Utilizamos cookies neste site. Alguns são utilizados para melhorar sua experiência, outros para propósitos estatísticos, ou, ainda, para avaliar a eficácia promocional do nosso site e para oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações sobre os cookies utilizados, consulte nossa Política de Privacidade.

Univates e Sicredi Integração RS/MG assinam convênio para implementação de ambulatório pós-covid no Vale do Taquari

Postado as 05/08/2021 16:16:24

Por Nicole Morás

A Universidade do Vale do Taquari - Univates e o Sicredi Integração RS/MG assinaram um convênio na manhã desta quinta-feira, 05, para a operacionalização do Programa de Reabilitação da Pessoa Acometida por Covid-19. O convênio prevê o repasse do Sicredi no valor de R$ 20.000,00 do Fundo Filantrópico da cooperativa de crédito para que a Universidade execute o programa em ambiente ambulatorial, na Clínica de Fisioterapia da Univates, com seguimento por telefisioterapia, para acompanhamento domiciliar.

Participaram da assinatura o presidente da Fundação Univates, Ney Lazzari; a reitora da Univates, Evania Schneider; o presidente do Sicredi Integração RS/MG, Adilson Metz; a gerente da agência Sicredi Empresas/Lajeado, Raqueli Beatriz Becker; e a diretora-executiva do Sicredi Integração RS/MG, Graziela Reis Bogorni.

As atividades do ambulatório serão voltadas para pacientes que tiveram complicações decorrentes da covid-19 e que estejam em período de reabilitação com necessidade de assistência em nível ambulatorial. A iniciativa é do curso de Fisioterapia da Univates. Serão atendidos em unidade ambulatorial homens e mulheres de todas as idades com diagnóstico prévio de covid-19 com ou sem internação hospitalar, em período de reabilitação pós-covid-19.

Conforme a coordenadora do programa e do curso de Fisioterapia, professora Lydia Koetz Jaeger, esse tipo de ambulatório é inédito na região do Vale do Taquari. “A ideia é que sejam assistidos pacientes que residam nos municípios que compõem a região da 16ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS), que engloba 37 municípios e mais de 300 mil habitantes. Esses pacientes poderão ser encaminhados ao ambulatório por serviços de atenção básica, média ou alta complexidade”, afirma. No ambulatório, os pacientes serão atendidos por estudantes e estagiários sob supervisão de professores e profissionais de saúde dos cursos de graduação da Univates.

O programa será realizado em três fases. A primeira delas será composta de avaliação, diagnóstico e seguimento da funcionalidade do paciente por meio de questionários e técnicas de referência por até 12 meses após a alta hospitalar. Na segunda fase os pacientes serão expostos a um protocolo de exercícios, que contempla  exercícios para membros superiores, membros inferiores e abdominais, sendo todas as atividades associadas aos exercícios respiratórios, objetivando reduzir a dispneia e melhorar a capacidade pulmonar. Na terceira e última fase os participantes serão acompanhados no seu local de domicílio. Para essa ação será implementada a telefisioterapia para o telemonitoramento com foco na telerreabilitação, uma grande aliada para a manutenção da capacidade funcional e da qualidade de vida dos pacientes que precisam de auxílio.

Os programas de telerreabilitação, que utilizam tecnologias apropriadas, são capazes de proporcionar melhora na qualidade de vida de pacientes, de forma semelhante àqueles submetidos ao programa de reabilitação presencial
Professora Lydia Koetz Jaeger, coordenadora do Programa

Os recursos serão destinados para aquisição de equipamentos, treinamento da equipe e produção de materiais educativos voltados às famílias e às pessoas assistidas pelo programa. Além disso,serão aplicados para a contratação de estagiários do curso de Fisioterapia, que irão aplicar os protocolos de reabilitação sob supervisão dos docentes da Univates.

Saiba mais: covid no Vale do Taquari

Segundo dados da Secretaria de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul, até o dia 08 de julho foram confirmados 45.062 casos de covid-19 na região da 16ª CRS, isto é, 12.625 casos a cada 100 mil habitantes. Os dados demonstram a importância do ambulatório pós-covid, tendo em vista que a estimativa de pessoas que necessitem de algum tipo de reabilitação após terem a doença é de 5%, ou seja, aproximadamente 2.250 pessoas.

Fundo Filantrópico do Sicredi Integração RS/MG

O Fundo Filantrópico é composto por 2% do resultado líquido do último exercício. Os recursos são destinados a atender a ações de interesse coletivo, contribuindo para o desenvolvimento social das comunidades onde o Sicredi Integração RS/MG está inserido. O valor disponível foi rateado entre as agências da regional na proporção de seu resultado e número de associados.

Os mais de R$ 650 mil reservados pelo Sicredi Integração RS/MG para o Fundo Filantrópico já têm destino definido. A cooperativa contemplou 144 entidades neste ano, cujo repasse dos recursos iniciou na última semana por meio de entregas simbólicas em cada agência da regional, as quais reuniram pequenos grupos de representantes das instituições beneficiadas para evitar aglomerações.