Utilizamos cookies neste site. Alguns são utilizados para melhorar sua experiência, outros para propósitos estatísticos, ou, ainda, para avaliar a eficácia promocional do nosso site e para oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações sobre os cookies utilizados, consulte nossa Política de Privacidade.

Univates apresenta pesquisas publicadas em revistas científicas na última semana

Postado as 01/10/2021 15:08:58

Por Lucas George Wendt

O trabalho científico de um pesquisador é contínuo, ou seja, suas descobertas, quando observadas na totalidade, permitem compreender o conjunto do seu trabalho. É desta forma que a ciência avança: aos poucos, com cada trabalho funcionando como a peça de um quebra-cabeça que completa um cenário de pesquisa. E que pode abrir margem para mais perguntas. 

Na Universidade do Vale do Taquari - Univates, diferentes equipes trabalham produzindo conhecimento científico. Entre pesquisadores e estudantes – bolsistas de iniciação científica, de mestrado e de doutorado –, são cerca de 500 pessoas diretamente envolvidas buscando na ciência as respostas para a solução de problemas coletivos e de inquietações de pesquisa individuais. 

Todos os dias as equipes de pesquisa da Univates divulgam seus achados em publicações periódicas científicas nacionais e internacionais. Semanalmente os artigos científicos mais recentes serão destacados no site da Instituição. 

Confira o que a Univates publicou de 24 de setembro a 1º de outubro de 2021

Título do artigo: Paisagem socioambiental coletiva: experiências ecosóficas com mulheres rurais

Autoria: Viviane Röhrs e Jane Márcia Mazzarino 

Revista científica: Revista do Departamento de Geografia da USP 

Do que trata a pesquisa científica: O objetivo do estudo é investigar alterações nas relações das mulheres rurais com a paisagem socioambiental por meio de metodologias de caráter participativo, provocadoras de experiências, a fim de analisar a emergência de uma paisagem socioambiental ecosófica coletiva. Utilizou-se como método a pesquisa-intervenção, apoiada em estudos bibliográficos, documental e de campo. A pesquisa de campo compreendeu vivências junto à natureza e entrevistas individuais e grupais, além da observação direta. Como resultados evidenciamos a emergência de paisagens socioambientais individuais e coletivas mediadas pelas três ecologias propostas pela perspectiva ecosófica. As vivências fortaleceram as relações das mulheres rurais consigo mesmas, com o ambiente onde vivem e com as pessoas que convivem.

Vinculação: PPGAD 

Publicado quando: setembro de 2021

 

Título do artigo: Fern and lycophytes of the Taquari River riparian forests at different stages of succession / Samambaias e licófitas das matas ciliares do rio Taquari em diferentes estágios de sucessão 

Autoria: Fernanda Bruxel, Michelle Helena Nervo e Elisete Maria de Freitas

Revista científica: Rodriguésia 

Do que trata a pesquisa científica: As matas ciliares são corredores de biodiversidade importantes entre os grupos. Essas florestas foram muito alteradas ou suprimidas no estado do Rio Grande do Sul. Este estudo investiga a variação da riqueza de espécies e distribuição de samambaias e licófitas de dezoito áreas de estudo em diferentes estágios de sucessão em matas ciliares da região do rio Taquari. Amostras de samambaias e licófitas foram coletadas utilizando a metodologia de caminhos ao longo do rio Taquari durante dois anos. A riqueza foi comparada nos diferentes estágios de sucessão (formações remanescentes avançadas, intermediárias e iniciais) por meio de análise de variância e um teste randomizado, no qual foram registradas cerca de 22 espécies: 19 espécies estavam em estágio avançado de sucessão, nove espécies estavam no estágio intermediário e sete espécies estavam em estágio inicial de sucessão. A riqueza média foi significativamente maior nas áreas em estágio avançado de sucessão. O alto valor das espécies comuns encontradas nos estágios intermediários destaca a importância da preservação das matas ciliares em todos os estágios de sucessão do rio Taquari como alternativa para preservação da biodiversidade local.

Vinculação: PPGSAS 

Publicado quando: setembro de 2021

 

Título do artigo: Metodologias ativas no curso de direito: possibilidades de aplicação do Arco de Maguerez

Autoria: Cláudia Inês Horn e Helio Miguel Schauren Júnior 

Revista científica: Educação 

Do que trata a pesquisa científica: Este artigo tem como objetivo analisar as possíveis contribuições da metodologia da problematização, com a utilização do Arco de Maguerez, nas aulas de Direito. Para tanto, identificam-se as características do ensino jurídico tradicional, fundado em metodologias expositivas, arraigadas em raízes pedagógicas rígidas. Destaca-se o uso das metodologias ativas, especificamente do Arco de Maguerez, como instrumento hábil à problematização, estudo e busca de alternativas no processo de ensinagem jurídica. Utilizou-se o método dedutivo, com a técnica bibliográfica e documental, por meio do estudo da doutrina em artigos científicos, bem como se analisou a legislação correlata ao ensino jurídico, contando, ainda, com uma pesquisa quantitativa, por descritores, no Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Concluiu-se que as metodologias ativas se adequam aos objetivos da ciência do Direito, podendo contribuir efetivamente à formação, razão pela qual suas possibilidades de adoção merecem ser trazidas à reflexão e discussão. O arco apresenta características adaptáveis à discussão de problemas jurídicos reais, promovendo a participação do discente, num protagonismo adequado e qualificado aos desafios da educação no ensino do Direito.

Vinculação: Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas

Publicado quando: setembro de 2021 

Divulgação

Título do artigo: Pseudoscirus gen. nov. of Coleoscirinae (Acari: Prostigmata: Cunaxidae) from the Amazon rainforest, Brazil, with a key to the genera of adult female Coleoscirinae | Pseudoscirus gen. nov. de Coleoscirinae (Acari: Prostigmata: Cunaxidae) da floresta amazônica, Brasil, com uma chave para os gêneros de fêmeas adultas Coleoscirinae  

Autoria: Wesley Borges Wurlitzer, Elizabeth Franklin, Noeli Juarez Ferla, Guilherme Liberato da Silva e Matheus dos Santos Rocha

Revista científica: Journal of Natural History 

Do que trata a pesquisa científica: O gênero Coleoscirus Berlese, 1916, é revisado e dividido em dois gêneros. Coleoscirus intermedius Corpuz-Raros, 1996 é designado a espécie-tipo para Pseudoscirus Wurlitzer e Rocha gen. nov. Este novo gênero é peculiar por possuir características tanto de Coleoscirus Berlese, 1916 quanto de Pseudobonzia Smiley, 1975. Os caracteres gerais de Pseudoscirus Wurlitzer e Rocha gen. nov. dentro da subfamília Coleoscirinae Den Heyer, 1978 incluem a presença de um pequeno escudo dorsal que cobre apenas o propodossoma, e com ápices inchados de solenidia no tarso I. O novo gênero se assemelha a espécies de Coleoscirus devido às placas coxais I e II fundidas medialmente, formando o escudo esternal e placas idiossômicas pouco desenvolvidas. Uma nova espécie do bioma amazônico no Brasil, Pseudoscirus amazonae Wurlitzer e Rocha sp. nov., também é descrito e ilustrado. A nova espécie difere da espécie conhecida Pseudoscirus intermedius Corpuz-Raros, 1996 por basifemora II com 6 sts; escudo propodossomal com entalhe e cerdas táteis simples c1, c2, d1, e1, f1, f2, h1 e h2 em placas esclerotizadas minúsculas.

Vinculação: Laboratório de Acarologia 

Publicado quando: setembro de 2021 

 

Título do artigo: Science fairs and the metacognitive phenomenon / Feiras de Ciência e o fenômeno metacognitivo  

Autoria: Diógenes Gewehr e Rogério José Schuck 

Revista científica: Laplage em Revista (International) 

Do que trata a pesquisa científica: O cenário educacional contemporâneo apresenta-se cercado de perguntas. Com a disseminação da internet e sua presença definitiva na sociedade, a qual mudou a forma das pessoas se comunicarem e democratizaram as informações, muito se discute sobre como ensinar e aprender neste novo panorama (NOGARO, CERUTTI, 2016). Em um contexto de acesso a inúmeras informações que os alunos vivenciam diariamente, é condizente que a escola oportunize um ensino envolvente e participativo, que exercite a autonomia, o senso crítico e envolva os alunos no processo da aprendizagem. Para Behrens (2000), uma metodologia de ensino que integre a pesquisa como instrumento de aprendizagem é vista como uma prática pedagógica em potencial.

Vinculação: PPGEnsino 

Publicado quando:  setembro de 2021 

 

Título do artigo: Óleo de coco de babaçu (Orbignya speciosa Mart.) Extraído industrial e manualmente como matéria-prima para a produção de biodiesel

Autoria: João Ferreira da Silva Neto, José Silva Machado, Fernando Mendes, Maria Alexsandra de Sousa Rios, João Carlos da Costa Assunção, Francisco Felipe Maia da Silva, Ana Angélica Mathias Macêdo e Claucia Fernanda Volken de Souza

Revista científica: Revista Íon 

Do que trata a pesquisa científica: A utilização de fontes renováveis de energia, como os óleos vegetais, a exemplo o óleo e azeite de coco babaçu (Orbignya speciosa Mart.), apresentam vantagens econômicas e ambientais. Neste cenário, o trabalho apresenta a produção e caracterização do biodiesel de óleo e azeite de coco babaçu. Os biocombustíveis foram obtidos por transesterificação alcalina, utilizando-se hidróxido de potássio e metanol. A caracterização foi realizada por infravermelho com transformada de Fourier (FTIR), viscosidade cinemática, densidade, cinzas sulfatadas, índice de acidez, ponto de fluidez e ponto de fulgor e cromatografia gasosa. Os resultados dos ensaios de viscosidade cinemática, densidade, índice de acidez, ponto de fluidez e ponto de fulgor apresentaram conformidade com os limites estabelecidos pela ANP, Resolução nº 45/2014. Desta forma, o óleo e o azeite de coco babaçu se mostraram viáveis para a produção de biodiesel, apresentando-se como potencial matéria-prima para o setor de biocombustíveis, dado o volume expressivo das plantações de babaçuais do estado do Maranhão. 

Vinculação: PPGSAS 

Publicado quando:  setembro de 2021

 

Saiba mais sobre as publicações científicas 

Os periódicos científicos são espaços reservados à comunicação científica. É por meio deles que os estudos são divulgados e os conhecimentos técnicos, acadêmicos e científicos são postos à disposição da sociedade. Assim como os eventos científicos, são espaços formais de apreciação e crítica do trabalho de pesquisadores – o que permite à ciência evoluir por meio da construção colaborativa do conhecimento, que só é possível se as informações científicas circularem. 

As pesquisas científicas podem estar vinculadas a projetos de pesquisa, que seguem as diretrizes institucionais para produção do conhecimento científico, e estando vinculadas aos Programas de Pós-Graduação – nesses espaços, em geral, ligadas ao trabalho dos pesquisadores docentes da Univates ou ao trabalho dos mestrandos e doutorandos –, ou também podem ser desenvolvidas nos cursos de graduação como requisito para obtenção dos títulos de bacharel, licenciado ou tecnólogo.