Utilizamos cookies neste site. Alguns são utilizados para melhorar sua experiência, outros para propósitos estatísticos, ou, ainda, para avaliar a eficácia promocional do nosso site e para oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações sobre os cookies utilizados, consulte nossa Política de Privacidade.

Arco-Íris, Sininho, Tagarela e mais nove clowns são “graduados” em cerimônia na Univates

Postado as 22/12/2021 14:26:40

Por Lucas George Wendt

Divulgação

 

No último sábado, 18, mais uma turma de clowns do projeto de extensão “E seu sorrir!?”, da Universidade do Vale do Taquari - Univates, foi “graduada” em cerimônia de formatura. Na celebração, em vez do canudo, os formandos conquistaram o jaleco personalizado. As oficinas que preparam o clown têm duração de quatro horas cada uma e acontecem quinzenalmente. É obrigatória a presença em todos os encontros para a conclusão da formação.  

O objetivo do projeto “Clown - E seu sorrir!?” é promover ações de cuidados em saúde utilizando a figura do palhaço e sua relação com o humor, a fim de proporcionar momentos de descontração no ambiente hospitalar. As atividades incluem interações com pacientes, cuidadores e equipe de saúde, por meio de músicas, esquetes, shows de mágica, brincadeiras e tudo o que a improvisação natural de um palhaço de hospital permitir, sempre respeitando a segurança e a vontade do paciente.

O coordenador do projeto e também coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da Univates, professor Cristiano Zluhan Pereira, explica que as atuações são sempre em duplas ou trios. “Os clowns trabalham com o improviso, observando cada situação que se apresenta, como aceitação, desconforto, medo de palhaço, escuta ou descontração”. 

O docente indica que as atuações estão focadas em espaços de saúde, como casas de saúde, lares e Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), também em convites para atuação em eventos, já que, no momento, o Hospital Bruno Born (HBB), de Lajeado, está com restrição para as atividades voluntárias. “O projeto é de extrema importância, pois é comprovado que o riso ajuda no processo de recuperação de enfermidades. Além disso, a atividade ajuda a descontrair ambientes de saúde, que normalmente estão relacionados a dor e sofrimento”, complementa Pereira. 

Divulgação

Os novos clowns

Fernanda Goulart Kelm /  Arco-Íris 

Aniele Knob / Batatinha, da perna

Dara Cristine da Silva / Cachinhos

Karina Valandro / Kakanarinha

Marcela Fischer / Lollipop (Lolly)

Ana Paula Mörschbächer / Mendelévia

Emile Eduarda Mattes / Mimi

Diego Paulo Sotoriva / Pipo

Sandra Maria Neumann / Sininho 

Laura Thomas Horn / Tadah

Eduarda Zanatta Kolling / Tagarela

Júlia Manoela Beppler Iesbik / Tchubi

Arco-íris

Arco-íris

Divulgação

Arco-íris
Arco-íris

Divulgação

Cachinhos
Cachinhos

Divulgação

Lollipop
Lollipop

Divulgação

Mimi
Mimi

Divulgação

Kakanarinha
Kakanarinha

Divulgação/Acervo pessoal

Mandelévia
Mandelévia

Divulgação

Sininho
Sininho

Divulgação

Tadah
Tadah

Divulgação

Tchubi
Tchubi

Divulgação

Pipo
Pipo

Divulgação

Tagarela
Tagarela

Divulgação

Batatinha
Batatinha

Divulgação

Onde atuam os clowns

A atuação dos palhaços em hospitais ocorre desde o segundo semestre de 2016, quando a primeira turma de clowns da Univates foi formada e autorizada a atuar no HBB. No início, o grupo era composto por alunos da área da saúde, mas em 2017 um novo grupo foi formado, contemplando todas as áreas de ensino da Univates e também idades.

Partindo da proposição de que o clown (palhaço) deve trocar a dor pelo riso, num estado de transformação que alia arte à terapia convencional, as oficinas objetivam buscar experiências que auxiliem no desenvolvimento de empatia por parte dos voluntários com relação aos pacientes. 

A atividade também tem por objetivo humanizar os conhecimentos adquiridos durante a vida acadêmica do participante que é estudante, fazendo com que ele entenda a situação de fragilidade do indivíduo em situação de paciente e oportunizando a compreensão e reflexão diante da dor do outro, bem como a melhor forma de condução de situações de doença. 

Saiba mais sobre o projeto “E seu sorrir?!” da Univates 

O projeto “E seu sorrir?!” foi idealizado pela estudante de Medicina da Univates Stefânia Faé, de Caxias do Sul, cidade na qual atuam os Médicos do Sorriso. Stefânia fazia aulas de teatro na cidade e os ensaios ocorriam no mesmo local onde os doutores palhaços treinavam e se caracterizavam. O contato e a admiração pelo projeto fizeram com que a estudante trouxesse a ideia para Lajeado. 

Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail eseusorrir@univates.br.