do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc), com apoio do Gabinete de Inteligência e Assuntos Estratégicos, teve a participação de 370 agentes e delegados, de todos os departamentos da Polícia Civil. Foram cumpridas 93 ordens judiciais (46 mandados de busca e apreensão, 15 mandados de prisão preventiva, 13 conduções coercitivas e 19 sequestros de bens). Os trabalhos ocorreram em Porto Alegre, Viamão, Canoas, Santa Maria, Santo Antônio da Patrulha e Florianópolis. Os bens sequestrados somaram o valor conjunto de mais de 5,5 milhões. O grupo criminoso movimentou mais de R$ 18 milhões entre 2012 e 2015.