Utilizamos cookies neste site. Alguns são utilizados para melhorar sua experiência, outros para propósitos estatísticos, ou, ainda, para avaliar a eficácia promocional do nosso site e para oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações sobre os cookies utilizados, consulte nossa Política de Privacidade.

Arquiteto diplomado pela Univates recebe destaque ao desenvolver projetos que envolvem neuroarquitetura e biofilia

Postado as 26/11/2021 10:07:15

Por Lucas George Wendt

Divulgação/Acervo pessoal

Micael Mantelli Salvi

Micael Mantelli Salvi



O diplomado pelo curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade do Vale do Taquari - Univates Micael Salvi, de 26 anos, é o mais jovem entre os profissionais que participaram das Mostras EliteDesign, em Porto Alegre, e Conecta Decor, em Caxias do Sul. Seu trabalho vem recebendo destaque entre publicações e eventos da área, uma vez que ele desenvolve projetos que envolvem os conceitos de neuroarquitetura e biofilia. Salvi é natural de Bento Gonçalves e atualmente reside em Carlos Barbosa. 

A neuroarquitetura contribui para que as pessoas diminuam a ansiedade e é um componente relevante do trabalho do jovem, diplomado pela Univates em 2019. A biofilia é outro elemento importante para o trabalho de Salvi, conceito esse que explora a necessidade humana de estar em contato, interagir e se relacionar com a natureza.

Para Micael, a graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Univates foi muito importante. “Hoje percebo como os embasamentos teóricos e técnicos são aplicados com grande frequência no meu dia a dia”, explica o jovem. Ele também destaca a rede de contatos que a Universidade promove. “O convívio com ex-colegas e profissionais da área é importante. Existe uma grande troca de experiências no nosso círculo de convivência”, revela. 

Para o profissional, um dos pontos mais importantes que desenvolveu na faculdade é a crítica aos projetos, que lhe permite interpretar e compreender os princípios que levaram grandes obras a serem como são. “Além disso, esse olhar crítico nos instiga a busca sempre por mais conhecimento”, afirma Salvi. 

Neuroarquitetura e biofilia

O arquiteto explica. A arquitetura comercial é uma área muito beneficiada pelos conceitos de neuroarquitetura e biofilia, especialmente ao longo da pandemia de covid-19, que, provavelmente, ampliou de forma permanente a inserção de projetos que carregam esses elementos em sua gênese. 

“Atualmente passamos mais de 90% de nossas vidas dentro de algum ambiente construído, o que torna a nossa responsabilidade como arquitetos ainda maior. O mercado e a economia ainda estão vendendo arquitetura como um produto e não como um serviço que proporciona experiências físicas e psicológicas às pessoas”, afirma o arquiteto.

A neuroarquitetura já era estudada por Vitruvius entre 80 a.C. e 15 a.C, para quem  fatores sensoriais, a partir da arquitetura, contribuem para o bem-estar das pessoas. “A biofilia seria uma atração a tudo o que é vital. De forma prática, o conceito seria conectar os humanos com a natureza para melhorar o bem-estar, e o arquiteto pode abordar esses conceitos por meio do uso de vegetação, texturas naturais, e outros elementos”, complementa.   

Mostras 

Na EliteDesign, mostra de Arquitetura, Design de Interiores e Paisagismo, que foi recentemente realizada em Porto Alegre, o arquiteto apresentou um projeto inspirado no futebol americano. Na Conecta Decor, em Caxias do Sul, em mostra encerrada em outubro, o jovem projetou um spa com elementos orgânicos e circulares que remetem ao acolhimento.