Utilizamos cookies neste site. Alguns são utilizados para melhorar sua experiência, outros para propósitos estatísticos, ou, ainda, para avaliar a eficácia promocional do nosso site e para oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações sobre os cookies utilizados, consulte nossa Política de Privacidade.

Pesquisadores do PPGCM e PPGBiotec da Univates comentam sobre a variante ômicron do coronavírus

Postado as 03/12/2021 09:29:13

Por Verônica Contini, Luis Timmers e Daiane Heidrich

Desde o início da pandemia da covid-19, em fevereiro de 2020, pesquisadores de todo mundo, seja do meio acadêmico ou privado, vêm juntando esforços para tentar compreender os diferentes aspectos relacionados ao agente etiológico conhecido como o SARS-CoV-2. 

Assim, o conhecimento sobre a transmissibilidade, letalidade foram sendo ampliados ao longo da pandemia. Até hoje a ciência já foi capaz de fornecer respostas para aspectos como a invasão nas células hospedeiras, processos inflamatórios desencadeados pela infecção viral, aparecimento de mutações no genoma do vírus, bem como o desenvolvimento de vacinas. 

E, nesse contexto, os pesquisadores voltaram suas atenções às variantes do SARS-CoV-2 que surgiram e que ainda estão surgindo, com o intuito de avaliar o impacto delas na eficácia das vacinas. As mutações que surgem no genoma do SARS-CoV-2 não são incomuns, mas precisamos estar atentos a elas.

Recentemente a variante ômicron, identificada inicialmente em Botsuana, na África, gerou furor devido ao seu alto número de mutações localizadas, principalmente na proteína Spike, a qual é responsável pela etapa inicial do processo de infecção. 

Mas por que o aparecimento de mutações nesta proteína poderia ser um motivo de preocupação? Quando as diferenças ocorrem no genoma, acende um sinal de alerta. Essa nova variante é mais transmissível? Diminuirá a eficácia das vacinas? Vamos passar por uma nova onda? Ainda não temos as respostas definitivas para essas perguntas. 

A emergência da variante ômicron ainda é muito recente para se afirmar sua maior patogenicidade. Entretanto, o que podemos fazer é vacinar assim que possível e continuar com as medidas de distanciamento social e uso de máscaras.  

 

Divulgação

O texto foi desenvolvido pelos pesquisadores dos Programas de Pós-Graduação em Ciências Médicas (PPGCM) e em Biotecnologia (PPGBiotec) da Universidade do Vale do Taquari - Univates: 

 

Profa Dra. Verônica Contini - Coordenadora e pesquisadora do PPGBiotec

Prof. Dr. Luís Fernando Saraiva Macedo Timmers - Coordenador e pesquisador do PPGCM

Profa Dra. Daiane Heiderich - Pesquisadora do PPGCM