Detalhes do Projeto de Pesquisa

Aplicação de marcadores moleculares no estudo da saúde reprodutiva animal e humana


Coordenação: Prof. Dr. Ivan Cunha Bustamante Filho

Pesquisador(a):

Ana L. Abujamra


Bolsistas:

3


Mestrandos:
1
 

Doutorandos:

1


Fontes Financiadoras:
Univates e CAPES
 

Resumo:

A aplicação de marcadores moleculares no estudo dos fenômenos que regem a produção de gametas e fertilização em animais domésticos vêm permitindo uma melhor compreensão dos mecanismos fisiopatológicos de condições clínicas que reduzem a fertilidade em animais. Tal compreensão permite, inclusive, transladar os dados dos modelos animais para a saúde reprodutiva humana, permitindo o desenvolvimento de novas ferramentas diagnósticas e estratégias de tratamento para a infertilidade de casais que buscam auxílio médico para a conceber. Nosso grupo de pesquisa vem estudando nos últimos anos a proteômica do sêmen suíno com o objetivo de identificar proteínas associadas a diferentes condições como: (a) resistência e viabilidade espermática após refrigeração do sêmen; (b) degeneração testicular e epididimária por deficiência androgênica; (c) congelabilidade seminal e composição de diluentes;. Desta forma, busca-se o desenvolvimento de técnicas mais apuradas de seleção e processamento seminal para a cadeia produtiva suína. Estes resultados poderão ser transladados para a espécie humana, viabilizando estudos focados na infertilidade idiopática masculina, uma vez que se acredita que muitos casos de infertilidade são causados por alterações nas proteínas presentes no plasma seminal e nos espermatozoides.

Sub projetos

Proteômica do sêmen suíno: Identificação de marcadores proteicos do plasma seminal e papel das proteínas disulfeto isomerase na maturação epididimária
Coordenação: Prof. Dr. Ivan Cunha Bustamante Filho
Fontes Financiadoras:

Fapergs


Resumo:
A moderna suinocultura depende do constante aprimoramento genético de seus rebanhos, e nenhuma biotécnica reprodutiva contribuiu mais para estes avanços nos últimos 20 anos que a inseminação artificial com sêmen refrigerado. Esta técnica disseminou-se de forma rápida devido a boa gestão na implantação da técnica, e ao fácil manuseio do sêmen refrigerado a 17°C.  Entretanto, as centrais de produção de sêmen encontram em sua rotina problemas com animais de alto valor zootécnico porém produtores de doses de sêmen com baixa resistência à refrigeração. Este gargalo representa significativas perdas devido a limitada produção de doses destes animais, bem como a impossibilidade de sua comercialização para mercados mais distantes. A busca por marcadores proteicos no sêmen que permitam identificar animais com características de interesse como relação a qualidade seminal e fertilidade já é realidade na espécie bovina. Contudo em suínos, poucos estudos aprofundaram os conhecimentos sobre a proteômica do plasma seminal e sua correlação com características reprodutivas. Assim, o presente projeto aborda a proteômica do plasma seminal e a expressão de chaperonas no fluido epididimário. O primeiro objetivo visa comparar o perfil proteico do plasma seminal de cachaços produtores de sêmen de alta e baixa resistência a preservação a 17°C. O segundo objetivo é quantificar a expressão das chaperonas PDIA1, ERp57 e PDILT no tecido e fluido epididimário. Estas chaperonas, conhecidas como proteínas dissulfeto isomerase, são responsáveis pelo controle da qualidade das proteínas, e podem exercer importante papel na qualidade das proteínas presentes no plasma seminal apos sua secreção no fluido epididimário. Resultados do nosso grupo apontam uma alteração no conteúdo destas proteínas nos espermatozoides ao longo do transito epididimário e em machos imunocastrados, evidenciando tanto uma possível função na maturação espermática na região proximal do epidídimo quanto a regulação endócrina da expressão destas chaperonas. Desta forma, este projeto utiliza abordagens atuais e inéditas na espécie na identificação de marcadores proteicos para seleção de ejaculados e cachaços.