Detalhes do Projeto de Pesquisa

Bioecologia e controle de ácaros em agroecossistemas e ambiente natural no estado do Rio Grande do Sul


Coordenação: Prof. Dr. Noeli Juarez Ferla

Pesquisador(a):


Voluntários(as):

1


Mestrandos:

3
 


Doutorandos:

6


Fontes Financiadoras:

Universidade do Vale do Taquari - Univates


Resumo:

O projeto tem como objetivo realizar estudos de bioecologia e controle de ácaros em agroecossistemas e ambiente natural no estado do Rio Grande do Sul. Atualmente são desenvolvidas inúmeras atividades no Laboratório de Acarologia localizado no Tecnovates,  incluindo descrição de espécies presentes em ambientes naturais ou agroecossistemas do Vale do Taquari ou de outras regiões do Brasil. A seguintes culturas são estudadas em projetos desenvolvidos por BICs, Mestrando e Doutorandos do Laboratório: erva mate, soja, videiras, morango, arroz, maçã e flores. O referido laboratório também dá suporte na liberação de ácaros predadores em programas de controle biológico em propriedades de produtores ecológicos de morango da região. Além disso, existe estrutura própria onde são realizados estudos de identificação de ácaros utilizando técnicas moleculares, bem como caracterização de estruturas acarinas utilizando Microscópio Eletrônico de Varredura (MEV). Com a estrutura de câmaras de germinação e estufa são desenvolvidos estudos de ecologia, controle biológico e seletividades a ácaros predadores.

Sub projetos

Bioecologia e controle de ácaros associados à aves de postura
Coordenação: Noeli Juarez Ferla
Pesquisador(a):
Guilherme Liberato da Silva
Liana Johann

Bolsistas:

4 Bolsistas de Iniciação Científica


Mestrandos:

2 Mestrandos


Doutourandos:

3 Pós-doutorandos


Fontes Financiadoras:
Parque Científico e Tecnológico do Vale do Taquari – TECNOVATES
Empresa Naturovos

Resumo:
Devido à crescente demanda por produtos avícolas, as aves de postura são criadas em regime intensivo, fornecendo ao consumidor a contínua disponibilidade de ovos em qualquer época do ano, no entanto, a produção intensiva além de prejudicar o bem-estar das aves, aumenta o risco de epidemias. A proliferação de ectoparasitas pode levar a baixa produtividade e a diminuição da qualidade do produto. O projeto tem como objetivos: (1) indicar as principais espécies de ácaros em granjas associados a galinhas poedeiras, a partir de coletas mensais ao longo de 12 meses consecutivos, monitorando a dinâmica populacional para avaliação e reconhecimento das espécies de importância econômica. (2) Avaliar a capacidade das aves de postura em tolerar as infestações de ácaros, mensurando possíveis prejuízos na produção de ovos e reconhecer as principais espécies acarinas associadas às infestações relacionando-as com perdas de produção. (3) Estabelecer um programa de controle biológico na cadeia de aves de postura a partir de criações dos ácaros predadores e pragas (ectoparasitos) em laboratório, realizando testes de predação, estudos bioecológicos destes ácaros predadores sobre ectoparasitos presentes nas granjas e posteriormente, realizar testes de liberação de ácaros predadores em granjas para suprimir as populações de ácaros considerados praga (ectoparasitos).
Manejo e controle biológico dos ácaros tetraniquídeos em vinhedos do estado do Rio Grande do Sul
Coordenação: Prof. Dr. Noeli Juarez Ferla
Pesquisador(a):

Liana Johann, Elisete Maria de Freitas, Eduardo Ethur, Mônica Jachetti Maciel e Cláucia Volken de Souza.


Voluntários(as):

Júlia Jantsch Ferla


Bolsistas:

Caleb Juchem, Priscila De Andrade Rode, Tairis da Costa, Francielle Fernandes Spies, Liliana Schmitz Scheid, Isadora Zanatta Esswein.


Mestrandos:

Patrícia Vogel, Gerson Dalcin e Grasciele Tamara Kemerich.


Doutourandos:

Rita Tatiane Leão da Silva, Darliane Evangelho Silva, Joseane Moreira do Nascimento, João Siebert, Paula Lohmann, Guilherme Liberato da Silva.


Fontes Financiadoras:

CNPq e CAPES


Resumo:

Panonychus ulmi (Koch), conhecido como ácaro vermelho europeu, tem ampla distribuição mundial. Recentemente citada associada à cultura da videira na Serra Gaúcha. As folhas da variedade apresentaram bronzeamento, com manchas avermelhadas na face adaxial, com queda prematura de folhas. Este projeto tem o objetivo de estabelecer uma proposta de manejo que suporte o controle biológico de ácaros tetraniquídeos mesmo com o uso de fungicidas e caldas em vinhedos da Serra Gaúcha, Rio Grande do Sul. Os estudos de laboratório são conduzidos no Laboratório de Acarologia do Centro Universitário UNIVATES, durante as safras 2016/2018. Agistemus floridanus (Gonzales), Neoseiulus californicus (McGregor) e P. ulmi serão coletados em plantas de videiras de cooperados de Cooperativas, mantidos em criações em câmara de germinação na temperatura de 25±1°C, umidade relativa de 70±5% e fotofase de 14 horas. Fungicidas e caldas serão testados nas concentrações recomendadas para a cultura sobre fêmeas fecundadas de N. californicus, A. floridanus e P. ulmi adultas e em oviposição, conforme critérios estabelecidos pela IOBC/WPRS. Também serão estabelecidas estratégias de liberação de ácaros predadores para o controle biológico do P. ulmi. Serão avaliadas as propriedades físico-químicas de parreirais com e em controle biológico de pragas, onde serão avaliados, Brix e Acidez, Fenóis totais, Capacidade antioxidante, antocianinas totais, flavonoides e resveratrol.

Manejo de Vinhedos: controle biológico e a influência sobre a produção de substâncias bioativas
Coordenação: Prof. Dr. Noeli Juarez Ferla
Pesquisador(a):

Liana Johann, Elisete Maria de Freitas, Mônica Jachetti Maciel e Cláucia Volken de Souza.
 


Voluntários(as):

Júlia Jantsch Ferla


Bolsistas:

Caleb Juchem, Priscila De Andrade Rode, Tairis da Costa, Francielle Fernandes Spies, Liliana Schmitz Scheid, Isadora Zanatta Esswein.


Mestrandos:

Patrícia Vogel, Gerson Dalcin e Grasciele Tamara Kemerich.


Doutourandos:

Rita Tatiane Leão da Silva, Darliane Evangelho Silva, Joseane Moreira do Nascimento, João Siebert, Paula Lohmann, Guilherme Liberato da Silva.

 


Fontes Financiadoras:

SDECT


Resumo:

Estabelecer uma proposta de controle biológico de ácaros tetraniquídeos em vinhedos, usando, como parâmetros de qualidade os níveis de metabólitos secundários em parreirais de uvas do Vale do Taquari, RS. Os estudos de laboratório serão conduzidos nos Laboratórios de Acarologia, Biotecnologia de Alimentos e de Química de Alimentos do Tecnovates no período de 2016-2018. Espécimes do complexo Agistemus, Neoseiulus californicus (McGregor) e Panonychus ulmi (Koch) serão coletados em plantas de videiras e mantidos em folhas de macieira.  Todos os ácaros serão criados em câmara de germinação, a temperatura de 25±1°C, umidade relativa de 70±5% e fotofase de 14 horas. Os fungicidas, inseticidas e as caldas mais comumente utilizadas na cultura da videira serão testados nas concentrações recomendadas para a cultura. O efeito adverso total será calculado considerando-se a mortalidade das fêmeas no tratamento, corrigida em função da mortalidade na testemunha e o efeito na reprodução, segundo a critérios estabelecidos pela IOBC/WPRS. As liberações serão realizadas na safra 2016-2018, em seis áreas (três com Neoseiulus californicus e três com o complexo de Agistemus) de varietais viníferas americana e europeia em propriedades no Vale do Taquari. Os predadores serão liberados em diferentes densidades nas plantas de videira com tratamentos fitossanitários convencionais, exceto acaricidas, na área de estudo.  A liberação em áreas com fungicidas serão organizadas e realizadas na safra 2017/18, baseadas em informações obtidas em laboratório. Serão organizados testes de avaliação onde serão aplicados fungicidas ou caldas com menor ação acaricida. Análises físico-químicas - pH, Brix e Acidez - Na colheita, as bagas são esmagadas manualmente, e o mosto extraído utilizado para as análises físico-químicas. O conteúdo de compostos fenólicos totais dos extratos metabólicos será determinado pelo método espectrofotométrico, utilizando-se reagente de Folin-Ciocalteau e ácido gálico como padrão. Os resultados obtidos serão expressos como equivalentes de ácido gálico (100 g -1 amostra base úmida (b.u.). A capacidade antioxidante será avaliada utilizando-se o método do sequestro de radicais livres do DPPH (2,2-difenil-1-picrilhidrazila) em microplaca. As antocianinas totais serão quantificadas pelo espectrofotômetro. Plantas de videiras das cultivares uva de mesa, americana e europeia serão expostas a diferentes graus de ataques de P. ulmi e em diferentes tempos de exposição. Os danos provocados na epiderme foliar serão obtidos com o uso de microscópio eletrônico de varredura (MEV). Para identificar os danos, folhas não atacadas por ácaros, serão submetidas às mesmas análises em microscópio óptico e em MEV. As imagens obtidas serão comparadas entre si, possibilitando a identificação dos danos causados às folhas quando expostas a diferentes graus de ataque e tempo de exposição. As imagens obtidas serão utilizadas para a elaboração de um manual que possibilite ao produtor rural a identificação da presença de ácaros fitófagos na cultura. Plantas de videiras das cultivares uva de mesa, americana e europeia serão expostas a diferentes graus de ataques de P. ulmi e em diferentes tempos de exposição, sendo posteriormente realizada a extração de RNA total das amostras de folhas de videiras através de kit de extração específico. Em seguida será realizada a reação de transcrição reversa para obtenção do cDNA. Serão desenhados primers específicos para os genes expressos na condição de ataque do ácaro fitófago, sendo a expressão destes genes confirmada por RT-qPCR (PCR em Tempo Real).  Os níveis de expressão dos genes de interesse serão avaliados com relação a um gene controlem e a expressão gênica relativa será calculada e avaliada de acordo com o método 2-ΔΔCT modificado, que leva em conta as eficiências de amplificação de cada par de primers. Cada amostra será avaliada em quatro repetições técnicas e três repetições biológicas.