Detalhes do Projeto de Pesquisa

Marcadores proteicos de qualidade do sêmen suíno: análise proteômica do plasma seminal e associação entre a expressão de chaperonas e a maturação espermática no epidídimo


Coordenação: Prof. Dr. Ivan Cunha Bustamante Filho

Voluntários(as):

Augusto Weber


Fontes Financiadoras:

CNPq


Resumo:
A moderna suinocultura depende do constante aprimoramento genético de seus rebanhos, e nenhuma biotécnica reprodutiva contribuiu mais para estes avanços nos últimos 20 anos que a inseminação artificial com sêmen refrigerado. Esta técnica disseminou-se de forma rápida devido a boa gestão na implantação da técnica, e ao fácil manuseio do sêmen refrigerado a 17°C.  Entretanto, as centrais de produção de sêmen encontram em sua rotina problemas com animais de alto valor zootécnico porém produtores de doses de sêmen com baixa resistência à refrigeração. Este gargalo representa significativas perdas devido a limitada produção de doses destes animais, bem como a impossibilidade de sua comercialização para mercados mais distantes. A busca por marcadores proteicos no sêmen que permitam identificar animais com características de interesse como relação a qualidade seminal e fertilidade já é realidade na espécie bovina. Contudo em suínos, poucos estudos aprofundaram os conhecimentos sobre a proteômica do plasma seminal e sua correlação com características reprodutivas. Assim, o presente projeto aborda a proteômica do plasma seminal suíno e a expressão de chaperonas no fluido epididimário. O primeiro objetivo visa comparar o perfil proteico do plasma seminal de cachaços produtores de sêmen de alta e baixa resistência a preservação a 17°C. O segundo objetivo é quantificar a expressão das chaperonas PDIA1, ERp57 e PDILT no tecido e fluido epididimário. Estas chaperonas, conhecidas como proteínas dissulfeto isomerase, são responsáveis pelo controle da qualidade das proteínas, e podem exercer importante papel na qualidade das proteínas presentes no plasma seminal apos sua secreção no fluido epididimário. Resultados do nosso grupo apontam uma alteração no conteúdo destas proteínas nos espermatozoides ao longo do transito epididimário e em machos imunocastrados, evidenciando tanto uma possível função na maturação espermática na região proximal do epidídimo quanto a regulação endócrina da expressão destas chaperonas. Desta forma, este projeto utiliza abordagens atuais e inéditas na espécie na identificação de marcadores proteicos para seleção de ejaculados e cachaços.