Ramakant Sharda

Fuvates e Prefeitura desenvolvem parceria inovadora em escola-modelo de Lajeado

Postado as 26/02/2021 15:50:35

Por Lucas George Wendt

A Fundação Vale do Taquari de Educação e Desenvolvimento Social - Fuvates, entidade mantenedora da Universidade do Vale do Taquari - Univates celebrou, no início de 2020, um contrato de prestação de serviços educacionais com a Prefeitura de Lajeado. Dessa forma, a Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Saber, Educar, Respeitar, tem sua gestão compartilhada. 

As atividades no local iniciaram em dezembro do último ano. A pandemia de Covid-19 retardou o início das aulas, apesar de as obras terem sido concluídas em junho de 2020. Atualmente o número de matriculados é reduzido em razão dos cuidados necessários com a transmissão da Covid19, mas o espaço possui capacidade para atender 244 crianças de quatro meses até cinco anos de idade. 

Divulgação

“Essa é uma iniciativa muito inovadora na área da Educação”

À Prefeitura de Lajeado, cabe a manutenção predial e dos equipamentos públicos.A gerência dos recursos humanos é responsabilidade da Fuvates, que  também é responsável por desenvolver as atividades de ensino. Estudantes da Univates, dessa forma, poderão realizar pesquisas e estágios no local, assim como projetos e ações que tenham como objetivo desenvolver as práticas pedagógicas da Emei por meio de ações de ensino, pesquisa e extensão da Universidade. 

A professora doutora Morgana Domênica Hattge é pedagoga e, na Univates, coordena as atividades da Emei. A despeito de escolas infantis que trabalham com linhas teóricas específicas, como por exemplo, a Montessoriana e a Waldorf, a Univates, em conjunto com a Prefeitura, tem a proposta de, ao contrário de assumir um modelo específico, buscar inspiração em diferentes linhas teóricas de modo a construir uma proposta autoral, que atenda os anseios dessa comunidade em sua singularidade. 

“Essa parceria é uma iniciativa muito inovadora na área da Educação. Nossa ideia, com a construção do Projeto Político-Pedagógico, é que possamos estudar com o grupo escolar as principais vertentes e aproximar nossas práticas daquilo que faz mais sentido para a comunidade do bairro Santo Antônio em cada uma das abordagens”. 

Na avaliação da professora Morgana, o município já atua de forma muito competente na rede pública de educação. “Queremos dar um passo a mais nessa qualificação. O grande ganho para nós, enquanto instituição de ensino superior, é poder aproximar do espaço da escola a pesquisa que se faz nas áreas do Ensino, da Psicologia, das relações humanas”. A doutora observa que, no campo profissional especializado de áreas como a da Pedagogia, existem críticas à certa dissonância entre a educação infantil e a educação superior que forma os profissionais para atuação nos espaços escolares.

“Queremos derrubar essas barreiras e ir além. Vamos aproximar do cotidiano da escola áreas como a da Saúde, por exemplo, e os nossos projetos de extensão e de pesquisa - que muito podem nos ajudar”. Os benefícios para a comunidade escolar - as crianças e a família, especialmente - residem, dessa forma, na criação de uma rede multidisciplinar preparada para contribuir com a formação das crianças nas diferentes etapas de seu desenvolvimento. 

Em razão da pandemia, a escola atende um número restrito de estudantes. Novos professores estão sendo integrados aos poucos. Com o tempo, a ideia é que a parceria possa ser ampliada dentro da Universidade com outras iniciativas que tenham a escola como foco, e com a Prefeitura, para gestão em outros locais. Aos coordenadores dos cursos de graduação e dos projetos de pesquisa e extensão da Univates interessados em contribuir com o projeto a professora Morgana permanece à disposição. 

O que diz o município 

A secretária de Educação do município, Vera Lucia Plein, diz que a parceria representa uma nova forma de trabalho. “Acredito em parcerias e essa em especial apresenta diversos benefícios, considerando o contexto da universidade inserida na base do processo educacional. Ao mesmo tempo em que oferece o aporte teórico constante e renovado, dispõe da possibilidade de ver as teorias colocadas em prática”. 

Vera observa que, por meio da parceria, a comunidade conta com o atendimento em um local seguro, planejado e com profissionais comprometidos com o desenvolvimento das crianças. “Acredito que a iniciativa tem tudo para dar certo. Há o esforço coletivo para que tudo saia da melhor forma, com as adequações necessárias para que o trabalho transcorra com tranquilidade para todos os envolvidos, resultando em mais qualidade para as crianças e a comunidade”, finaliza.  

Kemily Monçani

A Fuvates na escola

A professora da Univates e supervisora da Emei, Daniela Regina Kraemer, comenta que os primeiros meses foram de adaptação. “A recepção das famílias foi bastante calorosa e cheia de curiosidade para saber como o projeto acontecerá de fato”, revela a supervisora. “Os pais das crianças são comunicados no momento da matrícula que existe uma parceria entre a Prefeitura e a Fundação”, detalha. “Espera-se que em breve o cenário melhore, para que possamos povoar a escola, abrindo as portas a essa comunidade para que vejam de perto as atividades acontecendo com as crianças”.

Recepção dos estudantes no início das atividades, em dezembro de 2020

Recepção dos estudantes no início das atividades, em dezembro de 2020

Pietra Darde/PML

Recepção dos estudantes no início das atividades, em dezembro de 2020
Recepção dos estudantes no início das atividades, em dezembro de 2020

Pietra Darde/PML

Autoridades em visita à escola em dezembro de 2020
Autoridades em visita à escola em dezembro de 2020

Giovani Marasca