Utilizamos cookies neste site. Alguns são utilizados para melhorar sua experiência, outros para propósitos estatísticos, ou, ainda, para avaliar a eficácia promocional do nosso site e para oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações sobre os cookies utilizados, consulte nossa Política de Privacidade.

Pesquisa da Univates revela que apenas quatro de dez municípios apresentaram registros de nascimento com multiparentalidade durante 2019 e 2020

Postado as 23/11/2021 10:02:02

Por Kastenes Casali

O perfil familiar contemporâneo brasileiro tem demonstrado mudanças expressivas. A partir do Provimento 63/2017 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), é legitimado o modelo de multiparentalidade. Assim a jurisdição reconhece filiação de paternidade biológica e socioafetiva, ou seja, a criança que tem dois pais e duas mães ou mais, denomina-se como família multiparental. Segundo uma pesquisa realizada pela estudante Amanda Izabel Lauxen, do curso de Direito da Universidade do Vale do Taquari - Univates, os índices de registros de nascimento com filiação multiparental, nos municípios do Vale do Taquari, durante os anos de 2019 e 2020, são considerados baixos em relação à quantidade de registros de nascimento. 

No estudo “Multiparentalidade: os índices de registro de nascimento no Vale do Taquari nos anos 2019 e 2020 e os aspectos jurídicos na sucessão hereditária”, a acadêmica Amanda conceitua família multiparental, quando há pais não biológicos, como é o caso do processo de adoção. “No Brasil, a filiação socioafetiva foi reconhecida na Constituição Federal de 1988, quando passaram a ser aceitos outros modelos de família, além do patriarcal”, explica.

Estudante Amanda Lauxen

Para sua pesquisa, Amanda coletou dados de dez municípios da região: Lajeado, Encantado, Taquari, Nova Bréscia, Marques de Sousa, Pouso Novo, Colinas, Imigrante, Poço das Antas e Sério, tendo constatado que, entre esses municípios, seis não apresentaram nenhum registro multiparental em 2019 e 2020. “Acredito que a tendência seja aumentar o índice de registros multiparentais. Na prática existem muitos casos, mas poucos são formalizados juridicamente”, afirma.

Conforme o levantamento de dados da pesquisa, Lajeado foi a cidade que mais teve registro de nascimento com multiparentalidade em 2019 e 2020. O Registro Civil das Pessoas Naturais (RCPN) de Lajeado, teve 1425 nascidos e registrados na cidade, desse total apenas 18 foram reconhecidos com filiação multiparental. Em 2020, o RCPN do município chegou a 1261 nascidos em Lajeado, mas apenas 15 com registro multiparental. “Os índices de registros de nascimento com multiparentalidade demonstram a realidade no que tange à formação familiar e as mudanças na sociedade”, revela Amanda. 

Júlia Amaral

Professora Leila Viviane Scherer Hammes

Para a orientadora do trabalho, professora Leila Viviane Scherer Hammes, a  pertinência do estudo desenvolvido por Amanda para a área do Direito está correlacionada à abordagem de um tema que apresenta a transição do conceito de família. “Essa discussão é reforçada a partir da Constituição Federal de 1988, que prevê a igualdade entre filhos, sem distinção. A filiação, além do fator biológico, passa a ser considerada também pelo fator afetivo, isto é, pelos laços afetivos existentes no âmbito familiar". 

Portanto, a contribuição desse estudo para a sociedade está especialmente vinculada ao fato de colocar em pauta a possibilidade de exibir o número de nascimentos com registro multiparental de cada município da região, apresentando informações e esclarecimentos sobre o tema”, revela Leila. “O aspecto mais importante do trabalho reside na relevância de discutir o tema da multiparentalidade, desmistificando preconceitos ainda existentes, e de possibilitar que as relações de afeto familiar sejam reconhecidas juridicamente”, complementa a docente. 

Sucessão hereditária descendente

Em sua monografia, Amanda também aborda a sucessão hereditária descendente, que possui princípio constitucional da igualdade de filiação. “Dessa forma, o filho tem direito a receber a herança de seus múltiplos pais, concorrendo com os demais herdeiros necessários, sendo realizada a partilha da herança em igualdade de condições”, explica. 

Filiação multiparental entre 2019 e 2020

Filiação multiparental entre 2019 e 2020

Divulgação/Amanda Lauxen

Filiação multiparental entre 2019 e 2020
Filiação multiparental entre 2019 e 2020

Divulgação/Amanda Lauxen

Número de registros de nascimentos
Número de registros de nascimentos

Divulgação/Amanda Lauxen

Sucessão hereditária ascendente 

Na sucessão hereditária na linha ascendente, Amanda relata que ambos os pais, tanto o biológico como o socioafetivo, garantem a herança para o mesmo filho. “No entanto ainda há uma discussão sobre como deve ser realizada essa partilha, pois, em regra, no ordenamento jurídico brasileiro, a sucessão na classe dos ascendentes ocorre por linhas materna e paterna, mas havendo mais de um descendente, seja biológico ou socioafetivo, segundo a Constituição de 1988, o mais adequado neste caso, é que as partilhas sejam igualitárias”, salienta. 

Diante disso, segundo Amanda, alguns especialistas defendem que a partilha perante multiparentalidade deve ser de acordo com o número de beneficiários. “Pelo número de ascendentes biológicos e socioafetivos aptos a participar da sucessão, o que respeita o princípio constitucional da isonomia”, reafirma. 

No entanto, o Projeto de Lei nº 3799/2019 na Câmara de Deputados, referente ao direito sucessório no Código Civil, propõe modernizar o Direito das Sucessões, com alterações na legislação vigente. Além da sucessão legítima, possibilita que a herança seja dividida por sucessão testamentária e que tenha administração da herança, instauração do inventário, vocação hereditária, aceitação e renúncia da herança, rompimento de testamento e exclusão e deserdação.