Detalhes do Projeto de Pesquisa

Paleobotânica e Paleoambientes


Coordenação: Prof. Dr. André Jasper

Pesquisador(a):

Profa. Dra. Neli Teresinha Galarce Machado (UNIVATES – Brasil);
Prof. Dr. Átila Augusto Stock da Rosa (UFSM – Brasil);
Dra. Deepa Agnihotri (BSIP – Índia);
Prof. Dr. Dieter Uhl (Senckenberg – Alemanha);

Profa. Dra. Etiene Fabbrin Pires (UFT – Brasil);
Profa. Dra. Margot Guerra-Sommer (UFRGS – Brasil);
Dra. Rajni Tewari (BSIP – Índia).


Bolsistas:

04 BICs UNIVATES;
01 BIC CNPq – Edital Universal;
01 BIC CNPq – PIBIC/CNPq/UNIVATES;
01 BIC FAPERGS – PROBIC/FAPERGS/UNIVATES;
01 BAT CNPq – Edital Universal.


Doutorandos:

02 Bolsistas Integrais de Doutorado – PROSUP/CAPES/UNIVATES;


Resumo:

Para que seja possível a compreensão do impacto das ações vinculadas ao chamado “desenvolvimento humano” sobre o meio, é fundamental considerar a premissa de que os sistemas não são estáveis, sendo sujeitos a variações antrópicas e, principalmente, naturais. A compreensão destas dinâmicas ambientais passa, invariavelmente, pelo entendimento de suas características básicas, avaliadas pelos estudos vinculados aos diferentes biomas. Tais análises têm se voltado cada vez mais aos processos ambientais envolvidos na sua formação, manutenção e estabilidade, gerando um gradativo aumento da importância das discussões que tentam esclarecer a evolução dos ambientes durante o tempo em busca da avaliação de sua gênese. Um dos elementos utilizados nestes estudos é o acompanhamento das variações florísticas ocorridas, tendo em vista que as plantas são excelentes marcadores ambientais. Variações da morfologia foliar, adaptações de estruturas reprodutivas e sistemas de condução de seiva, além de relações ecológicas (de fundo natural ou antrópico) tornam-se, ferramenta fundamental para esses estudos. Dentre as formas de avaliar os processos envolvidos na temática, destaca-se o estudo do registro de carvão vegetal (charcoal) macroscópico, o qual permite a interpretação do passado e o estabelecimento de parâmetros de variação ambiental, atuais e futuros. Dessa forma, o presente estudo pretende, através da avaliação dos carvões vegetais macroscópicos de diferentes idades e regiões, inferir a influência dos (paleo)incêndios vegetacionais nos processos vinculados à formação e evolução de biomas pretéritos, servindo de base para ações de preservação, utilização adequada e recuperação de sistemas atuais.

Sub projetos

Late Palaeozoic palaeo-wildfires in Gondwana and Euramerica: a comparative approach
Coordenação: Prof. Dr. André Jasper
Pesquisador(a):

André Jasper (coordenador – Humboldt Research Fellowship for experienced researchers), Dieter Uhl (parceiro alemão), Neli Teresinha Galarce Machado, Simone Stülp, Átila Augusto Stock da Rosa, Haytham El Atfy, Deepa Agnihotri, Rajni Tewari, Etiene Fabbrin Pires, Margot Guerra-Sommer, Miriam Cazzulo-Klepzig, Verdiana Ribeiro, Cristina Moreira Félix, Aline Constantin, Daniela Mueller de Lara, Mariela Inês Secchi, Isa Carla Osterkamp, José Rafael Wanderley Benício, Joseline Manfroi, Rosane Pereira da Silva, Marcela Bruxel, Leo Jaime de Vargas, Gabriel Lorenzon, Cibele Inês Rockenbach, Ana Paula Wester, Rafael Spiekermann, Úrsula Arend.


Fontes Financiadoras:

Alexander von Humboldt Foundation (Alemanha – Processo BRA 1137359 STPCAPES) e CAPES (Processo BEX 8107-14-9).


Resumo:

Macroscopic charcoal is widely accepted as a direct indicator for the occurrence of palaeo-wildfires. In Upper Paleozoic sediments of Euramerica and Cathaysia, records of these remains are relatively common and (regionally and stratigraphically) more or less homogeneously distributed in terrestrial sequences. On the other hand, just a few records have so far been published for the Permian of Gondwana and only recently it has been demonstrated that macroscopic charcoals are also common there. Most of the Late Paleozoic charred wood coming from that area have gymnospermous taxonomical affinity and has been reported from coal-bearing strata. It was also shown that the occurrences are spread out in different sequences and also in distinct stratigraphic intervals [e.g. Paraná Basin (Sakmarian/Artinskian of Brazil), Karoo Basin (Artinskian of South Africa), Damodar Basin (Lopingian of India) and Dead Sea region (Changhsingian of Jordan)]. However, a lack of data and comparative analyses (e.g. with the Northern Hemisphere occurrences) of macroscopic charcoal persists for the Gondwana, and detailed studies are necessary. In this context, the present project aims to study the Late Palaeozoic Gondwanan palaeo-wildfire occurrences using macroscopic charcoal as direct evidence. A comparative evaluation between the Gondwanan and Euramerican remains will be made to contribute to the improvement of palaeoenvironmental concepts about these events on a continental and global scale for that period. To reach this objective, mutual cooperation and international mobility actions between the host and the applicant will be necessary, justifying the here presented project to support the Capes-Humboldt Research Fellowship for Experienced Researcher grant.