Utilizamos cookies neste site. Alguns são utilizados para melhorar sua experiência, outros para propósitos estatísticos, ou, ainda, para avaliar a eficácia promocional do nosso site e para oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações sobre os cookies utilizados, consulte nossa Política de Privacidade.

Estudantes do Instituto Cardeal Pacelli, de Três de Maio, marcaram presença na Feira de Ciências da Univates

Postado as 26/11/2021 09:58:32

Por Lucas George Wendt

Dois grupos de estudantes do 2° ano do Ensino Médio do Instituto Estadual de Educação, de Três de Maio, região de abrangência da 17ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE), tiveram seus trabalhos de pesquisa selecionados para participar da III Feira Estadual de Ciências Univates e X Feira de Ciências Univates, evento que aconteceu no fim de outubro. 

Os trabalhos foram desenvolvidos durante as aulas do componente curricular Projetos Matemáticos e Saúde, orientados pela professora Elisiane Fabrim. Os estudantes Milene Foletto, Mylene da Silva e Thailon Martin apresentaram a pesquisa “Saúde Mental dos Estudantes do 2° ano do Ensino Médio da Escola Instituto Estadual Cardeal Pacelli mediante obrigações e responsabilidades durante o período de pandemia da covid-19”. Já o grupo composto pelos alunos Tales Corrêa, Vanessa Ludwig e Verônica Marques apresentaram o trabalho intitulado “A interferência de transtornos mentais na aprendizagem dos estudantes do Ensino Médio da Escola Cardeal Pacelli”.

Segundo a professora Elisiane, orientar os projetos de pesquisa foi um desafio, porque a maioria dos estudantes não possuía conhecimento em metodologia científica. “Durante as aulas, dialogamos sobre os temas que os estudantes julgavam ser importantes para investigar na escola. Nesses momentos, eles expuseram a necessidade de abordar sobre transtornos mentais. Tendo em vista o cenário vivenciado devido à covid-19, eles decidiram investigar sobre o assunto”, explicou.  

Conforme a professora, os atributos que definiram a escolha para a inscrição na Feira de Ciências foram a atualidade do tema, a pertinência ao público proposto, o desempenho no desenvolvimento do trabalho e o interesse dos grupos na continuidade da experiência científica.

O estudante Tales comentou que, durante a pandemia, se falou muito sobre saúde, mas com pouca ênfase na saúde mental da população. “Recebemos relatos de diversos amigos que falavam sobre a dificuldade de estudar, de como o rendimento escolar havia diminuído. E, com alguns conhecidos abandonando os estudos, se tornou um tema importante e uma questão a ser discutida”, destacou.

Divulgação

Estudantes apresentaram pesquisa sobre Saúde Mental

Estudantes apresentaram pesquisa sobre Saúde Mental


Ele contou que já havia feito um trabalho sobre saúde mental no Ensino Fundamental. “Agora, no Ensino Médio, tivemos essa grande oportunidade de participar da Feira. Foram muitos meses elaborando o projeto. Pensando na melhor maneira de entregar um bom resultado.Trabalhamos muito e conseguimos participar da seleção da Feira. Com certeza valeram o esforço e a dedicação. Uma experiência a mais nas nossas vidas, e esperamos que ano que vem tenhamos a oportunidade de mais uma participação.”

Para a aluna Milene, a experiência é importante para os dias atuais. “É um tema que é bom de falar neste momento, e queremos apresentar esse projeto a mais pessoas.” De acordo com ela, apresentar o projeto na Feira foi uma oportunidade que agregou conhecimento.

Feiras da Univates

As Feiras de Ciências realizadas na Instituição são concebidas como um espaço que promove aprendizagens diferentes das de sala de aula, com o objetivo de fomentar a difusão e a divulgação de trabalhos científicos desenvolvidos por estudantes e professores da Educação Básica e do Ensino Técnico em diferentes áreas do conhecimento. Participam dos eventos dezenas de escolas do Vale do Taquari, por meio da ação de estudantes e professores e da equipe da Universidade. 

A iniciativa das Feiras também busca valorizar a interação dos objetos de estudo com as demandas socioambientais e tecnológicas em uma perspectiva inclusiva, empreendedora e interdisciplinar. Esse é um dos preceitos que acompanham a realização do evento desde a primeira edição, em 2011. 

Em relação aos números, a Feira teve edições ininterruptas de 2011 a 2019. Em 2020 o evento não aconteceu, em razão da pandemia. Até o momento, a Feira, que em 2018 passou a contar com um evento estadual realizado em paralelo, teve cerca de 700 trabalhos científicos expostos – considerando também os 84 projetos apresentados na edição de 2021. Os dados registram, de 2011 a 2019, a participação de 1,8 mil estudantes nesses projetos e de cerca de 370 professores das escolas de Educação Básica do Vale do Taquari e de regiões do entorno. Cerca de 15 mil pessoas visitaram os estandes do evento presencial entre 2011 e 2019.